Os primeiros humanos no Norte da África ordenharam gado

Os primeiros humanos no Norte da África ordenharam gado

Um estudo liderado pela Universidade de Bristol descobriu a primeira prova inequívoca de que humanos pré-históricos usavam gado para obter leite há cerca de 7.000 anos no norte da África. Ao analisar os ácidos graxos extraídos da cerâmica de um sítio arqueológico na Líbia, os pesquisadores demonstraram que as gorduras do leite eram processadas nesses recipientes.

Faço cerca de 10.000 anos, o Saara era um lugar mais úmido e mais verde, habitado por caçadores e coletores que ali viviam. No entanto, entre 7.000 e 5.000 atrás, a região se tornou mais árida e os habitantes se tornaram nômades que levaram uma vida pastoral. Os animais domésticos eram muito importantes para essas pessoas, já que a arte rupestre amplamente encontrada em toda a área inclui muitas representações vivas de animais, especialmente gado. Porém, não havia prova direta de que esses animais foram ordenhados até agora.

Pesquisadores da Unidade de Geoquímica Orgânica da Escola de Química de Bristol, juntamente com seus colegas da Sapienza, Universidade de Roma, estudou cerâmica há 7.000 anos e encontrado no abrigo Takarkori na Líbia. Usando biomarcadores lipídicos e análise de isótopos de carbono estáveis, eles examinaram os ácidos graxos que ainda são preservados no tecido cerâmico e descobriram que metade dos recipientes tinha sido usada para processamento de gordura láctea. Isso confirma pela primeira vez a presença de gado domesticado na região e destaca a importância do leite na sociedade de pastores pré-históricos.

Julie Dunne, estudante de doutorado na Bristol School of Chemistry e uma das autoras do estudo, explica: “Já sabemos a importância dos laticínios para o povo da Europa neolítica, por isso é emocionante encontrar provas de que eles também foram importantes na vida dos homens pré-históricos na África. Esses resultados também fornecem uma base para a nossa compreensão da evolução do gene de persistência da lactase, que parece ter surgido quando os povos pré-históricos começaram a consumir laticínios.”.

O gene citado pelo pesquisador é encontrado na árvore genética de europeus e de alguns grupos da África Central, o que corrobora a teoria de que os habitantes da área migraram, junto com o gado, do Oriente Médio à África Oriental, há 8.000 anos.

O co-autor do estudo e professor da Escola de Química de Bristol, Richard Evershed acrescenta: “Embora a arte rupestre do norte da África contenha muitas representações de gado, incluindo, em alguns casos, representações da ordenha de uma vaca real, raramente pode ser datada de forma confiável. A análise molecular e isotópica de resíduos alimentares absorvidos pela cerâmica é uma excelente forma de investigar a dieta dos povos primitivos.”.

Apaixonado por História, é formado em Jornalismo e Comunicação Audiovisual. Desde pequeno amou história e acabou explorando os séculos XVIII, XIX e XX sobretudo.


Vídeo: Filosofia africana, racismo epistêmico e o ensino de filosofia. Entrevista com Renato Noguera