Canetas-tinteiro com estilo e história

Canetas-tinteiro com estilo e história

A escritura, como a conhecemos, passou por uma série de etapas que marcaram sua evolução histórica, marcada por descobertas e complicações. Nele, o caneta tinteiro teve muito a ver com isso.

Em suas origens, o único instrumento confiável para captar no papel as palavras que permaneceriam indeléveis ao longo dos anos, eram as canetas de pena e de Ganso usado por balconistas. Eles foram os transmissores de muitas das melhores obras literárias já escritas, como o Teatros de Shakespeare onda romance Dom Quixote de la Mancha. Páginas e páginas criadas mergulhando a caneta no tinteiro, lutando contra o gotejamento e, às vezes, manchas de tinta inevitáveis, afiando constantemente a ponta do instrumento ou alterando-o por inútil.

A insistência em encontrar uma alternativa que resolvesse todos esses problemas teve seus primeiros frutos em 1884, quando VOCÊS. Waterman patenteia uma caneta-tinteiro, ainda rudimentar, que atendia aos requisitos necessários ao seu correto funcionamento. Consistia em um tanque de tinta que foi levado ao bico através de um alimentador, e distribuído uniformemente pelo papel.

Uma empresa que evoluiu e aperfeiçoou seus instrumentos de escrita de forma vertiginosa ao longo dos mais de um século de vida da caneta-tinteiro.

Um dos modelos mais modernos que lançou recentemente no mercado é o Waterman Harley Davidson, cujo design tenta se assemelhar à lendária motocicleta.

Durante o século XIX, a pesquisa em torno da caneta-tinteiro foi fundamental para alcançar a perfeição das canetas que chegam às nossas mãos hoje. Através de métodos artesanais, ele abriu caminho para a exploração científica que veio depois.

W. A. ​​Scheaffer foi fundamental para a obtenção de um novo sistema de cobrança, que foi registrado nos anais da história por sua patente de 1819. Um século depois, a casa Scheaffer lançou uma edição limitada de canetas no mercado, em comemoração ao artesanato de seus primórdios.

Para nos lembrar o quão difícil foram as expedições por todo o globo, no ano de 1600, quando os mapas ainda não haviam sido desenhados, Montegrappa edita o modelo da caneta-tinteiro GEA, o que nos ajudará a mostrar o caminho.

Penas Montegrappa eles são carregados não apenas com tinta, mas com conteúdo simbólico. Uma de suas obras-primas é a coleção Calendário maia, onde você pode ver várias gravuras que refletem as crenças desta cultura em relação ao fim do mundo. Vários Deuses são representados em sua estrutura, em torno de um elemento de vital importância, o espada sacrificial.

Pelo calendário maia, o fim do mundo deveria ter ocorrido em 21 de dezembro. Felizmente, suas previsões não se cumpriram e podemos continuar a desfrutar dessas joias da história.

A empresa italiana Delta presta homenagem a antiguidade romana Século I dC, quando uma das maravilhas do mundo foi construída: o Coliseu romano. Para isso, ele projeta o Demonstrador do Coliseu, uma referência da época de ouro da caneta-tinteiro, com um inovador sistema de alavancas laterais. Com detalhes gravados em prata, resina laranja decorando a tampa e uma ponta de ouro 18 quilates que juntas mostram uma caneta com grande personalidade.

Visconti, a renomada empresa italiana, em homenagem a obras arquitetônicas de importância mundial, projeta canetas como a Alhambra onda Taj Mahal, que evocam a cultura moçárabe.

A inspiração para Visconti vem de vários pontos. Neste caso, foi o mausoléu Mumtaz Mahal, a maior ourivesaria da Terra, da qual participaram mais de 20.000 homens.

Casa Stipula, bastante jovem em comparação com seus concorrentes, foi fundada em 1973 e sua coleção mais importante tem sidoThe Immortabili, onde o Venus Memoriae É a joia da família. Culto à beleza do corpo humano, sua originalidade permeou os amantes da escrita.

Para comemorar os 3.000 anos de história do Jerusalém, casa O mais elabora uma caneta-tinteiro de entalhe requintado e muito complicado, onde a parede que a rodeia e as portas do Zion, Jaffa e Leon. Como podemos ver, cada caneta-tinteiro está impregnada com um pedaço de nossa história passada.

Mas Omas também se concentra em eventos mais recentes, como a fundação de UNICEF 1946. Para reconhecer o trabalho árduo que esta organização estava fazendo nos países mais desfavorecidos, no aniversário de 50 anos Desde a sua criação, a Omas tem uma iniciativa pioneira no setor: cria uma coleção de 24 canetas-tinteiro da qual participam personagens apresentados do esporte, cultura e ciência. As primeiras vendas foram destinadas à fundação.

Omas canta para crianças

A firma chinesa Duque alcança os meninos grandes com este design delicado que evoca o Ópera de Pequim. É sobre o máxima expressão artística para a cultura chinesa onde o canto, as artes marciais ou a dança são as suas principais disciplinas.

A companhia francesaS. T. Dupont, fundada em 1872, sempre esteve ligada à excelência. Durante o período de crescente industrialização no final do século, ele apresentou uma coleção esculpida emlaca chinesa, um trabalho manual baseado noquatro elementos: ar, água, fogo e terra. É uma edição limitada de 200 exemplares, difícil de encontrar. Aqueles que os possuem têm uma joia nas mãos.

Grandes obras-primas arquitetônicas foram coletadas por esta empresa, em colaboração com o designer de joias Philippe Tournaire. Les Invalides de Paris, o russo Catedral de São Basílio e a Pagode do Sol na China, eles foram reproduzidos em detalhes em miniatura.

Não podemos ignorar as contribuições de Montblanc para a evolução da caneta-tinteiro. Ele iniciou seus trabalhos artesanais em 1908, e não parou de crescer e evoluir.

Suas diferentes modalidades de coleta Esqueleto Eles nos mostram uma versão renovada da caneta-tinteiro, na qual podemos ver seu interior.

Esta caneta-tinteiro que parece prestes a decolar, é apenas uma amostra da grande transformação da Montblanc em suas criações de instrumentos de escrita. Dos modelos vintage desde o início, muda para uma linha muito mais moderna. Junto com a companhia aérea Emirates, desenhe esta caneta elegante, com base no Airbus 380, a aeronave com o maior número de passageiros da empresa. Seu luxo é evidente ao observar o 28 diamantes que o cercam, embutido em um cobertura de platina.

Continuando com sua linha moderna e luxuosa, esta original caneta foi projetada para um evento específico: o casamento do príncipe Albert de Mônaco. É uma peça única, desenhada por e para o link. A Montblanc se inspirou no palácio onde o casal residiria.

Outras canetas-tinteiro parecem trazidas do futuro, como as que fazem parte da coleção Cybergraphde Jean Pierre Lépin. Tornado um clássico contemporâneo, seus materiais são os mais sofisticados: tampas de paládio, madeira de raiz resistente e uma forma curiosa de recarga com bomba acoplada. Uma grafia autêntica trazida do ciberespaço.

Como vemos, os grandes marcos da história estão ligados de uma forma ou de outra à escrita, primeiro em pedra, depois em papiro, até chegar ao papel. As canetas-tinteiro do mundo coletam esses momentos e os colocam em nossas mãos.

Quem sabe em alguns anos teremos que completar nosso artigo com a apresentação de canetas digitais, quem sabe!

Eu estudo jornalismo e direito, e para ambas as disciplinas a história é essencial. É o pilar básico da nossa vida, como mãe procuro apresentar ao meu filho as raízes da nossa origem. Adoro contar histórias sobre como viveram nossos ancestrais e anedotas interessantes que despertam sua curiosidade. Um mundo emocionante que aprenderemos juntos aqui na Redhistoria.


Vídeo: O mistério das canetas Crown - Herói de Papel