Tallapoosa II - História

Tallapoosa II - História

Tallapoosa II

(CGC: dp. 912 1. 165'10 ", b. 32'0", dr. 11'9 "(média);
s. 12,7 k .; cp ;. 78; uma. 1 4 ", 2 6-pdrs., 2 mg., 1 pistola Y)

O segundo Tallapoosa - um cortador da Guarda Costeira construído em 1915 em Newport News, Virgínia, pela Newport News Shipbuilding and Dry Dock Co. - serviu à Guarda Costeira no Golfo do México de sua base em Tampa, Flórida, até os Estados Unidos Os estados entraram na Primeira Guerra Mundial. Em 6 de abril de 1917, o cutter foi temporariamente transferido para o Departamento da Marinha. Ela começou no dia 16

e dirigiu-se à costa nordeste dos Estados Unidos, onde serviu à Marinha em patrulha anti-submarino durante o conflito. Após o fim das hostilidades, o cúter da Guarda Costeira foi devolvido ao Departamento do Tesouro por meio de uma ordem executiva emitida em 28 de agosto; e Tallapoosa retomou seu dever no Golfo do México operando a partir de Mobile. Ala.


Rio Tallapoosa

o Rio Tallapoosa corre 265 milhas (426 km) [1] da extremidade sul das Montanhas Apalaches na Geórgia, Estados Unidos, em direção ao sul e oeste para o sopé dos Apalaches no Alabama. É formada pela confluência de McClendon Creek e Mud Creek no condado de Paulding, Geórgia. O lago Martin em Alexander City, Alabama, é uma grande e popular área de recreação aquática formada por uma barragem no rio. O Tallapoosa junta-se ao rio Coosa cerca de 10 milhas (16 km) a nordeste de Montgomery perto de Wetumpka (no condado de Elmore) para formar o rio Alabama.

Existem quatro barragens hidrelétricas em Tallapoosa: Yates, Thurlow, Martin e Harris. Eles são importantes fontes de geração de eletricidade para a Alabama Power (uma unidade da Southern Company) e recreação para o público.


Tallapoosa II - História

Por William E. (Bill) Goss

A história humana registrada de Tallassee começou quando os índios Muskogee-Creek (povo do terreno pantanoso) construíram o primeiro assentamento perto das Grandes Quedas do Rio Tallapoosa e o chamaram de Talisi. A cidade indígena Creek de Talisi estava localizada na foz do Riacho Euphaubee, onde se encontra com o rio Tallapoosa, cerca de três milhas ao sul da atual Tallassee.

Perto dali, a cidade índia irmã de Talisi, Tukabahchi / Tukabatchee (1686-1836), era um assentamento Creek mais jovem e a última grande capital da Confederação Creek. A famosa visita de Tecumseh a Tukabahchi em outubro de 1811 foi a centelha que acendeu a Guerra dos índios Creek (1813-1814). No final, esta guerra reduziu a cinzas os nativos americanos reivindicam suas terras. Por meio de tratados e remoção de índios em 1832 e 1836, as terras indígenas em Tallassee foram abertas a colonos brancos da Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia.

Tallassee está localizado na parte inferior do rio Tallapoosa, nas densamente florestadas Montanhas Esmeraldas das Montanhas Apalaches inferiores (Planalto do Piemonte). Quando o condado de Tallapoosa foi criado em 18 de dezembro de 1832, toda Tallassee estava localizada na divisão ocidental do condado de Tallapoosa. Em 15 de fevereiro de 1866, quando o condado de Elmore foi criado, a parte oeste de Tallassee foi colocada no condado de Elmore. Hoje, Tallassee está dividida entre os condados de Tallapoosa e Elmore.

Tallassee foi colonizada em 1835. Registros de ações no tribunal do condado de Tallapoosa em Dadeville, Alabama, mostram que a “cidade de Tallassee” foi estabelecida. Blocos foram colocados e as pessoas estavam morando na cidade já em 24 de outubro de 1835.

Barent DuBois (1798-1849), um nova-iorquino de descendência huguenote francesa do condado de Greene, NY, foi o fundador de Tallassee. Ele se mudou do condado de Montgomery, Alabama para Tallassee, condado de Tallapoosa em 1832, aos 34 anos. Casou-se com uma meio-riacho chamada Milly Reed (1809-1890), que nasceu em Line Creek, no condado de Montgomery. Em 1835-1841, ele adquiriu uma grande parte (2.092 acres) de terras na área de Tallassee, por escritura e concessões. Agora, esta terra é Tallassee.

Em 1844, Barent e Milly DuBois venderam a terra e a energia da água, para o local da primeira fábrica têxtil de Tallassee, a segunda construída no Alabama, a Thomas Meriwether Barnett (1785-1857) e William Matthews Marks (1807-1876). Eles foram os responsáveis ​​pelo primeiro desenvolvimento industrial de Tallassee. Isso resultou na localização da cidade de Tallassee no local das Cataratas Tallassee, na margem oeste do rio Tallapoosa. Lá, eles construíram a primeira fábrica de têxteis em Tallassee em 1844.

Em 1864-1865, o Arsenal Confederado Tallassee fabricou quinhentas Carabinas Tallassee. O arsenal foi localizado em 1844 Tallassee Mill. Estoques de armas, barris e outras peças foram transferidos do Arsenal Confederado de Richmond (Virgínia) para Tallassee, quando este fechou. Os canos das armas estavam furados em Tallassee. Menos de uma dúzia de carabinas Tallassee sobreviveram.

As escolas públicas não eram apoiadas no Alabama até o início do século XX. Antes disso, os primeiros colonos de Tallassee estabeleceram escolas e academias particulares. A primeira escola pública em Tallassee foi iniciada por volta de 1887. Ela tinha um professor e 25 alunos da 1ª à 12ª série. A primeira Escola Tallassee, que tinha mais de um professor, foi construída em 1905 e ficava na esquina nordeste das ruas Ann e Barnett. Em 26 de agosto de 1909, a Assembleia Geral do Alabama aprovou uma lei do trabalho infantil, que ajudou a eliminar o uso de trabalho infantil nas fábricas de Tallassee e em outras usinas e fábricas no Alabama. De acordo com suas disposições, nenhuma criança com menos de 12 anos de idade poderia trabalhar nas usinas e fábricas. Isso criou uma oportunidade para as crianças de Tallassee freqüentarem a escola.

Em 1913, na área de Jordanville, os cidadãos da cidade incorporada de Tallassee construíram uma escola de três salas (1-12). Não foi até 1915 que as Escolas da Cidade Tallassee começaram a se desenvolver. Em 7 de fevereiro de 1916, uma reunião em massa foi realizada para arrecadar dinheiro para uma nova escola da cidade de Tallassee (séries 1-12). Em 1916, um novo grande edifício de dois andares, projetado pelo renomado arquiteto Montgomery Franks Firth Lockwood (1856-1936), foi construído pelos Tallassee Mills na King Street, nos fundos da atual Tallassee High School, no local onde agora fica o Stumberg Gym. Quando a escola de 1916 foi inaugurada, a Escola Jordanville de 1913 foi consolidada. A escola de 1916 queimou em 1928 e foi substituída pela atual Tallassee High School em 1929. Dr. Charles Bunyan Smith (1891-1984), que havia sido o diretor da Escola de 1916, tornou-se o superintendente das Escolas Tallassee e East Tallassee e serviu de 1924-1935. Ele foi o arquiteto e pai das escolas da cidade de Tallassee.

O final da década de 1920 foi uma época boa para Tallassee. Uma Biblioteca Comunitária, um Hospital Comunitário, um novo Centro Comercial East Tallassee, uma nova Escola Primária East Tallassee (graus 1-6), um novo Woodall Hotel de luxo com 72 quartos (mais tarde denominado Hotel Talisi) concluído em 1928 e a Barragem Thurlow concluída em 31 de dezembro de 1930 foram construídos. A represa de Thurlow criou o lago Talisi com uma linha costeira de seis milhas e uma área de 574 acres. Hoje, a energia, gerada pelas quatro barragens no rio Tallapoosa (Martin, Yates, Thurlow e Harris), fornece eletricidade não apenas para Tallassee e suas indústrias, mas também para todo o Sudeste.

Durante a Grande Depressão (1929-1930), as fábricas Tallassee nunca fechavam, embora às vezes funcionassem com horários reduzidos. Como as usinas continuaram operando, outros negócios em Tallassee também sobreviveram à Depressão.


Registros militares de Tallapoosa County AL

NOTA: Registros adicionais que se aplicam ao condado de Tallapoosa também estão na página de Registros Militares do Alabama.

Registros militares do condado de Tallapoosa

Censo dos veteranos confederados, trilhas da genealogia de 1907

Soldados Hispano-Americanos Conhecidos da Guerra de 1898, do Condado de Tallapoosa, Arquivos da Gen Web dos EUA

Soldados conhecidos da Primeira Guerra Mundial dos Arquivos da Gen Web do Condado de Tallapoosa

Trilhas da genealogia de vítimas da Guerra da Coréia

Enterros de soldados da Guerra da Coreia no condado de Tallapoosa Arquivos da Web da Gen dos EUA

Soldados da Guerra da Coréia alistados em Tallapoosa 1950 - 1952 Arquivos da Gen Web dos EUA

Trilhas da genealogia de vítimas da Guerra do Vietnã

Trilhas da genealogia das estrelas de ouro da Primeira Guerra Mundial

Trilhos da genealogia das vítimas da Segunda Guerra Mundial

Vítimas da Segunda Guerra Mundial nos Arquivos da Gen Web do Condado de Tallapoosa

Adições ou correções a esta página? Agradecemos suas sugestões por meio de nossa página de contato

Como usar este vídeo do site

Mapa do Alabama

Condado de Tallapoosa mostrado em vermelho

Dica de pesquisa

Os registros militares pertencem aos militares de alguma forma. Vários registros militares foram criados devido ao envolvimento dos Estados Unidos na Guerra Revolucionária, na Guerra de 1812, na Guerra Civil, na Primeira Guerra Mundial, na Segunda Guerra Mundial, na Guerra da Coréia, na Guerra do Vietnã, etc.


Era do "pós-guerra mundial": Operação Dixie

À medida que o medo aumentava, o CIO deu início a uma ambiciosa campanha de organização do sul chamada "Operação Dixie". Os dirigentes sindicais há muito acreditavam que a baixa porcentagem de trabalhadores sindicalizados no Sul tornava a região um destino atraente para os negócios descontrolados do norte. O presidente do CIO, Murray, acreditava que organizar o Sul nos anos após a Segunda Guerra Mundial seria fundamental para o futuro do trabalho. A AFL também embarcou em seu próprio esforço de organização agressivo no Sul para competir com a Operação Dixie do CIO.

O CIO concentrou seus esforços em Atlanta na primavera de 1946, sob a direção do veterano organizador da UMWA, Van Bittner. Desde o início, Bittner e seu colega oficial George Baldanzi concentraram o esforço de organização nos têxteis, a maior indústria do sul. Eles tiveram poucas vitórias. Quando a campanha terminou no início dos anos 1950, o Sindicato dos Trabalhadores Têxteis da América na verdade contava com menos membros no Sul do que antes da campanha de organização.

Quando os organizadores do CIO começaram sua ambiciosa campanha em 1946, no entanto, estavam cheios de otimismo. Ele rapidamente se dissipou quando o movimento encontrou oposição às vezes violenta de empresários, trabalhadores anti-sindicais e até mesmo de sindicalistas da AFL, que criticaram o CIO como um grupo de frente comunista. Os esforços da AFL muitas vezes deram o resultado de líderes empresariais que preferiam o sindicalismo conservador que defendia ao sindicalismo industrial do CIO.

A veterana CIO Lucy Randolph Mason lembrou-se da violência que encontrou durante um esforço de organização em Tifton em maio de 1947. Os membros do United Packinghouse Workers, a maioria deles negros, enfrentaram intimidação e violência durante uma greve contra a fábrica da Armour na cidade. O xerife local, os deputados e a polícia municipal violaram os direitos civis dos trabalhadores à vontade. Os oponentes do sindicato espancaram tanto um trabalhador que seus dois olhos ficaram completamente fechados e inchados e seu rosto ficou gravemente desfigurado quando Mason chegou para tentar diminuir as tensões.

Intimidação e espancamentos como os recontados por Mason provaram ser comuns. Os bandidos também expulsaram um pequeno grupo de organizadores CIO dos portões de uma fábrica de tecidos em Bibb City. Quando um contingente maior de ativistas CIO chegou um dia depois, os trabalhadores não estavam dispostos a falar seriamente sobre a sindicalização da instalação por medo de retaliação. Os líderes empresariais garantiram que os trabalhadores nas fábricas têxteis da Geórgia recebessem cópias do jornal anti-sindical Militant Truth. Ministros na folha de pagamento da empresa frequentemente denunciam o CIO como anticristão e comunista.

As tentativas do CIO de organizar a American Thread Mill em Tallapoosa ilustraram dramaticamente muitas das dificuldades que a organização enfrentou em sua tentativa de organizar os trabalhadores do sul. Uma empresa britânica reabriu uma fábrica fechada sob os auspícios da American Thread em 1944. No final da guerra, a fábrica empregava cerca de 500 trabalhadores, o que a tornava o maior empregador do Condado de Haralson. Na primavera de 1945, antes mesmo do início da Operação Dixie, um organizador CIO chamado C.C. Collins viajou para a cidade para avaliar o potencial de organização da fábrica. Um grupo de empresários, trabalhadores de usinas anti-sindicais, figuras políticas e policiais o escoltaram de Tallapoosa sob a mira de uma arma.

Dois anos depois, um grupo de trabalhadores formou um comitê organizador e contatou o Textile Workers Union of America. O sindicato enviou a organizadora Edna Martin para Tallapoosa. Supervisores de usinas, seguranças da empresa e policiais da cidade seguiram ela e outros organizadores pela cidade enquanto faziam ligações para os trabalhadores. À medida que o esforço sindical aumentava, os trabalhadores anti-sindicalistas muitas vezes encurralavam os sindicalistas e avisavam que a fábrica fecharia se a TWUA organizasse a operação. A administração fez uso das cláusulas de "liberdade de expressão" da Lei Taft-Hartley para assediar os sindicalistas. Eles também usaram seu relacionamento com o jornal local, que publicou o slogan "Você é um impulsionador ou um batedor?" sob seu mastro, para aumentar a pressão sobre os trabalhadores.

Por fim, um grupo de homens e mulheres armados invadiu o quarto de Martin em uma pensão. Eles a fizeram se vestir na frente deles, amarraram e amordaçaram, depois a colocaram na carroceria de uma caminhonete. Eles dirigiram até uma estrada de terra isolada e a soltaram com a advertência de que, se ela voltasse para Tallapoosa, seria baleada à primeira vista. Previsivelmente, o esforço de organização falhou.

A TWUA iniciou outro breve esforço de organização em 1949, quando membros do Local 134 em Dalton viajaram para o sul para contar aos trabalhadores de Tallapoosa sobre sua greve contra uma fábrica da American Thread naquela cidade. Os grevistas de Dalton pediram aos trabalhadores de Tallapoosa que se juntassem ao TWUA. Nove homens saíram da fábrica com porretes e ameaçaram os atacantes de Dalton. Os grevistas saíram, mas voltaram dois dias depois, quando foram obrigados a deixar a área sob a mira de uma arma. Um trabalhador de Tallapoosa então tentou distribuir panfletos pró-sindicato na entrada da fábrica. Trabalhadores anti-sindicais atacaram ele e sua esposa quando ela tentou impedir a agressão. A TWUA nunca contratou a usina American Thread em Tallapoosa.

Pôster anti-trabalho: Esquerda: George Baldanzi, Vice-Presidente da TWUA (CIO), Direita: Sr. Smith. Eastman, GA, Eastman Mill. (Coleção Stetson Kennedy L1986-30 / 3)


Sobre nós

Somos uma organização inclusiva e culturalmente diversa que reúne pessoas de diversos status socioeconômicos, raças, ocupações e interesses. Nosso banco de dados de voluntários agora inclui mais de 200 pessoas.

Alexander City Theatre II é uma organização sem fins lucrativos 501 (c) 3 fundada em 2015 quando um grupo de residentes locais encenou uma produção teatral ao vivo para a celebração do Festival do Sol da Câmara de Comércio da Cidade de Alexander, que durou uma semana. O grupo produziu Ruth Gordon's Uma mulher muito rica no auditório do Central Alabama Community College, e de forma esmagadora, o público perguntou: “Quando é a próxima jogada?”

Desde então, ACT II continuou a encenar peças em locais improvisados, aumentando a participação a cada produção. Dois anos depois que a pequena diretoria lutou para lançar a primeira produção, 47 membros da comunidade fizeram um teste para 14 papéis discursivos no Produção de 2017 de Natal alugadopor Norman C. Ahern Jr. e Yvonne Ahern.


A pessoa mais notória de cada um dos condados do Alabama e # x27s 67

Encontrar a pessoa mais famosa de cada um dos 67 condados do Alabama não foi uma tarefa fácil. Não é como se pessoas notórias fossem divulgadas como pessoas famosas ou celebridades. Mas, como todo estado, a história do Alabama foi criada por muitos personagens coloridos.

Kelly Kazek | [email protected]

Por Kelly Kazek

Quando elaborei essa lista, tentei me ater a figuras mais históricas ao lidar com crimes violentos, para não destacar tragédias recentes. No entanto, figuras políticas e empresariais de qualquer geração eram um jogo justo. Lembre-se, embora a palavra "notório" muitas vezes tenha conotações negativas, a definição é mais ampla: "geralmente conhecido e falado especialmente amplamente e conhecido desfavoravelmente."

Quem escolhi para o seu condado? Você concorda ou escolheria outra pessoa? Deixe-me saber por e-mail [email protected]

(Fotos: Jardim de Greg Richter de AL.com/Arroz por stuthehistoryguy via FindaGrave.com)

BANHEIRO. Rice, artista folclórica religiosa, 1931-2004

William Carlton Rice era uma lenda no Alabama - e foi postumamente publicado na revista Time - por seu Cross Garden. O & quotgarden & quot era uma coleção de cruzes e sinais de arte popular em sua propriedade em Prattville que advertia os transeuntes de & quotHell is Hot Hot Hot, & quot & quotJesus Saves & quot e & quotRepent. & Quot. Também incluía mensagens sobre os males do sexo e outros pecados. A revista Time escreveu: & quotWilliam C. Rice, que morreu em 2004, construiu este & # x27garden & # x27 como um testamento de sua salvação por Cristo no final dos anos 1970. Embora assustadora em seu fervor, a coleção é um exemplo de arte popular em sua forma mais primitiva. & Quot

(Do livro & quotAlabama Scoundrels & quot)

Railroad Bill, legendário fora-da-lei, ca. 1856-1896

A lenda de Railroad Bill começou no inverno de 1894, quando os funcionários da ferrovia começaram a notar um vagabundo viajando ilegalmente nos trens da linha ferroviária L & ampN, no sul do Alabama, perto da linha da Flórida. Bill os evitou, sequestrando um vagão de trem no processo. Este incidente iniciou uma caça ao homem depois que os detetives da ferrovia reuniram um destacamento e começaram a rastrear o homem que eles agora chamavam de Railroad Bill. Em 1896, Railroad Bill encontrou sua morte em frente ao Armazém Geral de Ward em Atmore.

(Wallace em 1957 / Arquivo AL.com / The Birmingham News)

George Wallace, controverso governador do Alabama, 1919-1998

George Corley Wallace Jr. foi o único governador do Alabama com quatro mandatos, tendo servido de 1963-67, 1971-79 e 1983-87. Ele também foi o único "primeiro cavalheiro" do Alabama - sua esposa Lurleen Wallace foi governadora de 1967-68. Wallace é conhecido por sua postura pró-segregação na década de 1960, famosa por ter dito em seu discurso inaugural de 1963 que ele defendia & quotsegregação agora, segregação amanhã, segregação para sempre. & Quot Ele é mais conhecido por seu "Stand na porta da escola" quando bloqueou o ingresso na Universidade do Alabama na tentativa de impedir a matrícula de estudantes negros. Ele foi baleado em uma tentativa de assassinato em 1972 que o deixou em uma cadeira de rodas. Ele acabou renunciando ao segregacionismo.

(Fonte: Jacque via FindaGrave.com)

Bart Thrasher, fora da lei, ca. 1869-1896

Bart Thrasher foi um dos bandidos mais notórios do Alabama, que ajudou o condado de Bibb a ganhar o apelido de "Bloody Bibb" em uma época em que era uma extensão do Velho Oeste. Após a morte de Rube Burrow, em 1890, o antigo "Rei dos Fora-da-lei" do Alabama, Thrasher se tornou o mais cruel e procurado fora-da-lei do estado, cometendo uma série de roubos e assassinatos que viraram notícia em todo o país. Em 1896, o vice-xerife do condado de Jefferson, Henry Cole, um famoso homem da lei, matou Thrasher.

(Artigo retrospectivo do The Tuscaloosa News, 24 de junho de 1973)

Bill Wilson, homem injustamente condenado, ca. 1880 - morte desconhecida

Quando os ossos foram descobertos na primavera de 1912 por um fazendeiro local e seu filho pescando no Warrior River, o morador local Jim House lembrou que Jenny Wade Wilson e seu bebê de 19 meses não eram vistos desde 1908. Wilson foi condenado por assassinato . Em 1915, o juiz J.E. Blackwood condenou Wilson à prisão perpétua. A ex-mulher de Bill, Jenny, chegou ao condado de Blount em julho de 1918 e anunciou que não estava morta. Ela e sua filha, então com 11 anos, moravam em Vincennes, Indiana, e tinham acabado de ouvir sobre o julgamento. Em 8 de julho de 1918, o governador do Alabama, Charles Henderson, perdoou Wilson e ele foi libertado da prisão. Os restos mortais nunca foram identificados.

(Fonte: UnionSpringsAlabama.com)

Major Milton Butterfield, homem enterrado embaixo da igreja, nascimento desconhecido - 1864

Milton Butterfield, um major da 24ª Infantaria do Alabama morto em Atlanta durante a Guerra Civil, está sepultado sob Union Springs & # x27 Red Door Theatre, que ocupa a Igreja Episcopal Trinity de cerca de 1909. Além disso, o major foi erroneamente creditado como o homem que escreveu o toque de clarim tocado em funerais militares, & quotTaps. & Quot

(Fonte: Murder by Gaslight)

Charles Kelley, nascimento desconhecido-1892 John Hipp, nascimento desconhecido-1892

Em 17 de dezembro de 1892, dois bandidos bem conhecidos mataram o coletor de impostos local C.J. & quotJacob & quot Armstrong. Ele foi apanhado durante a coleta de impostos e os bandidos - Charles Kelley e John Hipp - roubaram os $ 2.000 que ele arrecadou. De acordo com o jornalista Lee Peacock, uma multidão de cerca de 100 pessoas linchou Kelley e Hipp após sua captura. Notícias de jornais disseram que em 28 ou 29 de dezembro, um policial da prisão onde Kelley e Hip foram cercados por uma multidão e ordenou a libertação do homem. Então, & quotHipp e Kelley foram levados por uma multidão de 100 homens mascarados armados e linchados nas colunas do tribunal. & Quot

Nancy “Nannie” Hazel Doss, assassina da “viúva negra”, 1905-1965

Nannie Doss, nascida em Blue Mountain no condado de Calhoun, morreu em uma prisão de Oklahoma depois de ser condenada pelo assassinato de seu marido Samuel Doss em 1953 em Oklahoma. Ela também supostamente matou três outros maridos, dois filhos, sua mãe, suas duas irmãs, um neto e uma sogra. Ela era conhecida como A Vovó Risadinha e o Assassino dos Corações Solitários. Seus crimes foram cometidos em quatro estados entre 1920 e 1953.
Clique aqui para ler mais.

(Fonte: Wikimedia Commons / Domínio Público)

Pat Garrett, xerife, 1850-1908

Pat Garrett é conhecido como o homem que matou o fora-da-lei Billy the Kid. Como um cowboy no Texas em 1876, ele matou um companheiro caçador de búfalos, mas nunca foi processado. Ele então lutou pelo lado certo da lei como xerife de Lincoln County, NM. Um marco histórico em sua cidade natal em Chambers County, Alabama, diz, em parte: & quotPatrick Floyd Jarvis Garrett nasceu perto de Cusseta, Alabama, em 5 de junho de 1850 . Em novembro de 1880, Garrett foi eleito xerife do condado de Lincoln. . Billy the Kid escapou da prisão em 18 de abril de 1881. Garrett o rastreou até Fort Sumner em 14 de julho, onde foi baleado e morto. Garrett foi assassinado por Jesse Wayne Brazel em 29 de fevereiro de 1908. Ele foi enterrado no cemitério Old Fellows em Las Cruces, Novo México. & Quot

William Anderson “Bell Tree” Smith, moonshiner, 1869-1908

O famoso moonshiner Bell Tree Smith foi morto em frente a uma igreja cheia de pessoas em Center, Alabama, em 1908. Um artigo no Coosa River News na época dizia que ele foi morto por um homem chamado Will Chandler, que usava Smith & # x27s própria arma contra ele, na sequência de uma disputa de origem desconhecida. O artigo, citado em sua entrada no FindaGrave.com, diz: & quot & quotBill & quot Smith, o homem morto, era um personagem único e era conhecido em toda esta seção como & quotBell-Tree & quot Smith. Permanecendo sozinho nos anais da venda ilícita de licor, estava seu plano para se livrar do orvalho da montanha. & quot

Bobby Frank Cherry, bombardeiro, 1930-2004

Bobby Frank Cherry, nascido em Clanton, Alabama, era um membro da Ku Klux Klan que foi acusado de assassinato em 2000, 37 anos após um atentado a bomba em uma igreja que matou quatro meninas. O bombardeio da Sixteenth Street Baptist Church em Birmingham em 1963 tirou a vida de Carole Robertson, Cynthia Wesley, Addie Mae Collins e Denise McNair, e feriu cerca de 20 outras pessoas. Cherry foi condenado em 2002 e morreu no Atmore Community Hospital, para onde foi transferido da Prisão de Holman, em 2004.

(Do livro & quotAlabama Scoundrels & quot)

Bloody Bob Sims, fora da lei, 1839-1891

Inicialmente, Robert Bruce Sims, nascido em 1839, parecia um fora da lei improvável. Veterano da Confederação, Sims voltou para casa para retomar a agricultura na comunidade de Womack Hill, no condado de Choctaw, e fundou sua própria igreja. A seita ficaria conhecida como & quotSimsites. & Quot. Após anos sendo aterrorizada por Sims e seus seguidores, um bando e centenas de residentes indignados cercaram a casa dos Sims na véspera de Natal de 1891, encurralando Sims, sua esposa, seus filhos e vários membros da igreja. Finalmente, no dia de Natal, o xerife levou Sims e seus seguidores sob custódia. Mas uma multidão enfurecida pegou os quatro homens e os pendurou em árvores próximas. A mulher foi poupada. Clique aqui para ler mais.

Hal Hollinger, escravo e lutador pela liberdade, nascimento-morte desconhecida no início de 1800

Hal era um escravo do coronel Alex Hollinger, que nasceu em 1793 em Mobile. Ele escapou e formou uma colônia para escravos fugidos em Clarke County em uma área que ficou conhecida como & quotHal & # x27s Lake & quot ou & quotHal & # x27s Kingdom. & Quot. De acordo com o Clarke County Museum, em algum momento no início de 1800, Hal, um & quotenormous & quot e forte escravo , levou sua esposa e vários outros para a parte mais ao sul do Condado de Clarke. & quotAgora, este lugar é muito desolado, ninguém morava perto dali. Estava coberto de árvores enormes e arbustos densos. … Não é de admirar que os escravos fugitivos não tenham sido encontrados. "Eventualmente, os colonos brancos atacaram e foram" atordoados ao encontrar a cabana e uma paliçada de troncos de cipreste. "Hal e três outros escravos foram mortos e os outros recapturados.

Rena Teel, adivinha, 1894-1964

Irene Amanda Vanzandt & quotRena & quot Teel era conhecida como a Vidente de Millerville. Nascido em Rockford no condado de Coosa, Teel, um cristão devoto, mais tarde mudou-se para Millerville no condado de Clay e desenvolveu uma reputação de ajudar as pessoas a encontrar objetos perdidos ou animais rebeldes. A falecida autora do Alabama, Kathryn Tucker Windham, escreveu sobre Teel em seu livro, & quotAlabama: One Big Front Porch & quot, dizendo que Teel nasceu com uma vedação, uma membrana sobre o rosto que muitas pessoas acreditavam significar que a criança tinha um sexto sentido. Ela não entrou em transe, mas em vez disso leu os grãos deixados no fundo das xícaras de café.

Charles Bannister, fora da lei, nascimento e morte desconhecidos

Charles Bannister é referido em uma série de registros históricos como um "bandido notório" e um "captor branco". Whitecapping era um movimento no qual homens brancos formaram sociedades secretas para entregar justiça vigilante que eventualmente visava os negros. Um artigo de 1894 dizia que Bannister era procurado no condado de Cleburne por atirar na perna de um & quotMrs. Cotton, & quot e batendo brutalmente Old Man Cotton. Bannister foi capturado em 1894 e preso em Birmingham. Ele fugiu da prisão no final do ano e foi referido no jornal Mountain Eagle como "cota de ovo ruim". O resultado do caso é desconhecido. Se alguém tiver mais informações, envie um e-mail para [email protected]

Alberta Martin, última viúva confederada (contestada), 1906-2004

Alberta Stewart tinha 21 anos quando se casou com o veterano da Guerra Civil William Jasper Martin, de 81 anos, em 10 de dezembro de 1927. William Martin morreu em 1931 aos 86 anos e, como Alberta ficou conhecida como a & quotúltima viúva sobrevivente da Guerra Civil & quot - um título mais tarde desafiado por Maudie Hopkins. Ela morreu em 2004 com 97 anos de idade e foi enterrada com grande alarde no cemitério de New Ebenezer em Coffee County.

(Fonte para foto do túmulo de Gassaway / TIW via FindaGrave.com)

William Reynolds, assassino em massa, ca. 1867-1902

William & quotWill & quot Reynolds atirou em nove pessoas, matando sete, no dia mais sangrento para a aplicação da lei na história do Alabama. Reynolds foi baleado e morto no mesmo dia. Reynolds abriu fogo e matou Colbert Sheriff Charles Gassaway, seu irmão, Deputy William Gassaway, Deputy Jesse Davis, Deputy James Payne, Deputy Pat A. Prout, Deputy Bob Wallace e Hugh Jones. Os feridos foram James Finney e Bob Patterson. De acordo com o site do National Law Enforcement Officers Memorial Fund, os homens foram baleados e mortos enquanto tentavam prender um suspeito por um delito de fraude. O suspeito acabou sendo baleado e morto depois que policiais abriram fogo com mais de 1.000 tiros. & Quot

(Página do túmulo de Allen por Melody via FindaGrave.com)

The Ward Brothers, foras da lei, Irvin (1828-1859), Stephen (1834-1859)

Os irmãos Ward estão enterrados no cemitério de Ward-Witherington, no condado de Conecuh. De acordo com o jornalista Lee Peacock, sua história está incluída na & quotHistory of Conecuh County, Alabama & quot por B.F. Riley. Os irmãos fora da lei foram executados em 18 de novembro de 1859 por assassinato: “Irvin e Stephen Ward foram enforcados pelo assassinato de Allen Page durante um roubo de carroça de algodão fracassado perto de Brewer Creek, no condado de Conecuh, Alabama. Um bando prendeu os irmãos, que "

(Uma foto do final do século 19 de John Kirkham de Barbara Kim Thigpen)

John K. McEwen, querido empresário e “leitor”, 1856-1939

John McEwen nasceu e morreu no condado de Coosa, e no meio era um conhecido empresário. Por 35 anos, ele dirigiu um comerciante que ele mesmo construiu com pedra local na década de 1890. McEwen era conhecido por suas misteriosas "leituras" de visitantes de sua loja. Ele adivinhava suas idades e vocações e geralmente estava correto. A loja de pedras McEwen & # x27s também era conhecida como um museu indiano e atraía visitantes de muitos quilômetros ao redor. Quando doou sua coleção ao Departamento de Arquivos e História do Alabama em 1937, ele & # x27d acumulou mais de 50.000 artefatos nativos de condados vizinhos, incluindo joias de uma princesa índia morta há muito tempo, de acordo com um artigo de 1928 da Associated Press publicado em the Prescott, AZ, Evening Courier. Clique aqui para ler mais.

(Fonte: Chicago Tribune, setembro de 1988)

H.T. Mathis, prefeito de Florala, 1902-1996

Em 1988, Hubert Mathis, o prefeito de Florala de 85 anos, sofreu impeachment e foi destituído do cargo. Mathis, que se tornou conhecido como prefeito do vodu após assinar uma proclamação proclamando a semana nacional do vodu e supostamente espalhando "pó de vodu" em torno da prefeitura, foi cassado por perdoar mais de 100 infratores de trânsito, incluindo 27 acusados ​​de dirigir sob influência de drogas. Clique aqui para ler mais.

(Foto de Ira Thompson de uma edição de 1928 da revista Collier & # x27s intitulada & quotThe Whip Wins. & Quot)

Ira Thompson, exaltado ciclope de KKK e advogado, 1889-1973

Ira Bowman Thompson foi um distinto advogado e político do Alabama que serviu na Primeira e Segunda Guerras Mundiais. Ele também detinha o título de ciclope exaltado na Ku Klux Klan e já foi acusado de "flagelar" pessoas, mas as acusações foram rejeitadas. Após a Segunda Guerra Mundial, Thompson abriu um escritório de advocacia em Luverne, no condado de Crenshaw. De acordo com o livro & quotPolitics, Society, and the Klan in Alabama, 1915-1949 & quot, ele estava entre os 36 supostos membros do Klan que foram indiciados por ataques a residentes negros e brancos em outubro de 1927. Os residentes foram açoitados por crimes como & quotloose talk e carregando um cantil, & quot, de acordo com um artigo de 1928 na revista Collier & # x27s intitulado & quotThe Whip Wins. & quot. No entanto, o caso foi encerrado em dezembro.

(Guy Hunt com seu perdão em 1998 / AP Photo / Montgomery Advertiser, Lloyd Gallman)

Guy Hunt, governador do Alabama, condenado e perdoado, 1933-2009

Guy Hunt, nascido em Holly Pond, no condado de Cullman, foi o primeiro governador republicano do estado desde a era da reconstrução. Em 1992, ele foi indiciado por roubo, conspiração e violações da ética, acusado de tirar $ 200.000 de uma conta inaugural de 1987 para comprar coisas como chuveiros de mármore. Ele foi condenado e renunciou em 1993. Depois de fazer a restituição e cumprir um período de liberdade condicional, foi perdoado pelo Conselho de Perdão e Condicional do Alabama em 1998.

(Fonte: ECJMartin1 via Wikimedia Commons)

Bill Sketoe, homem executado, 1818-1864

Sketoe & # x27s Hole é um local lendário onde o ministro metodista William & quotBill & quot Sketoe Sr. foi enforcado durante a Guerra Civil. As lendas costumam dizer que ele foi enforcado sob acusações forjadas de desertar do exército confederado, embora os detalhes variem. Quando ele foi enforcado, seus algozes cavaram um buraco sob seus pés pendentes para acomodar sua altura. For the next 125 years, people claimed the hole would always return no matter how many times it was filled. The tale was repeated in Kathryn Tucker Windham's "13 Alabama Ghosts and Jeffrey."

(Source: Wikimedia Commons)

George Washington Gayle, threatened to assassinate Lincoln, 1807-1875

George Washington Gayle, born in South Carolina in 1807, was an attorney who served in the Alabama Legislature, chaired the House Ways and Means Committee and was appointed U.S. Attorney for the Southern District of Alabama. In 1864, Gayle made headlines when he paid to publish an ad in The Selma Dispatch seeking funds in exchange for plotting the murders of Lincoln, Vice President Johnson and Secretary of State William Seward, the same three men who were targeted in John Wilkes Booth's assassination plot. Lincoln was assassinated four months later and Gayle was arrested in Alabama on May 25, 1865. Gayle claimed the ad was meant as but was convicted. In 1867, Gayle received a full pardon from Andrew Johnson.

Lithographers: Lehman and Duval (George Lehman Peter S. Duval)

Sequoya, creator of Cherokee alphabet, c. 1770-1843

Sequoyah, who lived in later life in DeKalb County, is known for inventing a syllabary in 1821, making it possible for the Cherokee to read and write. It was the first time a pre-literate group created such a system. However, Sequoyah's early life made it doubtful he would become so famous. According to the article "The Life and Work of Sequoyah," by John B. Davis, Sequoyah drank heavily and spent all his money on liquor. But he turned his life around and learned blacksmithing and silversmithing. At some point he moved to Alabama. In later life, he traveled Indian territories and had hopes of reuniting the Cherokee people. He died near the Texas-Mexico border.

(An Associated Press photo of Earle Dennison leaving the courtroom)

Earle Dennison, “black widow” killer, ca. 1898-1953

Earle Dennison, nicknamed the Aunt Killer, was executed in Alabama's electric chair in 1953 for the arsenic-poisoning death of her 2-year-old niece, Shirley Diann Weldon, for the insurance money. She was also accused of killing another niece, Shirley's older sister Polly. Dennison, born in Wetumpka, was convicted in 1952 and became the first white woman sentenced to die in Alabama's electric chair. Later, the parents of the two little girls sued the insurance companies, saying they should have been suspicious of Dennison's reasons for taking policies on the children without the family's knowledge. Learn more about old Alabama insurance laws and women who used arsenic in this article.

(Source: Old West Gunfighters)

John Wesley Hardin, Texas outlaw with Alabama in-laws, 1853-1895

On his twenty-first birthday on May 26, 1874, notorious Texas outlaw John Wesley "Wes" Hardin committed the crime that forced him to take an alias and go into hiding for three years, 18 months of which were spent in Escambia County, Ala.: he shot and killed Deputy Sheriff Charles Webb in Brown County. Born in 1853 to a circuit-riding preacher in Texas, Hardin would kill his first of an estimated twenty-seven men when he was fifteen years old, according to the book "Alabama Scoundrels: Outlaws, Pirates, Bandits and Bushwhackers." From late 1875 until the summer of 1877, Hardin's wife, Jane, and their children lived in Pollard, Alabama, with Jane's uncles, who were both lawmen, while Hardin used Pollard as a base and traveled to Mobile and Florida swindling people out of money at cards. He was shot in the back by an El Paso, Texas, lawman in 1895.

(Source: Boaz Public Library)

Walt Cagle, rural philosopher who could tell weather, 1891-1938

Walter Cagle was a large man who lived in an isolated area atop Sand Mountain and gained a reputation for being able to foretell the weather. His visits to the town of Boaz to purchase clothing and supplies always caused a stir among locals, who took it as a sign winter weather was approaching, according to a history provided by Lynn Burgess of the Boaz Library. The local history stated that Cagle’s weight gain began in 1917 after he suffered a strange fever, called a “sleeping sickness” by locals. The 6-foot, 2-inch man soon grew to more than 560 pounds, too large to handle his farm work. According to legend, he spent his time sitting and watching wild animals and could forecast the severity of winter based on their actions, such as how many nuts the squirrels were storing. Cagle died of a heart attack in 1938 and was buried in a 3-foot-wide casket in Thrasher Cemetery.


John Sevier

John Sevier, pioneer, soldier, statesman and a founder of the Republic, was Tennessee’s first governor and one of its most illustrious citizens. Married and on his own at age sixteen, he was in the vanguard of frontier life and accomplishment from his late teenage years until his death. First and only governor of the aborted State of Franklin, six-term governor of Tennessee, and congressman for four terms from the eastern district, he was also a soldier of no mean accomplishment, having risen to the rank of general in the North Carolina militia.

Born near the present town of New Market, Virginia, Sevier was the oldest of seven children of Valentine and Joanna Goad Sevier. His forebears–the Xaviers–were of Huguenot religious persuasion who had fled France for England, anglicized their name, and become prosperous farmers. By 1740 Valentine had arrived in Virginia and settled in the Shenandoah Valley on Smith’s Creek.

Not much is known of Sevier’s early life. Educational opportunities were limited, but as a child he apparently learned to read and write later his state papers and correspondence with Andrew Jackson and others exhibited a concise and direct style. Married in 1761 to Sarah Hawkins (1746-1780), a daughter of Joseph and Sarah Marlin Hawkins, the couple settled in the valley of his birth. There Sevier farmed, dealt in furs, speculated in land, ran a tavern, and fought Indians–along with raising an ever-increasing family.

By 1773 he lived on the Holston River, but three years later he had moved to a farm on the Watauga River near the present town of Elizabethton. In the same year, North Carolina authorities created the Washington District, which included the Watauga settlements, and Sevier was sent to the Provincial Congress of North Carolina as representative.

The Revolutionary War began in 1775, and in the following year Sevier was named a lieutenant colonel of the North Carolina militia and assigned first to protecting the frontier settlements. He fought elsewhere but was confined primarily to the South. The encounter for which he became best known was the battle of Kings Mountain (1780), in which he and his fellow frontiersmen fought Tories and British soldiers at a location just north of Spartanburg, South Carolina.

The British, having met with only moderate success in the middle and northern colonies, had turned in late 1780 to the soft underbelly of the rebellious provinces where they prevailed without difficulty in Georgia. Then they moved northward without serious opposition. Major Patrick Ferguson, assigned to the command of the British left flank, viewed the western settlements with disdain. Overconfident, he ordered frontiersmen to lay down their arms and give allegiance to the Crown otherwise, he wrote, he would march over the mountains, “hang . . . western leaders and lay the country waste with fire and sword.” Sevier and others, accepting the challenge, gathered at Sycamore Shoals late in September 1780, determined to engage Ferguson before he could reach Watauga. They soon found him on a narrow ridge in northwest South Carolina where he, with perhaps one thousand men, had ensconced himself, claiming that even “the Almighty” could not drive him off. But the backwoodsmen ascended the heights and assaulted him from both south and west, taking care to remain well camouflaged behind trees, logs, and rocks. Although forced to fall back several times, the westerners rallied each time, and, after about an hour of fighting, claimed victory. They had lost fewer than one hundred men while the British had lost three times that number, including Ferguson. The victory turned the British from the West and pushed Sevier forward as the foremost figure among the transmontane people. One of Sevier’s biographers thought it “impossible to state just how great an influence this exerted upon his future political career.”

Several months before Kings Mountain, Sevier’s wife of nearly twenty years died and was buried in an unmarked grave just outside Nolichucky Fort in Washington County. She and Sevier had raised ten children. Sevier later married Catherine (“Bonny Kate”) Sherrill (1754-1838), whom he had rescued four years earlier during a surprise attack by the Cherokees. They reared eight children.

Soon after the Revolution, Sevier became involved in a movement designed to secure separate statehood for the people living in Washington, Sullivan, and Greene Counties. The Continental Congress in 1780 had urged that lands claimed by North Carolina and Virginia should become states soon after hostilities might end. Thomas Jefferson had presented a plan whereby eighteen new states might be carved from the western territories. But North Carolina authorities objected vehemently when western leaders assembled in Jonesborough in August 1784 to make plans for statehood. When they chose Sevier as governor and drafted a constitution, claiming an “inalienable right” to form an independent state, Governor Alexander Martin threatened to “render the revolting territory not worth possessing” if North Carolina did not retain sovereignty over it. Attempts at conciliation divided the Franklin people into factions, and border warfare developed. Several men were killed or wounded, and two of Sevier’s sons were captured, threatened, and held briefly.

Sevier’s term as governor of Franklin expired in the spring of 1788, and for all practical purposes the state came to an end. Sevier was arrested and charged with treason but never tried. Within less than a year he had taken an oath of allegiance to North Carolina and was elected to the state Senate. A few months later he was restored to his rank of brigadier general in the North Carolina militia.

North Carolina permanently ceded its western lands to the central government in 1789, and in the following year President George Washington signed into law a measure for the governance of the region. Sevier probably was the choice of most of the western people for the post of territorial governor, but Washington appointed William Blount instead. Soon Sevier became a member of the Territorial Legislative Council–a group of five men provided for under the Congressional Ordinance of 1787 designed for the governance of territories. He was among those who urged Governor Blount to call the legislature into session to make plans for statehood as required under the ordinance. Blount complied, and early in 1796 leaders drafted a constitution and applied to Congress for admission. After several weeks of debate–at times acrimonious, as Federalists and Anti-Federalists haggled over terms and reasons for admission–Congress recommended statehood, and President Washington signed into law a bill creating Tennessee as the sixteenth state.

The new constitution had provided for a two-year term for governors with the right to serve “not . . . more than six years in any term of eight.” The other qualifications to hold the office of governor were simple. One must be at least twenty-five years of age, possess a freehold of at least five hundred acres, and be a citizen for four years. Sevier met these requirements and became the only serious candidate.

For months before the admissions bill was enacted, Tennesseans had been conducting affairs as though the state had been legally admitted to the Union. Elections were held in late February and legislators convened in late March. On March 29 they examined the returns of the gubernatorial race and determined that Sevier had won. On March 30 Sevier took the oath of office at Knoxville. In a brief inaugural address, he thanked voters for the confidence reposed in him and he pledged to discharge “with fidelity” the tasks of chief executive. A sixteen-gun salute ended the brief ceremonies. When Sevier became governor, the total population of the new state was only about 85,000, but by the end of his gubernatorial service it had increased to nearly 250,000.

Although the office of governor was not considered a full-time task, still Sevier faced the usual problems which the foibles of human nature are sure to create. Indian problems were vexatious as any, and Sevier met them with characteristic vigor. The Tellico and Dearborn treaties, negotiated in 1805 and 1806 respectively, did much to clear Indian claims in both east and west, but the attitude and actions of the federal government in its strict policy of enforcement angered Tennesseans.

Many disputes over military rank tried Sevier’s patience. Free men between eighteen and fifty were subject to military duty, and they elected their own officers. But allegations of fraud permeated the contests in many of the counties and at all levels, and the governor–who issued the commissions–had to decide who had been legally and duly elected. Although Sevier apparently handled these matters as judiciously as he could, he was frequently criticized in many counties for allegedly selecting political friends and favorites. His disputes with Andrew Jackson over these and other matters led to considerable bitterness between the two. Indeed, Jackson’s charges that Sevier was guilty of forgery and bribery in his procurement of lands brought challenges to duels and bitter words.

Internal improvements such as wagon roads interested Sevier from his early days as governor. He also frequently mentioned a need for “the encouragement of education,” and a measure chartering schools in most of the counties was enacted in 1806. Improving conditions in the state militia and the development of a better means of settling disputes over land titles were other matters of concern.

In March, 1809–a few months before his final term ended–Sevier ran before the legislature for the U.S. Senate but was defeated by Judge Joseph Anderson. Later in that year, voters in Knox County sent him to the state Senate. Then, in 1811, he was elected to Congress. His advanced years and his unfamiliarity with federal procedures resulted in his being an ineffective legislator on the national level, however.

Sevier died on September 24, 1815, while on a mission to the Alabama territory where he had gone with U.S. troops to determine the proper location of the Creek boundary. He was buried on the eastern bank of the Tallapoosa River near Fort Decatur.

Sevier was a product of the frontier and a hero to Tennesseans who understood and appreciated his varied career. When in 1887 his body was reinterred on the courthouse lawn in Knoxville, a monument was erected whose inscription well describes his life of public service: “John Sevier, pioneer, soldier, statesman, and one of the founders of the Republic Governor of the State of Franklin six times Governor of Tennessee four times elected to Congress a typical pioneer, who conquered the wilderness and fashioned the State a protector and hero of Kings Mountain fought thirty-five battles, won thirty-five victories his Indian war cry, ‘Here they are! Come on boys!'”


Descrição

After Blacktron, Space Police I was the next theme to receive a makeover, remodeled into its more widely recognized black and grey with green canopies and red trim. The standardized jail cells were retained, though only three vehicles could accept them the theme also lacked a permanent installation like Space Police I's 6955 Space Lock-Up Isolation Base (1989). It was the first Space theme to replace the LEGO standard (smiley face) minifigure head with a more complex graphic (in this case, the face augmented by a fringe of hair and an ear-mounted microphone). Finally, Space Police II ships were known for being under-armed several vehicles sported no overt weapons (such as 6813 Galactic Chief, whose epaulet-wearing pilot is armed with only a hand-held blaster that might actually be a bullhorn), and the others featured only two small cockpit-mounted weapons (including the theme's heavyweight multi-module spaceship, the 6984 Galactic Mediator).

Popular Space Police II vehicles include 6897 Rebel Hunter and 6984 Galactic Mediator (both 1992). Space Police II did not include any bases. Though Space Police II officially ended in 1993, 1916 Starion Patrol (1993) was re-released as 3015 Space Police Car in 1998.


o Victory-class Star Destroyer was introduced at the height of the Clone Wars and served as an all-purpose heavy line-of-battle starship. The Star Destroyer was rushed into production and service after many delays and politics, which resulted in a vast array of design flaws. These flaws required that constant maintenance be given to the Victory-class by its crew for combat readiness, and it became known as a space coffin and unlucky ship. & # 911 e # 93

As such, when the Galactic Republic was transformed into the Galactic Empire, the Victory-class was given a life-extension program that turned into the Victory II program, which launched the Victory II-class Star Destroyer. The Victory II program sought to fix the many issues of the Victory-class, but it did not put an end to several flaws. Additionally, the Imperial Navy was bolstered by the production of the Imperial I-class Star Destroyer and Imperial II-class Star Destroyer rendering the remaining Victory IIs obsolete despite the upgrades and relegating the ships to backwater and unremarkable duties. & # 911 e # 93

At one point during the Imperial Era, an Imperial commander who had a level of failure was exiled to command a Victory II at the edge of the Outer Rim Territories. In another instance, a Victory II was abandoned by its crew and orbited an abandoned planet. It had its hangar bay empty and all of the escape pods launched. A Victory II was also present in orbit above an ecumenopolis during the Imperial reign. & # 911 e # 93