Os Templos de Pattadakal

Os Templos de Pattadakal

A história de Pattadakal remonta a uma época em que era chamada de Kisuvolal, um vale de solo vermelho. Ele até encontrou uma menção em Ptolomeu Geografia no século 2 dC. Atualmente Pattadakal está localizada no distrito de Bagalkot, estado de Karnataka, na Índia. Os Chalukyas de Badami (antigo Vatapi) ou Primeiros Chalukyas (543-753 EC) construíram um grande complexo de templos para a comemoração real e coroação em Pattadakal. Este complexo fica na margem esquerda do rio Malaprabha, que corre mais ao norte para encontrar o rio Krishna. Foi classificado como Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1987.

Pattadakal significa literalmente 'pedra da coroação' e é um testemunho da fase posterior da evolução da distinta arquitetura do início de Chalukyan. A fase de gestação desse desenvolvimento que ocorreu em Aihole, Badami (a antiga capital), Alampur e Mahakuta encontra seu ponto culminante aqui. Foi nas últimas décadas, durante os reinados sucessivos de Vijayaditya (696-733 CE), Vikramaditya II (733-746 CE) e Kirtivarman II (746-753 CE), que vários templos foram gradualmente construídos neste vale fértil. Um santuário Jain foi construído muito mais tarde, após o colapso do império por seu sucessor, Dinastia Rashtrakuta (séculos VIII-X dC) no século IX dC.

Arquitetura do Templo

O plano básico de um templo funciona assim: o garbha griha (sanctum sanctorum) abre para um Antarala (vestíbulo) e abriga o murti (imagem consagrada) em um pitha (pedestal). Um pilar expansivo mandapa (corredor) fica ao lado do Antarala. UMA Shikhara (superestrutura) sobe no topo da garbha griha e contém um amalaka (uma pedra nervurada) com um Kalash (pote com folhas de manga e um coco) em seu remate. o vimana então compreende tanto o garbha griha e Shikhara.

Os templos construídos aqui são todos dedicados a Shiva e estão voltados para o leste. No entanto, a representação de motivos religiosos por meio de esculturas e relevos independentes não se limita ao Shaivismo, mas recruta generosamente imagens do panteão hindu. Além dos nove templos Shaiva no complexo, há um templo Jain localizado quase um quilômetro a oeste dedicado ao 23º Tirthankar, Parsvanatha.

Templo Virupaksha

A epigrafia revela que ele foi construído pela Rainha Loka Mahadevi (originalmente chamada de Lokeswara) após as campanhas militares bem-sucedidas do Rei Vikramaditya II contra os Pallavas (séculos IV-IX dC). Em planta assemelha-se ao templo Kailasnatha de Kanchipuram, cidadela dos Pallavas, mas em pedra é uma realização da arquitetura Chalukyan totalmente madura em toda a sua glória.

Um quadrado garbha griha, com um caminho ambulatório ao seu redor, está conectado ao Antarala. Dois pequenos santuários são colocados lateralmente ao Antarala, um para Ganesha e outro para Mahisasurmardini. Três pórticos do leste, norte e sul se abrem para um amplo mandapa. Mais a leste, um Nandi separado mandapa é colocado em um pedestal. Todo o templo é cercado por prakara (cercado) paredes que são fornecidas com santuários subsidiários em seu lado interno. Apenas um punhado deles permanece dos 32 originais. O magnificamente construído Dravida Shikhara com um bem preservado Sucanasa ('nariz', projeção arqueada) na frente é uma das marcas registradas do templo. A superestrutura é de três andares e encimada por um amalaka com um Kalash em seu remate.

História de amor?

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo semanal gratuito por e-mail!

As paredes do templo são divididas em projeções e recessos. Esculturas de Harihara, Narasimha, Bhairava, Lakulisha adornam o Devakoshthas (nichos) nas paredes do santuário. Os recessos têm janelas de filigrana. O interior do templo é coberto com frisos que descrevem histórias do rapto de Sita, Bhishma deitado em uma cama de flechas e Krishna erguendo a montanha Govardhan, entre outras narrativas de textos antigos. Muitas inscrições foram encontradas gravadas em diferentes partes do templo, algumas das quais também mencionam o (s) arquiteto (s) envolvido (s) na construção da estrutura.

Templo Mallikarjuna

Foi originalmente chamado de templo Trailokeswara em homenagem à Rainha Trailokya Mahadevi. Quase como um gêmeo, o templo Mallikarjuna foi construído com o mesmo propósito, ao mesmo tempo que o templo Virupaksha que fica ao lado dele. Existem apenas algumas diferenças perceptíveis entre estes dois, sendo um deles um hemisférico amalaka em oposição a um quadrilátero e um parapeito desprovido de certos elementos arquitetônicos, como kuta (quadrado), sala (oblongo) etc. que correspondem às projeções e recessos abaixo.

Os santuários, laterais ao Antarala, infelizmente estão faltando as imagens de suas respectivas divindades. Prakara (paredes) também estão em grande parte destruídas. Contos do puranas (textos religiosos) e épicos esculpidos dentro do templo incluem esculturas de Mahisasurmardini, Samudra Manthan, Narasimha lutando contra Hiranyakashipu, a matança de Mareecha etc. Os nichos nas paredes do templo também são elegantemente decorados.

Templo Sangameswara

Este templo foi construído em 720 dC por Vijayaditya e originalmente chamado de templo Vijayeswara. o garbha griha normalmente abriga um lingum (símbolo do falo) e existem sub-santuários em ambos os lados do Antarala. Para o leste do mandapa, uma imagem do touro Nandi (Vahana ou 'monte' de Shiva) é apoiado em um pequeno pedestal.

O próprio templo foi construído sobre um pedestal alto constituído por cinco molduras decoradas com motivos animais e florais. Nas paredes do templo, nichos com esculturas de diferentes avatares de Vishnu e Shiva se alternam com janelas lindamente projetadas. Abaixo de Kapota (beiral), uma fileira de figuras de corpo redondo maravilhosamente esculpidas é colocada como se toda a carga do telhado acima estivesse sendo sustentada por elas. o Shikhara tem duas camadas e é encimado por um quadrilátero amalaka com um Kalash.

Templo Kadasiddheswara

Esta estrutura modesta foi construída em meados do século 7 EC. Ele atesta a arquitetura ainda em evolução do início de Chalukyan com seus Shikhara sendo desenvolvido ao longo do estilo do norte (rekha nagara) de perfil curvilíneo e um simples Sucanasa projetando-se da superestrutura na frente, acima do Antarala. o Sucanasa retrata a imagem de um Shiva dançando com Parvati como um relevo raso Chaitya (sala de oração) arco. o Devakoshthas abriga imagens de Ardhanariswar, Harihara e Shiva nos lados norte, oeste e sul, respectivamente.

O retangular mandapa pode ter tido um mukha mandapa (alpendre) na parte da frente sugerido pelo pedestal, com moldes decorativos habituais. As figuras de Shiva e Parvati enfeitam o lintel da porta do garbha griha com esculturas de Brahma e Vishnu de cada lado.

Templo Jambulingeswara

Sua planta baixa e período de construção são comparáveis ​​ao templo Kadasiddheswara mencionado antes. O quadrado garbha griha abriga um lingum com um pitha e abre para o Antarala na frente, que se expande ainda mais para um mandapa. UMA Sucanasa projetos do Sikhara (construído no estilo do norte em três estágios decrescentes) na frente. O pequeno nandi mandapa ao leste está em um estado de ruína com a imagem agachada de Nandi quase destruída. Um friso minuciosamente detalhado de cisnes corre abaixo da cornija da parede do templo o tempo todo. O pedestal moldado é decorado com figuras de Kudu, pássaros e outros elementos ornamentais.

Templo Galaganatha

Este templo, um dos últimos a ser construído no local por volta de 750 CE, possui uma superestrutura primorosamente desenvolvida no estilo do norte, conforme adotado pelos primeiros arquitetos Chalukyan. Foi amplamente preservado com o amalaka e Kalash no topo, exceto para os parcialmente danificados Sucanasa na frente.

o pradakshinapatha (passagem para circunvolução) é fechada em três lados, mas o grande espaço aberto no topo do pedestal na frente do templo sugere a lamentável perda do mandapa para a devastação do tempo. O pedestal com três frisos é luxuosamente decorado com figuras lúdicas entre outros motivos comuns. Histórias de Panchatantra e Shiva matando Andhakasura do puranas são retratados de várias maneiras. A entrada do santuário é ladeada por Deusas do Rio em ambos os lados com o lintel sendo esculpido com um Nataraja.

Templo Chandrashekhara

Esta estrutura relativamente pequena está localizada entre os templos Sangameswara e Galganatha. Não há superestrutura no topo do garbha griha que segue a tradição de consagrar um lingum com um pitha. UMA Devakoshtha foi projetado nas paredes norte e sul do santuário. Dwarpalas (porteiro) enfeite ambos os lados da porta de entrada do santuário.

Templo Papanatha

Localizado ao sul do templo de Virupaksha, ele se orgulha de um vimana do estilo do norte com um elaborado entalhe Sucanasa Na frente. Lamentavelmente, tanto o amalaka e Kalash estão faltando. É o maior templo do complexo no rekha nagara estilo (do norte) e parece ter sofrido acréscimos e modificações fora do plano original. É possível que o templo, no início, consistisse na composição típica composta por um santuário, uma estrutura retangular mandapa e um Nandi separado mandapa. Modificações posteriores objetivaram ampliar o existente mandapa e incorporar um caminho circumambulatório fechado ao redor do santuário. Isso foi estendido de tal forma que os outrora separados Nandi mandapa agora se tornou parte dela. Uma figura Nandi finamente construída agora enfeita a passagem na entrada do mandapa.

Apenas um dos anões agora sobrevive na entrada do mandapa. Pilares e pilastras dentro do salão estão resplandecentemente cobertos com figuras em Tribhanga Mudra (pose dobrada três vezes), motivos de folhagem e outros elementos. Imagens de Shiva e Parvati, Anantasayana Vishnu cercado por Dikpalas, Nagaraja, Gajalakshmi são esculpidas no teto, enquanto painéis narrativos retratando episódios de Kirtarjuniya, Ramayana e outros textos antigos adornam as paredes. A fachada do garbha griha está lindamente decorado com um Garuda no lintel e pilastras decorativas em ambos os lados, acompanhado por figuras graciosamente esculpidas de Ganga e Jamuna.

Templo Kasivisweswara

Este é provavelmente o último templo construído neste complexo, datado de meados do século 8 EC. Ele mostra o estilo maravilhosamente desenvolvido de rekha nagara shikhara crescendo em cinco estágios, infelizmente o amalaka e Kalash estão faltando. Bem preservado Sucanasa adorna a frente do Shikhara com uma imagem de Uma-Maheswara esculpida dentro de um Chaitya arco. O todo Shikhara a superfície é projetada em forma de malha.

Na planta, o templo segue o padrão geral da arquitetura dos primeiros Chalukyan, conforme evidenciado em outros templos desta localização. Esculturas de Ardhanariswara e Kalabhairaba enfeitam o lado norte de mandapa muro. As paredes também são decoradas com pilastras emparelhadas apoiando os frontões do elaborado relevo Chaitya arcos. Histórias de Shiva e Bhagavat puranas também são uma delícia de se ver. Um painel de teto primorosamente preparado que fica no centro do mandapa retrata Shiva, Parvati segurando Kartikeya e Nandi. Além de mandapa, mais a leste, um pequeno Nandi mandapa, agora em grande parte arruinado, é colocado.

Pilar de Pedra Monolítica

Um pilar de pedra monolítico com inscrições fica em frente ao templo de Mallikarjuna. A inscrição está em caracteres Siddhamatrika e Kannada - Tamil do século VIII dC. Começa com invocações de Shiva e Hara Gauri e se refere aos reinados dos Reis Vijayaditya e Vikramaditya II.

Templo Jain

Com o nome local de templo Jain Narayana, foi construído muito mais tarde durante o reinado da dinastia Rashtrakuta no século 9 DC. Embora construído um século após o complexo do templo e sob um governante diferente, segue o padrão básico que foi desenvolvido durante o início da era Chalukyan.

É um templo de três andares com os dois andares de baixo ainda funcionais. O quadrado garbha griha abriga uma imagem de Parsvanatha. O adjacente Antarala corre para um mandapa e finalmente um lindo pilar mukha mandapa agrada o visitante. Uma via circumambulatória, embora com paredes colapsadas, também está presente. A superestrutura é construída ao sul vimana estilo com quatro lados amalaka no topo. O pedestal é decorado com molduras triplas.

As projeções e recessos do mandapa paredes contêm imagens de Jina em várias posturas entre outras figuras. Os pilares da varanda são parcialmente torneados, e a porta tem de cada lado um elefante com seu cavaleiro. Uma grande figura de Makara (crocodilo) em detalhes floreados marca a entrada do garbha griha.

As conquistas duradouras do reinado inicial de Chalukyan no campo da arquitetura prepararam o terreno para as gerações futuras desenvolverem seu próprio vocabulário em torno de certos atributos básicos. Em Pattadakal, por exemplo, a espantosa evolução que a arquitetura do templo sofreu torna-se visível por meio de uma espantosa variedade de elementos estruturais em uso a apenas alguns metros de distância um do outro. E, no entanto, representa o ápice do movimento. Depois de bem mais de um milênio, ele assume um novo caráter, o de um estágio intermediário que encontrou sua continuidade e elaboração em anos posteriores através dos Chalukyas Ocidentais (973 DC - 1189 DC) e especialmente dos imperadores Hoysala (1026 DC - 1343 DC) que inovou neste campo.


Templo Pattadakal

Este templo está localizado às margens do rio Mala Prabha, que flui no lado oriental. O templo fica a 24 km de Badami e pode ser alcançado a partir de Badami pela estrada.

Lista de Templos Pattadakal

Templo Virupaksha

Pelas inscrições, sabe-se que este templo foi construído durante os séculos VII e VIII DC. Este templo foi construído pela Rainha Lokamahadevi para comemorar o sucesso de seu marido, Vikramaditya II, sobre os governantes Kanchi, Pallavas.

Templo Mallikarjuna

Este templo foi construído pela Rainha Trilokya Mahadevi, segunda esposa de Vikramaditya II durante os séculos 7 e 8 DC. Este templo foi construído para marcar a vitória de Chalukyas sobre Pallavas.

Templo Papanatha

Este templo foi construído durante os séculos 7 e 8 DC. O templo foi construído no estilo Nagara, que mais tarde foi modificado para o estilo dravidiano. Cenas do Ramayana e do Mahabharata foram esculpidas nas paredes do templo.

Templo de Jambulinga

Este templo foi construído no estilo Nagara. O desenho do templo reflete o Templo Hucchimalli Guddi em Aihole

Templo Kashi Visweshwara

Templo Galaganath

Pela inscrição, sabe-se que este templo foi construído no início do século VIII DC. Este templo foi construído nas linhas do Templo Viswa Brahma em Alampur. A arquitetura do templo reflete o estilo Nagara.

Templo Sangamesawara

Pelas inscrições, sabe-se que este templo foi construído durante 696 e # 8211 733 DC pelo Rei Chalukya Vijayaditya. A arquitetura do templo reflete o estilo de construção dravidiano.


Templos históricos de Pattadakal

Sobre Pattadakal e História

Pattadakal é um nome encantador na história da arquitetura de templos indianos. Localizado na margem esquerda do rio Malaprabha cercado por colinas de arenito rosado e vermelho e perto de Badami, uma visita obrigatória por seus belos templos de pedra. Uma pequena aldeia em Badami taluk e distrito de Bagalkot de North Karnataka. Antigamente, isso era chamado de Kisuvolal (kisu significa vermelho e volal significa cidade do vale), também chamada de Rakthapura, que significa cidade vermelha. Este é o berço da arquitetura de templos indianos.

Você sabe? A partir da datação científica dos fósseis de animais junto com as ferramentas dos tipos Pattadakal de Hunasgi-Isampur (cerca de 100 kms do nordeste), conhecidos por ter cerca de 10,5 Lakh anos de idade.

Cerca de 4 ou 5 km ao norte e nordeste de Pattadakal, em Siddhanakolla e Aihole estão as pinturas rupestres do Paleolítico superior, Mesolítico e Megalítico e outras relíquias culturais (cerca de 15000 a 300 AC).

Em locais próximos, como Akkaragal, Siddhanakal e Aihole, há cemitérios com muitos túmulos megalíticos, todos em ruínas. Esses construtores eram mestres da tecnologia do Ferro. Toda a região é rica em minérios de ferro e manganês.

Na periferia oeste deste Pattadakal está Bachangudda, uma colina alta isolada e no topo há um templo dos primeiros Rashtrakuta dedicado a Brahma, Vishnu e Maheshwara.

Modelos de Templo

Templo modelo Rekha Nagara (Indo Aryan) - Templo Kasi Vishveswara
Dravida Vimana Model (Dravidian) - Templo Sangameswara

Pleaces cobertos neste blog e em Pattadakal

Tudo está no mesmo complexo. Veja a visão panorâmica de tudo abaixo. Demora cerca de 1 a 1,5 horas para ver todos os lugares aqui.

1. Templo Kasi Vishevesvara
2. Templo Sangameshvara
3. Templo Virupaksha
4. Templo Papanatha
5. Templo Mallikarjuna
6. Templo Jaina
7. Templo Kadasiddesvara
8. Templo Galaganatha
9. Templo de Chandrasekhara
10. Templo de Jambulinga
11. Museu

Compre o guia do ASI sobre Pattadakal, que contém muitos detalhes. Consulte também o Wiki https://en.wikipedia.org/wiki/Pattadakal.

Dicas para planejar e visitar os lugares em Aihole

Visite o museu para obter um guia local (eles cobram cerca de 300 / = ou compre o livreto). Isso pode ser planejado junto com a visita de Hampi / Badami. Consulte meus respectivos blogs para todos os detalhes. Verifique a seção de lugares próximos abaixo.

Opções de hospedagem e opções de alimentação

Eu sugiro que você compre e tenha o Coco Tender e Bananas aqui. Eles também vendem o Leitelho Bajra (milheto), mas vendem-no em garrafas usadas, o que é uma preocupação. Leve lanches ou comida com você. Garrafas de água você pode comprar aqui. Para boa comida, visite Badami.


O que você pode esperar em Pattadakal

Os templos de Pattadakal são principalmente hindu e dedicado a Shiva mas também há um templo Jain e alguns monumentos budistas. No total, existem 150 monumentos no complexo, dos quais 10 são considerados templos principais, 9 dos quais são hindus e 1 jainista. Destes 10, 8 são batidos juntos, enquanto o templo Jain fica a oeste do complexo principal e o templo hindu fica a cerca de meio quilômetro de distância.

Quando você se aproxima de Pattadakal, você é imediatamente surpreso com a simplicidade do ambiente e o verde da grama e das palmeiras auxiliadas pelo rio próximo.

Ao contrário de outros templos na área, não há nada construído perto das construções, então tudo parece arejado e espaçoso e os principais caminhos que levam aos templos são visíveis.

Pattadakal é construído em pedra vermelha , ao contrário da pedra macia negra de Belur ou Halebidu e isso também dá aos templos uma sensação mais quente.

O que torna Pattadakal tão única e, portanto, listada como Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO é o seu mistura de estilos . Dos dez templos principais, quatro foram construídos no Chalukya Dravidian do sul estilo que se pode ver em outras construções em Karnataka, quatro foram construídas no Estilo Nagara do norte da Índia e um, o templo Papanatha, combina os dois estilos .

Alguns dos templos, como o Templo Galaganatha , estão em sua maioria em ruínas e o que resta são pequenos salões contendo apenas um Shivalinga. Outros, como o templo Virupaksha, são bem preservados e muito maiores, com colunas, várias janelas cortadas na rocha e frisos. Alguns templos, como o Templo de Sangameshwara, estão incompletos, mas os planos mostram como deveriam ser após a conclusão.

Como o templo ainda está funcionando, você encontrará moradores vindo para orar e fazer ofertas. Você pode ver um santuário Nandi em frente ao templo Virupaksha, que ainda está recebendo devotos.

Pattadakal foi estudado por muitos, então há muitas informações relacionadas aos templos, suas origens e seus vários edifícios. Vale a pena visitar com um guia quem pode lhe contar tudo sobre as maravilhas arquitetônicas da época que influenciaram as construções em toda a Índia.


Arquitetura do templo de Pattadakal & # 8211 uma viagem pela história

Entre os dez templos requintados de Pattadakal, nove são templos hindus dedicados ao Senhor Shiva e um é um templo Jain. Cinco templos são construídos em estilo dravidiano, outros quatro em estilo Nagara e um templo tem uma fusão de ambos os estilos de arquitetura. As esculturas, esculturas e o incrível brilho arquitetônico desses templos atraem milhares de turistas ao longo do ano. Apresentamos aqui uma breve descrição de cada um dos templos.

Templo Virupaksha

Templo de Virupaksha em Pattadakal

O templo Virupaksha, conhecido como templo Lokeshvara, é o maior templo em Pattadakal e a obra-prima que se destaca de todos os outros templos. Este magnífico templo foi construído no século 8 pela Rainha Lokamahadevi para homenagear a vitória de seu marido Vikramaditya II sobre os Pallavas de Kanchi. Construído no estilo arquitetônico dravidiano e dedicado ao Senhor Shiva, o templo tem entalhes e esculturas incríveis que retratam as histórias das escrituras hindus Mahabharata e Ramayana. Possui três entradas, um santuário com um caminho de circuito e um pedestal quadrado onde o Shiva Linga está instalado. Há uma enorme estátua de pedra do touro Nandi dentro do Nandimandapa de quatro pilares. Acredita-se que a arquitetura do templo Virupaksha serviu de inspiração e modelo para Krishna I, o governante Rashtrakuta, construir o famoso templo Kailasha nas cavernas de Ellora.

Templo Mallikarjuna

O templo de Mallikarjuna, também conhecido como Trilokeswara, é outro templo construído por Trilokyamahadevi, a segunda rainha de Vikramaditya II para comemorar a vitória de seu marido sobre os Pallavas. É uma versão menor do templo Virupakaksha com um plano semelhante e construído próximo a ele no lado norte. Estilo dravidiano embutido, tem quatro andares vimana, uma circular griva e Sikhara. Possui dezoito pilares no Navaranga, lindamente esculpidas com histórias do Ramayana, Mahabharata e as imagens que retratam as condições sociais daqueles dias. As paredes externas têm esculturas de deuses e deusas hindus e os tetos são decorados com figuras de Shiva-Parvati com Nandi e Gajalakshmi. Uma magnífica imagem de Narasimha matando Hiranyakashipu adorna a varanda.

Templo Kashivisveswara

Templo Kasivisvanatha em Pattadakal

O Templo Kashivisveswara construído pelos Rashtrakutas no século 8 no estilo de arquitetura de Nagara foi o último templo a ser construído no início do estilo Chalukya. Ele está localizado ao norte do templo Mallikarjuna. Tem um santuário com Shiva Linga em um pedestal quadrado, um ardha mandapa, e um mandapa. Apenas a passagem interna e o santuário que tem uma torre Rekha nagara permanecem agora. Os pilares da passagem interna são gravados com belas figuras de mulheres.

Templo Sangameshvara

O templo Sangameshvara, também conhecido como Vijayeshwara, é o templo mais antigo de Pattadakal e foi construído pelo Rei Chalukya Vijayaditya (696-733 DC). Construído no estilo dravidiano, o templo continua atraente para os visitantes por sua incrível excelência arquitetônica. O principal vimana do templo tem três histórias. Tem um santuário e uma passagem interna cercada por um caminho para a circunvolução com uma série de estruturas de vários designs. Existem 20 pilares dispostos em quatro filas e as paredes são decoradas com belas esculturas como Nataraja e Ugranarasimha.

Templo Chandrashekhara

O templo Chandrashekhara, um pequeno templo no complexo com arquitetura simples, está situado entre os templos Sangmeshvara e Galaganatha. O templo está posicionado em um adhisthana e tem um santuário com Shiva Linga em um pedestal, um pequeno salão e uma escultura de dwarapala (porteiro) em cada lado do santuário. Não há Shikhara sobre o santuário. Acredita-se que tenha sido construído em 750 d.C. para comemorar algumas das principais vitórias militares ou alguns outros eventos importantes.

Templo Galaganatha

O templo Galaganatha foi construído durante a primeira metade do século 8 no estilo arquitetônico Rekha Nagara Prasada. A característica única do templo é a escultura do Senhor Shiva na postura de matar o demônio Andhakasura, um testemunho da incrível arte escultórica antiga. Ele está localizado ao norte do templo Virupaksha, voltado para o oeste. O santuário, com a instalação de um Shiva Linga, possui via de circumambulação e possui diversos nichos com figuras de Gajalakshmi, Kubera e outros. Há uma figura impressionante de Lord Shiva no nicho da parede externa do caminho do circuito.

Templo Papanatha

Construído em 680 DC, o templo Papanatha é uma mistura do estilo Nagara e do estilo Vesara de arquitetura. Localizada na parte sul do templo de Virupaksha, possui uma grande antecâmara, pórtico, salão principal e santuário com passagem circular. Os 16 pilares do salão principal têm belas esculturas de mulheres e casais. Figuras incríveis de Vishnu, Shiva-Parvati e Gandharvas decoram o teto. As paredes têm figuras impressionantes da corte real, pilotos de elefante e várias esculturas que retratam as cenas do Ramayana e Mahabharata. O templo é o local do famoso evento anual Pattadakal Festival de dança que atrai milhares de turistas de todo o mundo.

Templo Kadasiddheswara

O Templo Kadasiddheswara foi construído no século 7 no estilo Rekha Nagara. Construído sobre um pedestal elevado, tem um santuário quadrado que abriga um Shiva Linga sagrado em um pedestal. o ardhamantapa decora uma escultura lindamente esculpida da dança de Shiva e Parvati, com Shiva segurando um TRishul (tridente) em suas mãos. Os nichos das paredes externas do santuário têm as imagens de Shiva, Ardhanariswara e Harihara. A porta tem pilastras com Shiva e Parvati sentados no meio com Brahma e Vishnu de cada lado.

Kadasiddheswara e Jambulingeswara & # 8211 os templos gêmeos

Templo Jambulingeswara

Os templos de Kadasiddheswara e Jambulingeswara são templos gêmeos do mesmo tamanho e estilo arquitetônico semelhante, localizados muito próximos um do outro. O templo de Jambulinga tem um santuário quadrado com Shiva Linga instalado em um pedestal. Ídolos de Nandi e Virabhadra podem ser vistos na entrada do ardhamandapa e os nichos do santuário da parede externa têm esculturas de Shiva, Vishnu e deus do Sol. As ruínas de uma plataforma elevada e o porão de um Nandi-mandapa com uma imagem couchant desgastada de Nandi são vistas no lado leste do templo.

Templo Jain

Localizado a cerca de 10 minutos a pé do complexo do templo, separado dos outros templos por tempo e espaço, está um templo Jain conhecido como Templo Jaina Narayana. Foi construído no século 9 pelo governante Rashtrakuta Krishna II e foi a última adição no complexo do templo. Construído em estilo dravidiano, este templo de três andares tem um santuário quadrado, uma antecâmara, um salão e um mukhamandapa e foi provido de pilares maciços. O templo é famoso por algumas belas esculturas e grandes figuras de elefantes.


Grupo de Monumentos Pattadakal, Karnataka

Pattadakal no norte de Karnataka é uma série complexa de templos jainistas e hindus anteriores ao século 6 DC, quase formando um sistema distinto. Esses locais dos sistemas de templos foram reconhecidos e designados como Patrimônios da Humanidade pela UNESCO. O próprio norte de Karnataka é um centro de muitos vestígios históricos e artefatos e Pattadakal fica a cerca de 16 quilômetros de outro local de patrimônio mundial chamado Badami, que também se orgulha de ser o lar de escavações arqueológicas e ruínas de templos.

Pattadakal também é conhecido como Raktapura e é um patrimônio reconhecido pelo estado indiano que agora é mantido e protegido pelo Levantamento Arqueológico da Índia. Usando citações do documento oficial da UNESCO dedicado a Pattadakal, ele é descrito como uma morada da arte eclética no seu melhor glorioso, com uma notável confluência de estilos arquitetônicos do Norte e do Sul nos templos e monumentos presentes no local.

Pattadakal tornou-se um local de importância religiosa e espiritual junto com os vizinhos Badami e outros lugares porque esses foram os principais centros de discurso religioso e prática espiritual durante a dinastia Chalukya. O Império Chalukya incentivou as formas de arte e, portanto, outros estudos colaterais também se beneficiaram do mesmo patrocínio real, devido ao qual esses locais floresceram como centros de aprendizagem.

Pattadakal se traduz literalmente como Lugar da Coroação e não é nenhuma surpresa que cerimônias de coroação elaboradas foram realizadas aqui durante o reinado do Império Chalukya. Como todos os templos de Karnataka que apresentam uma confluência de estilos, esses templos têm esculturas sofisticadas e arte de parede que retrata khandas ou episódios de escrituras mitológicas populares e os frisos abaixo deles narram as histórias retratadas pictoricamente. Existem 10 grandes templos em Pattadakal, 9 deles aderindo à religião hindu e um dedicado à religião Jain.


Evolução da arquitetura do templo - Aihole-Badami- Pattadakal

As Listas Indicativas dos Estados Partes são publicadas pelo Centro do Patrimônio Mundial em seu site e / ou em documentos de trabalho para garantir a transparência, o acesso à informação e facilitar a harmonização das Listas Indicativas nos níveis regional e temático.

A responsabilidade exclusiva pelo conteúdo de cada Lista Indicativa é do Estado Parte em questão. A publicação das Listas Indicativas não implica a expressão de qualquer opinião do Comitê do Patrimônio Mundial ou do Centro do Patrimônio Mundial ou do Secretariado da UNESCO sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, cidade ou área ou de seus limites.

Os nomes das propriedades são listados no idioma em que foram apresentados pelo Estado Parte

Descrição

Nome do componente

Estado, Província ou Região

Latitude e longitude

Aihole-group,

Aldeia de Aihole, Hungund Taluka, distrito de Bagalkot

Complexo Ravanphadi

2 templos nas instalações da caverna de Ravanaphadi

Grupo Konti Gudi

Templo no sudeste (Sarangi matha)

Templo Mallikarjuna, Aihole

Templo nº 31 (do Grupo Veniyar)

Complexo da colina Meguti

Estrutura parcialmente escavada / parcialmente construída

Complexo durga

Nagral, Badami Taluqa, Dist. Bagalkot

Badami-group

Município de Badami, Dist. Bagalkot

Complexo de cavernas Badami

Templo Bhutnatha (templo principal)

Complexo do Templo Pattadakal

Aldeia Pattadkal, Badami Taluqa, Dist. Bagalkot

A propriedade que constitui os grupos de monumentos em Aihole (incluindo Nagral) e Badami como uma extensão de Pattadakal (propriedade WH, Ref: 239rev) que é o ponto culminante, juntos representam a experimentação na arquitetura de cavernas e templos hindus sob os primeiros Chalukya desenvolvendo protótipos fundamentais para os templos posteriores na península.

Os grupos de monumentos localizados na cidade de Badami e nas vilas de Aihole, Nagaral e Pattadakal, do distrito de Bagalkot, ao longo do rio Malprabha, são a contribuição da Dinastia Chalukya oriental (século 6 -8 dC). Governando uma vasta extensão culturalmente diversa limitada pelos rios Narmada e Kaveri no Norte e no Sul, esta dinastia patrocinou o desenvolvimento de diversas formas culturais. O foco na arte e arquitetura de templos e cavernas pelos Badami-Chalukyas levou a uma progressão sem precedentes de ambas as tipologias. Os templos de Aihole, Badami e Pattadakal são o maior e mais antigo grupo de monumentos que demonstra de forma abrangente a evolução do corte na rocha hindu e da arquitetura do templo na Índia.

Os protótipos de 16 tipos de templos independentes e 4 tipos de santuários escavados na rocha foram desenvolvidos em Badami e Aihole, que atingiu sua forma mais madura em Pattadakal. Isso transformou o vale do rio Malaprabha em um "berço da arquitetura do templo", onde a experimentação definiu os componentes de um típico templo hindu.

Na arquitetura do Templo, dois tipos fundamentais de layout, Sandhara e nirandhara (com e sem caminho circumambulatório, respectivamente) foram desenvolvidos nos templos estruturais de Aihole e Badami, que foi finalizado em Pattadakal. Os dois tipos podem ser categorizados com base no tipo de Shikhara (superestrutura afilada) - Mundamala (templo sem superestrutura), rekha-prasada (prevalente no norte e centro da Índia), dravidian vimana (prevalente no sul da Índia) e kadamba-Chalukya shikhara (forma indígena prevalente na região de Deccan). Além dos dois tipos de forma de plano, um é o absidal, uma adoção do que é seguido em um chaitya budista combinado com um rekha-prasada shikhara. Os grupos de monumentos de Pattadakal mostram uma mudança no foco de desenvolvimento da forma para a elaboração da escala, como é evidente no santuário principal (do que aqueles em Aihole e Badami), adição de estruturas associadas (santuários subsidiários, nandimantapa) encerrados em um prakara (parede), entrado por um pratoli (portal).

Grupo de templos em Aihole (e Nagral):

Existem vários grupos de templos e dois santuários em cavernas pontilhando a paisagem da vila, Aihole, a primeira capital de Chalukyas primitivos. As propriedades selecionadas em Aihole consistem em 2 cavernas, 1 parcialmente estrutural-parcialmente escavada e 12 templos estruturais.

Amongst these caves, Ravanphadi cave which is dedicated to Shiva, consists of a mantapa, garbhagriha and two side galleries flanking mantapa. The planning of Meena Basadi cave, with inclusion of sukhanasi and better defined space of vestibule, shows a major step in achieving plan form for built temples in future. Partly excavated / partly built structure standing on the slopes of Meguti hill has two garbhagrihas placed on two storey. The garbhagrihas are excavated in the rock while front verandah is built supported by square columns.

Two small temples near Ravanphadi cave have only garbhagriha and ardhamantapa with no superstructure. Konti gudi temples, located within the village consist of garbhagriha attached to the rear wall of the pillared mantapa. The temples are roofed by mundamala shikhara. Ladkhan temple follows similar plan and type of shikhara on a larger scale. The garbhagriha of Guadar gudi is centrally located in the pillared mantapa forming a sandhara structure. Guadar gudi also has mundamala shikhara. Located on the just outside the village, Hucchapayya Matha has a garbhagriha which is attached to an enclosed Mantapa as a separate structure. Temples like Huchhimalli gudi and Huchhapayya gudi signify development in Rekha-prasada type of shikhara. Similar to Guadar gudi, Garbhagriha of Huchhimalli gudi is embedded in the gudhamantapa while garbhagriha of Meguti temple is surrounded by the pradakshina patha. Gudhamantapa is attached to the front wall of sandhara plan of the temple. Temples of Mallikarjuna and Galagnatha represent examples of development of Kadamba-Early Chalukya shikhara. Galagnath temple has an added vestibular space between the already separated garbhagriha and mantapa. Huchhimalli gudi and Meguti temple represent examples of sandhara temples. Durga temple is a rare example of apsidal plan in Early Chalukyan temples. It has sandhara plan and added mukhamantapa as an entrance. Nagnath temple at Nagral has a nirandhara plan which comprised of garbhagriha, pillared mantapa and mukhamantapa. The garbhagriha is capped with Dravidian shikhara. A unique example of trikutachala type of temples which became prevalent form in later in Rashtrakuta period can be seen in a temple no 33 in Veniyar group.

The extensive experimentation in the temples of Aihole carved way to more definite form in the temples of Badami, Nagral and Pattadakal.

Group of temples and caves in Badami:

The town of Badami which served as a second capital for Early Chalukyas is located at the base where two branches of the western edge of the rocky-crop of the Kaladgi range bifurcate. The town is dotted with numerous temples built during Early Chalukya e Rashtrakuta período. 5 sites (1 group of 4 Caves and 4 free-standing temples) in Badami have been identified owing to their significance in the process of evolution of Early Chalukyan temple architecture. These sites are located at various elevations along the rocky-outcrop. The 4 Caves (Cave no.01, 02, 03 and 04) located on the northern face of the southern branch of the hillock. The caves follow typical plan including entrance porch, pillared mantapa and garbhagriha.

Upper-Shivalaya and Malegitti Shivalaya temples are located on the northern branch of the hillock, where the former is on a higher elevated plane than the latter. Shikhara of these temples are Dravidian type. The garbhagriha of Upper Shivalaya is embedded in the mantapa forming a sandhara plan. The plan of Upper Shivalaya is followed in Galagnatha temple in Pattadakal which dates later. The main part of the mantapa of this temple is now fallen. Circular windows on the rear wall of pradakshina path as well as additional storey above the garbhagriha provide uncommon features to the temple. Malegitti Shivalaya has garbhagriha, pillared gudhamantapa which is accessed through mukhamantapa. The temple is roofed with Dravidian shikhara. The Bhutnatha temple (main) is located on the banks of Agastya Tank at the base of the hillock. Bhutanatha temple has a garbhagriha attached to pillared gudhamantapa. Mukhamantapa of this temple is a later addition. The temple has Dravidian shikhara. All the Early Chalukyan caves and temples in Badami except Upper Shivalaya are nirandhara structures where pradakshina path or circumambulatory path is absent.

Justificativa de Valor Universal Excepcional

o Early Chalukyan ruled in the area comprising the present Indian states of southern Maharashtra and northern Karnataka and over two centuries had unified a vast culturally diverse area between the rivers Narmada and Krishna in Peninsular India. The political victories paved the way for the amalgamation of distinct cultural practices and its manifestation in the evolution of art and architecture remain unparallel in the history temple construction in the Indian subcontinent. Pattadakal, inscribed as World Heritage site (Ref: 239rev) demonstrates the finale in the evolution of cave and temple art and architecture, whereas the monuments of Badami and Aihole show its crucial formative stages. Together the groups of temples comprehensively show experimentation and thereon culmination of cave and temple art and architecture witnessed only in the Malaprabha River valley.

The concentration of artistic activities in their power (Aihole and Badami) and spiritual Pattadakal (Pattadakal) centers transformed the Malaprabha river valley into ‘cradle of Temple Architecture’. Its hilly outcrops witnessed the simultaneous excavation of rock-cut temples and constructions of free standing temples in sandstone by applying the skills developed for free standing wooden constructions. These temples are the largest, earliest group of monuments which comprehensively demonstrates the evolution in Hindu rock-cut and temple architecture in India. The experimentation in temple art and architecture in Pattadakal, already inscribed demonstrates the culmination in temple construction system fostered by the Early Chalukyas which had a profound influence on Hindu temples construction to follow.

Criterion (iii): The ensembles of Aihole, Badami and Pattadakal bear testimony to the Early Chalukya dynasty (6th – 8th century CE) whose rule is characterised by prosperity, political stability and religious tolerance facilitated assimilation of diverse cultural forms, best reflected in the field of art and architecture Unifying a large geo-culturally diverse area, the kingdom of Early Chalukyas saw the convergence of myriad knowledge and techniques in the field of temple construction best reflected in the field of art and architecture transforming the Malaprabha River Valley into the cradle of Indian Temple architecture.

The skills and forms of rock architecture developed at existing art centres like Ajanta was applied and elaborated in the excavation of rock-cut cave temples at Aihole and Badami. While the earlier Hindu caves are rudimentary in design, those under the Early Chalukyas show adaptation of temple plan on a much larger scale, implying development of cave-architecture. Instead of an ante-chamber attached to a cella (garbagriha), the spatial layout of the rock-cut caves at Badami had sanctum attached to mantapas with or without lateral shrines and, while that at Aihole showed a trikutachala (three sanctums) temple layout.

Experimentation in arriving at functionally viable prototypes at Aihole and Badami enabled conceptualization of complex temple structures at Pattadakal. The elaboration of scale and ornamentation as well as addition of ancillary structures to accommodate growing need of religion at Pattadakal led to the development of aesthetically appealing temple models. A number of indigenous elements were harmoniously blended with the architectural and sculptural practices of contemporary northern and southern styles.

The greatest contribution of the Early Chalukya civilization is illustrated in evolution of two principle temple shikhara types - the southern Dravida-vimana and the northern Rekha-nagara-prasada temples along with the type of Kadamba-Chalukya shikhara, through a series of consistent experimentations that commenced at Aihole, continued at Badami and culminated at Pattadakal. The rock-cut caves and temple architecture at Aihole, Badami and Pattadakal individually and collectively testifies the process through which the architectonics of a Hindu temple was developed, standardised and became fundamental to the knowledge-system of master-craftsmen that enabled construction of large-scale Hindu temples in the peninsular region during medieval times. Furthermore, the crystallisation of canonical texts which governed all facets of temple construction and religious practices was enriched from this experience of the Early Chalukyas of Badami.

Criterion (iv): The era between the 6 th and the 8 th century of the Early Chalukyas of Badami is a critical phase in the history for Hindu revivalism and development in Hindu temple architecture. The architectural ensembles of Aihole-Badami-Pattadakal are a testimony to the evolution in religious architecture at a point in time when the belief system and its built-form, both rock-cut caves and free-standing stone temples, were undergoing simultaneous transformation. These two hundred years of the Early Chalukyas of Badami in the western Deccan, specifically in their power and spiritual centres at Aihole-Badami-Pattadakal, exhibits two significant movements in the cultural life that defined early medieval India, first, the acceptance of stone as a medium of construction and second, the concretisation of temple forms which are characteristic of early medieval India. Patronage from all quarters of society and religious fervour synergised the combination of skills and regional architectural practices which lead to innovations in religious architecture.

The strategic location of the Early Chalukya power in Deccan centres enabled the infusion of features and skills from contemporary artistic centres and simultaneous development in rock-cut and free-standing architecture. The existing skill of Buddhist cave-architectures applied to excavation of Hindu cave-temples of Badami demonstrates development in spatial-layout and features essential to accommodate Hindu rituals. The five different prototypes of caves in Badami and Aihole testify the growth of rock-cut architecture into an elaborate social space.

Considered the cradle of Indian temple architecture, the power and spiritual capitals of Early Early Chalukyas of Badami witnessed the two centuries of experiments which manifested in the evolution of the architectonics and aesthetics of free-standing Hindu temple architecture. The six rock-cut caves and twenty-five temples individually and collectively represent the continuous development of Hindu Temple architecture which became a fulcrum for later large-scale temple construction in peninsular India. Also, Hindu Temple architecture being unique to South Asia, the era of evolution in Temple architecture is integral to the history of this large geo-political expanse.

Declarações de autenticidade e / ou integridade

The groups of monuments retain its physical integrity having withstood the ravages of time and nature.The rock-cut caves are integral to the understanding of how rock-cut architecture evolved and influenced architecture in the region while the structural temples show the experimentation with spatial-layout and roof-typology that created stabilized architectural and structural forms. Individually and collectively, these properties essay the evolution of free-standing stone temple architecture and development of cave-architecture and are integral to the crystallisation of polytheistic worship.

The buffer to each property further show additional components like pushkarani (water-tank), shrines, prakara (enclosure), gopura (gateway) etc. added over time in consonance with the growing need of religion. These elements in the buffer are integral to comprehend the mutual development in religion and architecture characteristic to Malaprabha River Valley. The area which buffers the property also ensures the provision of easy access for maintenance, management and enabling visitors experience the property.

The conservation measures adopted focuses on safeguarding the original alignment and details of the architectural and construction systems which form the critical value-system of the property. To ensure protection of its construction system, reconstruction of any-form has been averted while replacement of broken structural members was done only to maintain structural stability.

Set in the Kaladgi ranges the groups of sculpted caves, partly rock-cult and partly structural and structural temples of Aihole, Badami and Pattadakal collectively testify bygone civilization of the Early Chalukya Dynasty and their contribution to the field of Hindu Temple Architecture. Transforming the Malaprabha River Valley into the cradle of temple architecture its creations are considered the progenitor of medieval Indian temple architecture and planning.

These groups of structures show the evolution of Hindu temple architecture and planning in peninsular India. These properties testify the evolution of crafts-skill of the master-craftsmen by transposing and applying skills originally developed to construct wooden structures and rock-cut caves to create new structural forms purely on stone. The spirit of experimentation patronized by the Early Chalukya dynasty created perfected modules, which shaped canonical texts and in-turn later temple architecture in peninsular region of the Indian sub-continent.

Comparação com outras propriedades semelhantes

The proposed property through the combination of rock-cut caves, partly freestanding– partly rock-cut and free-standing temples together and individually demonstrate a stage in architectural history where the thrust shifted from cave architecture to free-standing architecture necessitated by the changing socio-religious practice of the time. Executing in locally available stone the known construction system employed in free-standing wooden structures, the craftsmen in Malaprabha river Valley under Early Chalukya patronage transformed the landscape into a cradle of Temple architecture.

The assimilation of diverse skills, knowledge of different built-craft forms lead to the development of component parts and the complete form of a fundamental unit of a Hindu Temple. This experiment saw combination of distinct roof typology (Dravida of the south, Nagara of north and central and Phamsana or kadamba-Early Chalukya of local origin) with spatial-layouts that were structurally stable and could be further elaborated through modification in scale, surface ornamentation and addition of ancillary spaces. As opposed to representation of only matured example achieved in regional temple architecture, the proposed property of Aihole-Badami-Pattadakal is a unique narration of the critical processes that led to the evolution of architectural and construction systems necessary for building a freestanding structural Hindu Temple.

The temple complex of Angkorvat as well as group of monuments in Mahabalipuram represents comparative examples for the evolution of religious architecture that reflects spectrum of change in socio-religious practices. They are also considered the progenitors of later construction, the process evident through the group of structures reflect changes in socio-religious practices during the Hindu revival movement of early medieval times which is much more elaborated and defined in Early Chalukyan architecture.

On international level, World Heritage Sites of Megalithic temples at Malta and Wooden Churches of Slovak part of Carpanthian Mountains, Slovakia represent comparable example which influenced further architectural development in the region.


The red craggy sandstone cliffs form a rather stark background against the sky, accompanying me on my journey. Occasionally the scenery bursts into acres of green or bright yellow sunflower fields, but it is the mountains that gave me constant company. The River Malaprabha interrupts my journey as small streams of water flow across the rocks embedded in the dry river bed. Along the banks of the river in Bagalkote district is a golden triangle, where three towns formed a rich tapestry of culture and architecture in ancient times. The heart of the Chalukyan kingdom, I am travelling between two erstwhile capital towns – Badami and Aihole and in between, was Pattadakal, my destination.

It is probably the mountains that gave Pattadakal its old name – Kisuvolai or Raktapura or the Red City. It is believed that it was the site where the Chalukyan rulers were crowned as kings. Yet one cannot find a palace here but there are monuments that are probably more magnificent than a palatial complex.

The Virupaksha temple in Pattadakal

Sprawled amidst the mountains is the heritage site, where the temple complex opens into a fusion of architectural styles , which include the Rekha – Nagara –Prasada with Dravida Vimana .There are ten temples here , all located in a single complex except a Jainalaya which is slightly further away on the road returning to Badami. These temples were all built between the 7 th – 9 th centuries by the Chalukya kings. But my interest lies in the largest and the grandest of all the temples in the Pattadakal complex – the Virupaksha temple.

Virupaksha temple – Inspired by the Kanchi Kailasanath temple

Built in the 8 th century, the Virupaksha temple is also known as the Lokeshwara , named not after the king or a deity but after the queen , Lokamahadevi who commissioned this magnificent monument to commemorate her husband, Vikramaditya 11’s victory over the Pallavas of Kanchipuram. She is believed to have been inspired by the Kanchi Kailasanatha temple and she brought in sculptors from the Pallava capital to build this temple. It is believed that the Kailasantha temple built in Ellora was based on the model of the Virupaksha temple.

You need more than a day to look at every carving inside the Virupaksha temple. It was considered as one of the architectural marvels of the period, as even the architect was apparently given the title of “Tribhuvanacharya” or the master of three worlds. The temple is sheer poetry carved on stone and the walls, pillars, panels and columns are adorned with beautiful carvings from the epics and Puranas. A Nandi pavilion greets you at the entrance and the temple consists of a porch, a mandapa with 18 columns and a linga sanctuary.

Mallikarjuna temple – built by another queen

The queens of the Chalukyan era probably vied with each other to build temples for their kings. Mallikarjuna temple, also known as Trailokeshwara temple, after the queen Trilokamahadevi who built it, is similar to the Virupaksha temple with its beautiful pillars and columns narrating stories from mythology, legends, puranas and epics. A Nandi pavilion stands in front , similar to that in Virupaksha temple and one can see two fragmented green stone Nandis here.

Both the Virupaksha and Mallikarjuna temples have left no stone unturned literally when it comes to carvings. Every inch of the shrines are carved – in outer walls, towers, friezes, reliefs, pillars and columns. Narratives from the Ramayana and the Mahabharata, forms of Vishnu and Shiva, episodes from Shiva ‘s life from his marriage to Parvati to his killing of demons, scenes from Krishna’s childhood are some of the stories carved here

As I sit by the mandapa to take notes from the local guide, the silence is suddenly broken by the arrival of several buses bringing in school students from local villages and towns. Colourful school uniforms fill the landscape as the students run in and out of temples, jump in front of mandapas, pose for photographs with the Nandi and lose themselves amidst the shrines, glad to be out of classrooms. I watch them in amusement for a while, before continuing my journey .


The site of Paṭṭadakal.—Stretched along the river Malaprabhā, over a distance of 1 km, the ancient site of the city of Paṭṭadakal includes a main group of old temples in its northern half, the modern quarters of the residents of the village in the southern half and at the southern limit one more major old temple. Remnants of a northsouth fort wall are still observable to-day in the village. It must have been the western limit of the ancient city. The modern village has large extensions beyond that limit towards west. The broad east-west street is entirely beyond the same limit. It is a fact that from the west end of that street one sees the śikhara and finial of the Lokeśvara temple

context information

The history of India traces the identification of countries, villages, towns and other regions of India, as well as royal dynasties, rulers, tribes, local festivities and traditions and regional languages. Ancient India enjoyed religious freedom and encourages the path of Dharma, a concept common to Buddhism, Hinduism, and Jainism.

Discover the meaning of pattadakal in the context of India history from relevant books on Exotic India


Pattadakal - A Trip Down To The Chalukyan Era

A trip to Pattadakal is a trip down the glorious past when the Chalukyas reigned and controlled this part of South India. Pattadakal literally means the city of crown rubies and this is an allusion to the time when the city was the capital of the Chalukyan Empire. Pattadakal lies on the banks of the river Malaprabha in the Bagalkot district of Karnataka.

Where Kings Once Resided - Tourist Places In Pattadakal

The town is famous for the nine Hindu temples and the Jain sanctuary that successive Chalukya kings built here in the 7th and 8th centuries. So impressive is the architecture of these temples that the entire area was declared a World Heritage Site by UNESCO.

The Pattadakal temples are unique because they combine the North Indian as well as the South Indian styles of architecture. The best example of this harmonious integration of styles is the Virupaksha Temple. History books state that the temple was built in 740 by Queen Lokamahadevi to mark her husband Vikramaditya II's victory over the local Pallava kings.

How To Reach Pattadakal

Pattadakal is close to Aihole (10 km) and Badami (22 km). They were also capitals of the Chalukyas and contain similar examples of Chalukyan art. Pattadakal can be reached by bus and train. The closest railway station is at Badami.


Assista o vídeo: INDIA SUR IV. Aihole, Pattadakal y Badami