Kittatinny Sch - História

Kittatinny Sch - História

Kittatinny

(Sch: t. 450; 1,19 '; b. 29'; dph. 11'6 "; cpl. 66; a. 4
32-pdrs. )

Kittatinny era uma escuna de três mastros comprada pela Marinha na Filadélfia como Stars and Stripes de Simpson e Neile em 21 de setembro de 1861; e comissionado no Philadelphia Navy Yard em 9 de dezembro de 1861, o tenente George E. Welch no comando.

Designada para o Esquadrão de Bloqueio do Golfo, ela partiu do Delaware em 20 de dezembro e chegou a Rey West 10 dias depois. Um bloqueador ativo no Golfo do México, ela compartilhou a captura do Major Barbour na tentativa de escapar do bloqueio com uma carga de pólvora, nitro, enxofre, calotas de percussão e chumbo para o Exército Confederado. Ela pegou a escuna Julio perto da Barataria 11 de maio e capturou a escuna P] mma em 27 de setembro. A escuna Matilda foi vítima do vigilante bloqueador da União na baía de Matagarda, Texas, em 25 de novembro; e a escuna Diana foi levada no dia seguinte. Rittatinng tirou o saveiro D. Sargent de Galveston em 12 de março de 1863, pouco antes de embarcar para Nova York para reparos.

Kittatinny foi recomissionado em Nova York em 10 de junho de 1863, com o mestre em exercício Isaac D. Seyburn no comando. No dia 15, ele partiu em um cruzeiro no Atlântico Norte em busca do confederate raider Tacon1y, um navio que cobra uma grande quantidade de navios do norte. Ela retornou a Nova York no dia 29 e navegou em 11 de agosto para retornar ao Esquadrão de Bloqueio do Golfo Ocidental para trabalhar na costa do Texas. Ela chegou à estação em 2 de setembro; e no dia 22 ela perseguiu uma escuna não identificada até a costa onde o corredor de bloqueio foi queimado por sua tripulação. Ela capturou a escuna Reserve em 25 de outubro.

No início de 1968, Kittatinny navegou via New Orleans para Pensacola, onde residiu por mais de um ano. Em 25 de março de 1865, ela partiu para Mobile Bay, onde serviu até o fim da Guerra Civil. Ela se destacou em Mobile Bay em 8 de agosto; tocou Pensacola; e chegou a Nova York em 1º de setembro, onde descomissionou no dia 14. Kittatinny foi vendida em leilão público em 27 de setembro de 1865 para D. McCarty & Son.


Propriedade antiga da família Jones, a Kittatinny Canoes foi vendida

Kittatinny Canoes, nascida na controvérsia da Ilha Tocks há seis décadas, foi vendida para outra empresa familiar, que possui acampamentos e resorts da Nova Inglaterra à Califórnia.

A venda da empresa de aventura ao ar livre inclui os dois acampamentos principais, os mais de meia dúzia de pontos de lançamento / aterrissagem no Rio Delaware e as canoas, caiaques e jangadas que são considerados a maior frota de barcos de aluguel no rio.

"Estava na hora de me aposentar", disse Dave Jones, 66, o proprietário da terceira geração da Kittatinny esta semana, ao confirmar a venda para a Northgate Resorts, com sede em Grand Rapids, Michigan.

Citando um acordo de sigilo, ele se recusou a dar um preço de compra, mas disse: "Fiz um bom negócio e ambas as partes estão felizes."

Ele disse que Northgate é "uma empresa familiar que será boa" e observou que a empresa "tem muito sangue jovem envolvido, o que também será bom".

Jones e a porta-voz da Northgate, Tessa McCrackin, disseram que não houve decisão de renomear a operação. "Eles falaram sobre manter 'Kittatinny' como parte do nome, no entanto", disse Jones.

Northgate é o maior franqueado da cadeia de acampamentos Jellystone, no entanto, a empresa não vai transformar as instalações de Kittatinny em Jellystones, disse McCrackin.

Os dois acampamentos são K-Camp, localizado em Barryville, Nova York, e River Beach, localizado em Westfall, Pensilvânia, no extremo norte da Área de Recreação Nacional Delaware Water Gap. Existem também várias áreas de aluguel de barcos ao longo do rio, incluindo uma em Dingmans Bridge e a empresa tem pontos de embarque em várias áreas de lançamento em toda a extensão do parque nacional, incluindo Kittatinny Point, que deu o nome à empresa.

De acordo com a história da empresa, ela começou em 1941 quando os avós de Dave Jones e rsquos, Ernie e Edna Olschewsky, compraram uma propriedade à beira do rio que incluía seis canoas e alguns barcos a remo para serem usados ​​no local.

Então, um dia, um pescador perguntou a Ernie se ele o transportaria rio acima para que ele pudesse pescar no rio enquanto flutuava até o ponto.

Em seguida, veio o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA e seus planos para construir uma barragem no rio Delaware em Tocks Island, cerca de 11 quilômetros rio acima de Water Gap. No entanto, como haveria um grande lago criado, os terrenos circunvizinhos até o sul até a lacuna seriam tomados e entregues ao Serviço Nacional de Parques como área de recreação, à semelhança do que se fazia em outras partes do país.

A população local e regional ficou chateada no que se tornou uma batalha de anos sobre o projeto e, alguns historiadores observam, deu origem ao movimento nacional de proteção ao meio ambiente.

Jones disse que seu avô morreu em 1º de setembro de 1965, mesmo dia em que o presidente Lyndon Johnson assinou o projeto de lei que autorizava a área de recreação.

A mãe de Dave, Ruth Jones, conta a história do dia em que testemunhou agentes federais na porta da casa da família com espingardas, forçando-os a sair de sua casa no rio.

A essa altura, a família havia expandido seu negócio de aluguel de barcos o suficiente para que continuassem a operar aquele e os dois acampamentos.

Apesar dessa história instável, Ruth Jones trabalhou em estreita colaboração com o NPS, que supervisiona a área de recreação e as designações de rios cênicos do Alto e Médio Rio Delaware.

Há duas décadas, Kittatinny Canoes patrocina um evento anual de limpeza do rio, com o primeiro dia focado no Upper Delaware River e o segundo dia trabalhando com a área de Delaware Water Gap.

"O NPS estende nossa mais profunda gratidão a Ruth e Dave Jones e sua equipe na KC por tudo o que fizeram nas últimas três décadas para ajudar a limpar e cuidar do rio Delaware por meio da limpeza anual do rio", disse o superintendente do parque Sula. Jacobs.

Ela observou que a empresa forneceu a muitos visitantes do parque oportunidades incríveis de acampar e remar dentro e perto do parque. "Enquanto vamos sentir falta dos Jones e desejar-lhes boa sorte em sua" aposentadoria ", estamos ansiosos para dar as boas-vindas e trabalhar com os novos proprietários e operadores do negócio."

Kathleen Sandt, porta-voz do parque Water Gap, disse que passou os últimos 15 anos trabalhando com Jones e a equipe no evento anual.

"A experiência combinada foi um dos destaques da minha carreira de NPS em parte por causa do bom trabalho que estávamos fazendo para manter o rio limpo, em parte porque é inspirador e revigorante ver quantos voluntários aparecem para se envolver neste esforço e em parte, talvez a maior parte, porque pude trabalhar, aprender e compartilhar meu amor pelo rio, com Ruth ", disse ela.

McCrackin disse que os dois lados estão olhando para a venda há algum tempo e que Northgate foi atraído pelas propriedades e pela frota de barcos, e "pela beleza do rio e daquela área".

Ela disse que a maior parte dos planos da empresa para o futuro imediato são "coisas cosméticas".

Kittatinny se junta a um portfólio de 17 propriedades com outras três em desenvolvimento. Ela disse que a primeira empresa veio para o Nordeste em 2013.

McCrackin disse que a empresa, que já anunciou a adição de Kittatinny em sua página do Facebook, levará este ano para aprender como operar no Delaware, em seguida, avaliar e seguir em frente.

"Eu meio que trabalhei (Kittatinny) toda a minha vida", disse Dave Jones. Ele disse que ele e seu parceiro Jacque Keough decidiram que "era hora de Kittatinny se tornar um lugar melhor". Ele disse que não havia como ver um retorno sobre um investimento futuro.

Mas, primeiro, ele disse que "finalmente conseguirá pescar no rio" e trabalhará com o novo proprietário como consultor.

Questionado sobre como sua mãe estava aceitando a venda, ele disse: "Ela sabia que era a hora. Isso é realmente uma coisa positiva."

Ele também observou que a Northgate pretende reter a maioria dos funcionários atuais e, com sua operação maior, oferecerá benefícios melhores do que ele poderia.

E, para concluir, ele disse rindo: "No ano passado, meu gramado foi aparado uma vez, eu acho. Este ano, vai ficar ótimo."


Isenção de responsabilidade

O registro ou uso deste site constitui a aceitação de nosso Acordo do Usuário, Política de Privacidade e Declaração de Cookies, e Seus Direitos de Privacidade na Califórnia (Acordo do Usuário atualizado em 01/01/21. Política de Privacidade e Declaração de Cookies atualizados em 01/05/2021).

© 2021 Advance Local Media LLC. Todos os direitos reservados (Sobre nós).
O material neste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, armazenado em cache ou usado de outra forma, exceto com a permissão prévia por escrito da Advance Local.

As regras da comunidade se aplicam a todo o conteúdo que você carrega ou de outra forma envia a este site.


Os jogadores da Kittatinny constroem um anfiteatro para contar uma boa história

Godspell significa "boa história" e é o musical selecionado para enfatizar tudo pelo que os Kittatinny Players trabalharam durante a pandemia. “Godspell: The Revival” é, verdadeiramente, uma boa história.

A música tinha mais restrições. “As artes criativas, em particular a música, foram extremamente afetadas durante a pandemia”, disse Brian Bosworth, diretor da Kittatinny Regional High School. “Tantas restrições, em termos de distanciamento social, tocar instrumentos, performar, impactam diretamente nessas disciplinas. Nosso departamento de música tem sido fenomenal no desenvolvimento de maneiras de permitir que nossos alunos tenham sucesso. Ver nossos alunos se apresentando ao ar livre em torno de nosso belo campus tem sido maravilhoso. ”

Um pequeno grupo de músicos de jazz ensaiou no pavilhão de Hampton Park ao lado da escola. Através do calor e do frio, a banda marcial e a guarda colorida treinavam para sua temporada. No final, eles regalaram os fãs com seu espírito efervescente.

“Foi divertido, apesar das mudanças, usar máscaras e ficar a dois metros de distância”, disse a junior Nora O’Keefe, membro da guarda colorida. “Foi ótimo ter uma temporada, embora tenha sido mais curta e apenas ser parte da família da banda marcial. Todos os pequenos inconvenientes valeram a pena. ”

Fall Drama praticado sob uma tenda fora do refeitório. No inverno, os jogadores fizeram seu primeiro filme.

Já que a realização de seu musical de primavera dentro de casa não permitiria grande audiência, os Players criaram um plano. Funcionários, pais e membros da comunidade se reuniram para construir um anfiteatro de madeira no topo do penhasco de frente para o campo de hóquei.

“O anfiteatro surgiu por um motivo simples: Covid”, disse Roy Chiariello, o diretor de “Godspell”.

“Era importante para mim garantir que essas crianças, especialmente os mais velhos, tivessem o maior público possível ao vivo”, disse ele. “Com a tremenda ajuda do The Kittatinny Players Booster Club e de nossos incríveis pais, o trabalho e os fundos vieram juntos. Agora nosso objetivo é ‘Se você construir, eles virão’ do filme ‘Campo dos Sonhos’. As crianças estão arrasando ”.

O público será convidado a praticar o distanciamento social e usar máscara em todos os momentos, como os jogadores fazem. Na segunda-feira, o governador Murphy aumentou os limites de reunião ao ar livre de 200 para 500.

“As crianças realmente progrediram, entendem o que está em jogo, conhecem o trabalho envolvido em atuar de acordo com nossos padrões, então todos eles começaram a trabalhar”, disse Chiariello.

O calouro Colin Webb está desempenhando o papel de um discípulo adicional. “Os jogadores do Kittanniny estão indo muito bem em termos de Covid”, disse ele. “Sempre colocamos nossas máscaras e fazemos pausas para que eles limpem o ambiente que usamos. Estou feliz que eles puderam fazer isso, e o anfiteatro ao ar livre é incrível. Estou feliz que eles tenham encontrado uma maneira tão criativa de nos apresentarmos. ”

“Godspell” foi selecionado porque não há pistas. São 13 atores, vezes dois para os dois elencos separados, disse Chiariello. As crianças “floresceram sendo verdadeiramente iguais”, disse ele.

O Kittatinny Players Booster Club é uma organização sem fins lucrativos composta por nove pais motivados que se reúnem uma vez por mês para atender às necessidades do programa de teatro, disse a co-presidente Angelynn Rittweger. O grupo está apresentando "An Evening Under the Stars" no Andre’s Lakeside Dining em 18 de maio. Ele apresentará "Mensagens do Céu" com a médium espiritual Catherine McCall, um leilão silencioso, música ao vivo e jantar. Os rendimentos irão apoiar a produção de “Godspell”, bem como o Fundo de Bolsas de Estudo, disse o copresidente Courtney Ricard.

“Nada impede essas crianças”, disse Cheryl Williver, uma mãe de jogadores. “Desde treinar sob uma tenda com máscaras, em tempo ruim para Fall Drama, até fazer o primeiro filme de Players, eles fizeram acontecer. Então, ensaiando para ‘Godspell’ começando no inverno, eles têm praticado seis dias por semana, como sempre. Ambos os elencos vão colocar o público de pé. ”


Conteúdo

Edição dos precursores

No melhor livro sobre asma do século 19, publicado pela primeira vez em 1860, [2] o médico e fisiologista britânico Henry Hyde Salter (1823-1871) incluiu um capítulo sobre o tratamento ″ por estimulantes ″. O café forte foi muito útil, provavelmente porque dissipou o sono, o que favoreceu a asma. Ainda mais impressionante, no entanto, foi a resposta à ″ forte emoção mental ″: ″ A cura da asma pela emoção violenta é mais repentina e completa do que por qualquer outro remédio, na verdade, sei poucas coisas mais impressionantes e curiosas em toda a história da terapêutica. . A cura . não leva tempo, é instantâneo, o paroxismo mais intenso cessa no instante. ″ ″ Cura ″ devido à liberação de adrenalina das supra-renais é a interpretação retrospectiva.

Ao mesmo tempo em que Salter involuntariamente fazia uso da medula supra-renal, o médico francês Alfred Vulpian descobriu que havia algo de único nela: [3] o material raspado ficava verde quando o cloreto férrico era adicionado. Isso não ocorreu com o córtex adrenal nem com qualquer outro tecido. A medula adrenal, portanto, continha "une matière spéciale, inconnue jusqu’ici et qui constitue le signe particulier de ces organes"(" um material especial, desconhecido daqui em diante e que constitui o sinal particular desses órgãos "). Vulpian chegou a perceber que a substância entrou"le torrent circulatoire"(" a torrente circulatória "), pois o sangue das veias adrenais produziu a reação do cloreto férrico.

No início da década de 1890, o farmacologista alemão Carl Jacobj (1857–1944), no laboratório de Oswald Schmiedeberg em Estrasburgo, estudou a relação entre as supra-renais e o intestino. A estimulação elétrica do nervo vago ou injeção de peristaltismo induzida por muscarina. Este peristalis foi prontamente abolido pela estimulação elétrica das supra-renais. [4] O experimento foi chamado de "a primeira demonstração indireta do papel da medula adrenal como órgão endócrino & ltand & gt, na verdade, uma demonstração mais sofisticada da função medular adrenal do que o estudo clássico de Oliver e Schäfer". [5] Embora isso possa ser verdade, Jacobj não previu um sinal químico secretado no sangue para influenciar órgãos distantes, em outras palavras, um hormônio, mas nervos correndo das supra-renais para o intestino, "Hemmungsbahnen für die Darmbewegung".

Oliver e Schäfer 1893/94 Editar

George Oliver era um médico que trabalhava na cidade termal de Harrogate, em North Yorkshire. Edward Albert Schäfer foi Professor de Fisiologia na University College London. Em 1918, ele prefixou o sobrenome de seu professor de fisiologia William Sharpey para se tornar Edward Albert Sharpey Schafer. A história canônica, contada por Henry Hallett Dale, que trabalhou na University College London de 1902 a 1904, é a seguinte: [6]

Disseram-me que o Dr. Oliver ... tinha um gosto e um ′ talento ′ para a invenção de aparelhos simples, com os quais observações e experiências podiam ser feitas em seres humanos. O Dr. Oliver havia inventado um pequeno instrumento com o qual afirmava ser capaz de medir, através da pele intacta, o diâmetro de uma artéria viva, como a artéria radial no pulso. Ele parece ter usado sua família em seus experimentos, e um filho jovem foi o assunto de uma série, na qual o Dr. Oliver mediu o diâmetro da artéria radial e observou o efeito da injeção de extratos de várias glândulas animais sob a pele. . (…) Podemos imaginar, então, o professor Schafer, no antigo laboratório de fisiologia da University College, (…) terminando um experimento de algum tipo, no qual estava registrando a pressão arterial de um cão anestesiado. ... Para ele, entra o Dr. Oliver, com a história dos experimentos em seu filho e, em particular, com a declaração de que a injeção sob a pele de um extrato de glicerina da glândula suprarrenal do bezerro foi seguida por um estreitamento definitivo da artéria radial. Diz-se que o professor Schafer foi totalmente cético e atribuiu a observação à auto-ilusão. ... Ele dificilmente pode ser culpado, acho que sabendo até mesmo o que sabemos agora sobre a ação deste extrato, qual de nós estaria preparado para acreditar que injetá-lo sob a pele de um menino faria com que sua artéria radial se tornasse mensuravelmente mais delgada? O Dr. Oliver, porém, é persistente ele ... sugere que, pelo menos, não fará mal injetar na circulação, pela veia, um pouco do extrato supra-renal, que ele tira do bolso. Então o Professor Schafer faz a injeção, esperando uma demonstração triunfante de nada, e se vê de pé ′ como um observador dos céus, quando um novo planeta nada em seu alcance, ′ observando o mercúrio subir no manômetro com incrível rapidez e de forma estonteante altura.

Por mais que essa história tenha sido reiterada, não há dúvidas. O próprio Dale disse que foi transmitido no University College e mostrou alguma surpresa que a constrição da artéria radial era mensurável. Dos descendentes de Oliver, nenhum lembrava de experiências com seu filho. [7] O relatório de Dale sobre injeções subcutâneas contradiz as partes interessadas. Oliver: [8] “Durante o inverno de 1893-4, enquanto processava um inquérito sobre ... agentes que variam o calibre de ... artérias ... descobri que a administração pela boca de um extrato de glicerina das supra-renais de ovelhas e bezerros produziu uma ação constritiva acentuada nas artérias. ” Schäfer: [9] “No outono de 1893, chamou-me em meu laboratório no University College um cavalheiro que era pessoalmente desconhecido para mim. ... descobri que meu visitante era o Dr. George Oliver, & ltwho & gt desejava discutir comigo os resultados que ele vinha obtendo da exposição pela boca de extratos de certos tecidos animais, e os efeitos que estes tinham produzido em suas mãos os vasos sanguíneos do homem. ” Os efeitos sistêmicos da adrenalina administrada por via oral são altamente improváveis. Portanto, os detalhes do texto canônico podem ser lendas.

Em 10 de março de 1894, Oliver e Schäfer apresentaram suas descobertas à Physiological Society em Londres. [10] Um relato de 47 páginas seguiu um ano depois, no estilo da época sem estatísticas, mas com a descrição precisa de muitos experimentos individuais e 25 gravações em tambores fumados do quimógrafo, mostrando, além do aumento da pressão arterial, bradicardia reflexa e contração do baço. [11] ″ Parece ser estabelecido como resultado dessas investigações que. as cápsulas supra-renais devem ser consideradas, embora sem dutos, como glândulas estritamente secretoras. O material que eles formam e que se encontra, pelo menos em seu estado de plena atividade, apenas na medula da glândula, produz efeitos fisiológicos notáveis ​​no tecido muscular em geral, e especialmente no coração e nas artérias. Sua ação. é produzido principalmente, senão inteiramente, por ação direta. ″

Os relatórios criaram sensação. Oliver não demorou a experimentar extratos adrenais em pacientes, por via oral novamente e bastante indiscriminadamente, da doença de Addison, hipotensão (″ perda do tônus ​​vasomotor ″), diabetes mellitus e diabetes insipidus à doença de Graves (″ bócio exoftálmico ″). [8] Parece que ele aderiu às idéias contemporâneas de organoterapia, acreditando que substâncias poderosas existiam nos tecidos e deveriam ser descobertas para uso medicinal. [12] Na verdade, ele imediatamente extraiu a glândula pituitária e, novamente com Schäfer, descobriu a vasopressina. [13] Em 1903, a adrenalina, entretanto purificada, foi usada pela primeira vez na asma. O uso foi baseado, não no efeito broncodilatador, que foi descoberto posteriormente, [14] [15], mas no efeito vasoconstritor, que se esperava para aliviar a “turgidez da mucosa brônquica” - presumivelmente congestão vascular e edema. [16] Também a partir de 1903, adrenalina foi adicionada às soluções anestésicas locais. O cirurgião Heinrich Braun em Leipzig mostrou que prolongou a anestesia no local da injeção e simultaneamente reduziu os efeitos ″ sistêmicos ″ em outras partes do corpo. [17]

Descobridores independentes Editar

Um ano depois de Oliver e Schäfer, Władysław Szymonowicz (1869–1939) e Napoleon Cybulski da Universidade Jagiellonian em Cracóvia relataram resultados e conclusões essencialmente semelhantes. Em um aspecto, eles foram além do trabalho na Inglaterra: o sangue das veias adrenais causou hipertensão quando injetado por via intravenosa em um cão receptor, enquanto o sangue de outras veias não, mostrando que a substância pressora adrenal foi de fato secretada no sangue e confirmando Vulpian. [18] Os autores poloneses reconheceram livremente a prioridade de Oliver e Schäfer, e os autores britânicos reconheceram a independência de Szymonowicz e Cybulski. A principal diferença estava na localização da ação: para a periferia por Oliver e Schäfer mas, erroneamente, para o sistema nervoso central por Szymonowicz e Cybulski.

Outro ano depois, o oftalmologista americano William Bates, talvez motivado como Oliver, instilou extratos adrenais no olho, descobriu que ″ a conjuntiva do globo e as pálpebras branquearam em poucos minutos ″, explicou corretamente o efeito da vasoconstrição, e administrou os extratos em várias doenças oculares. [19] A literatura posterior sobre catecolaminas não fez justiça a ele. Até um artigo de revisão oftalmológica de 1905 o menciona apenas de passagem. [20]

Em 1897, John Jacob Abel em Baltimore purificou parcialmente os extratos adrenais ao que chamou de "epinefrina", [21] e Otto von Fürth em Estrasburgo ao que chamou de "Suprarenina". [22] O químico japonês Jōkichi Takamine, que montou seu próprio laboratório em Nova York, inventou um novo procedimento de isolamento e o obteve na forma de cristal puro em 1901 [23] e providenciou para que Parke-Davis o comercializasse como "Adrenalina", escrito sem o terminal “e”. Em 1903, descobriu-se que a adrenalina natural era opticamente ativa e levógira; em 1905, a síntese do racemato foi realizada por Friedrich Stolz na Hoechst AG em Höchst (Frankfurt am Main) e por Henry Drysdale Dakin na Universidade de Leeds, em 1906 o químico estrutura foi elucidada por Ernst Joseph Friedmann (1877–1956) em Estrasburgo, [24] e em 1908 o enantiômero dextrorotário mostrou-se quase inativo por Arthur Robertson Cushney (1866–1926) na Universidade de Michigan, levando-o a concluir brilhantemente que ″ a 'substância receptiva' afetada pela adrenalina ″ é capaz de discriminar entre os isômeros ópticos e, portanto, ela mesma opticamente ativa. [25] No geral, 32 designações foram cunhadas, das quais “adrenalina”, preferida no Reino Unido, e “epinefrina”, preferida nos Estados Unidos, persistem como nomes genéricos na literatura científica. [26]

Um novo capítulo foi aberto quando Max Lewandowsky em 1899 em Berlim observou que os extratos adrenais agiam no músculo liso do olho e na órbita dos gatos - como o músculo dilatador da íris e a membrana nictitante - da mesma forma que a estimulação do nervo simpático. [27] A correspondência foi estendida por John Newport Langley e, sob sua supervisão, Thomas Renton Elliott em Cambridge. Em quatro artigos no volume 31, 1904, do Journal of Physiology Elliott descreveu as semelhanças órgão por órgão. Sua hipótese visionária está no resumo de uma apresentação à Sociedade Fisiológica de 21 de maio de 1904, pouco mais de dez anos após a apresentação de Oliver e Schäfer: [28] ″ A adrenalina não excita os gânglios simpáticos quando aplicada a eles diretamente, como a nicotina . Sua ação efetiva é localizada na periferia. . Acho isso mesmo depois. desnervação completa, seja de três dias ou dez meses de duração, o músculo liso da pupila dilatadora responderá à adrenalina, e isso com maior rapidez e persistência mais longa do que a íris cujas relações nervosas não estão feridas. Portanto, não pode ser que a adrenalina excite qualquer estrutura derivada do neurônio periférico e dependente para sua persistência. . O ponto em que o estímulo do excitante químico é recebido e transformado no que pode causar a mudança de tensão da fibra muscular é talvez um mecanismo desenvolvido a partir da célula muscular em resposta à sua união com a fibra simpática sinapsular, a função que é receber e transformar o impulso nervoso. A adrenalina pode então ser o estimulante químico liberado em cada ocasião em que o impulso chega à periferia. ″ O resumo é a ″ certidão de nascimento ″ da neurotransmissão química. [29] Elliott nunca foi tão explícito novamente. Parece que ele ficou desanimado com a falta de uma resposta favorável de seus superiores, Langley em particular, e alguns anos depois ele abandonou a pesquisa fisiológica.

O avanço para a neurotransmissão química veio quando, em 1921, Otto Loewi em Graz demonstrou o ″ humorale Übertragbarkeit der Herznervenwirkung ″ em anfíbios. [30] Vagusstoff inibição transmitida dos nervos vagos, e Acceleransstoff estimulação transmitida dos nervos simpáticos para o coração. [31] Loewi levou alguns anos para se comprometer com respeito à natureza do Stoffe, mas em 1926 ele tinha certeza de que Vagusstoff era acetilcolina, e em 1936 ele escreveu: [32] ″ Não hesito mais em identificar o Sympathicusstoff com adrenalina. ″

Ele teve sorte na última afirmação. Na maioria dos órgãos anfíbios, incluindo o coração, a concentração de adrenalina excede em muito a da noradrenalina, e a adrenalina é de fato o principal transmissor. Em mamíferos, entretanto, surgiram dificuldades. Em um estudo abrangente de estrutura-atividade de compostos semelhantes à adrenalina, Dale e o químico George Barger em 1910 apontaram que a hipótese de Elliott assumia um paralelismo mais estrito entre os efeitos dos impulsos nervosos simpáticos e da adrenalina do que realmente existia. [33] Por exemplo, os impulsos simpáticos compartilham os efeitos contráteis da adrenalina no trígono, mas não os efeitos relaxantes no fundo da bexiga urinária do gato. A este respeito, o ″ amino-etanol-catecol ″ - noradrenalina - imitou os nervos simpáticos mais de perto do que a adrenalina. O fisiologista da Harvard Medical School Walter Bradford Cannon, que popularizou a ideia de um sistema simpático-adrenal preparando o corpo para a luta e a fuga, e seu colega Arturo Rosenblueth desenvolveram uma elaborada, mas ″ queer ″ [34] teoria de dois simpatinos, simpatizante E (excitatório) e simpatizo eu (inibitório). O farmacologista belga Zénon Bacq, bem como farmacologistas canadenses e americanos entre 1934 e 1938, sugeriram que a noradrenalina pode ser o - ou pelo menos um - transmissor simpático pós-ganglionar. [34] [35] No entanto, nada definitivo foi trazido à luz até depois da guerra. Nesse ínterim, Dale criou uma terminologia que, desde então, imprimiu o pensamento dos neurocientistas: que as células nervosas devem receber o nome de seu transmissor, ou seja, colinérgico se o transmissor era ″ uma substância como acetilcolina ", e adrenérgico se fosse ″ alguma substância como a adrenalina ″. [36]

Em 1936, o ano da aceitação final de Loewi da adrenalina como o transmissor simpático (anfíbio), Dale e Loewi receberam o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina ″ Para as suas descobertas relacionadas com a transmissão química dos impulsos nervosos ″.

″ Nosso conhecimento moderno da via biossintética das catecolaminas começa em 1939, com a publicação de um artigo de Peter Holtz e seus colegas: eles descreveram a presença nos rins da cobaia de uma enzima que chamaram de dopa descarboxilase, porque catalisava a formação de dopamina e dióxido de carbono a partir do aminoácido L-dopa. ″ O bioquímico alemão-britânico Hermann Blaschko (1900-1993), que em 1933 havia deixado a Alemanha porque era judeu, escreveu isso em 1987 em Oxford, relembrando “Meio século de pesquisas sobre a biossíntese de catecolaminas”. [37] O artigo de Peter Holtz (1902–1970) e seus colegas de trabalho originou-se do Instituto de Farmacologia de Rostock. [38] Já naquele mesmo ano de 1939, tanto Blaschko, [39] então em Cambridge, e Holtz [40] em Rostock, previram toda a sequência tirosina → l-DOPA → oxitiramina = dopamina → noradrenalina → adrenalina. Edith Bülbring, que também fugiu do racismo nacional-socialista em 1933, demonstrou metilação de noradrenalina em adrenalina no tecido adrenal em Oxford em 1949, [41] e Julius Axelrod detectou feniletanolamina N-metiltransferase em Bethesda, Maryland em 1962. [42] as enzimas restantes, tirosina hidroxilase e dopamina β-hidroxilase, também foram caracterizadas por volta de 1960.

Mesmo antes de contribuir para o caminho de formação, Blaschko descobriu um mecanismo de destruição. Uma enzima tiramina oxidase descrito em 1928 [43] também oxidou dopamina, noradrenalina e adrenalina. [44] Mais tarde foi nomeado monoamina oxidase. Isso pareceu esclarecer o destino das catecolaminas no corpo, mas em 1956 Blaschko sugeriu que, como a oxidação era lenta, “outros mecanismos de inativação ... terão um papel importante. Aqui está uma lacuna em nosso conhecimento que ainda precisa ser preenchida. ” [35] Em um ano, Axelrod estreitou a lacuna, mostrando que a dopamina, a noradrenalina e a adrenalina eram O-metiladas pela catecol-O-metil transferase. [45] Para preencher a lacuna completamente, no entanto, o papel das membranas teve que ser apreciado (veja abaixo).

Graças a Holtz e Blaschko, ficou claro que os animais sintetizavam a noradrenalina. O que faltava para atribuir-lhe um papel de transmissor era a prova de sua presença nos tecidos em concentrações efetivas e não apenas como intermediário de curta duração. Em 16 de abril de 1945, Ulf von Euler do Karolinska Institutet em Estocolmo, que já havia descoberto ou co-descoberto a substância P e as prostaglandinas, submeteu-se a Natureza o primeiro de uma série de artigos que deram essa prova. [46] Depois de muitos bioensaios e ensaios químicos em extratos de órgãos, ele concluiu [47] que os tecidos simpaticamente inervados de mamíferos, bem como, em pequenas quantidades, o cérebro, mas não a placenta livre de nervos, continham noradrenalina e que a noradrenalina era o simpatizante de Cannon e Rosenblueth, o ″ transmissor fisiológico da ação nervosa adrenérgica em mamíferos ″. O excesso de noradrenalina no sangue venoso do baço do gato após estimulação do nervo simpático dois anos depois confirmou a conclusão. [48] ​​Em corações de anfíbios, por outro lado, o papel transmissor da adrenalina foi confirmado. [47]

A guerra impediu que Peter Holtz e seu grupo em Rostock fossem reconhecidos lado a lado com von Euler como descobridores do segundo transmissor de catecolaminas noradrenalina. A abordagem deles era diferente. Eles procuraram catecolaminas na urina humana e encontraram um material que aumenta a pressão arterial Urosimpathin que eles identificaram como uma mistura de dopamina, noradrenalina e adrenalina. [49] “Quanto à origem do Urosimpathin gostaríamos de sugerir o seguinte. A dopamina na urina é a fração que não foi consumida para a síntese de simpatizante E e eu. … Sympathin E e eu, ou seja, noradrenalina e adrenalina, são liberadas na região das terminações nervosas simpáticas quando estas estão excitadas. ” O manuscrito foi recebido por Springer-Verlag em Leipzig em 8 de outubro de 1944. Em 15 de outubro, a gráfica em Braunschweig foi destruída por um ataque aéreo. A publicação foi adiada para o volume 204, 1947, de Naunyn-Schmiedebergs Archiv für Pharmakologie und Experimentelle Pathologie. [49] Peter Holtz mais tarde citou o artigo como ″ Holtz et al. 1944/47 ″ ou ″ Holtz, Credner e Kroneberg 1944/47 ″.

Lembrando-se da análise de estrutura-atividade dele e de Barger de 1910, [33] Dale escreveu em 1953: [50] "Sem dúvida, eu deveria ter visto que a nor-adrenalina pode ser o principal transmissor - que a teoria de Elliott pode estar certa em princípio e falha apenas neste detalhe. ... É fácil, claro, ser sábio à luz dos fatos recentemente descobertos sem eles. Eu falhei em pular para a verdade, e dificilmente posso reclamar o crédito por ter rastejado tão perto e depois parado perto disso. ”

A próxima etapa levou ao sistema nervoso central. Foi levado por Marthe Vogt, uma refugiada da Alemanha que na época trabalhava com John Henry Gaddum no Instituto de Farmacologia da Universidade de Edimburgo. ″ A presença de noradrenalina e adrenalina no cérebro foi demonstrada por von Euler (1946) e Holtz (1950). Supunha-se que essas substâncias, sem dúvida corretamente, ocorressem nos nervos vasomotores & lt = vasoconstritores & gt cerebrais. O presente trabalho se preocupa com a questão de saber se essas aminas simpatomiméticas, além de seu papel como transmissores nas terminações vasomotoras, desempenham um papel na função do próprio tecido nervoso central. Neste artigo, essas aminas serão referidas como simpatizante, uma vez que foi descoberto que eles ocorrem invariavelmente juntos, com a noradrenalina representando o componente principal, como é característico do transmissor do sistema simpático periférico. ″ [51] Vogt criou um mapa detalhado da noradrenalina no cérebro do cão. Sua distribuição desigual, não refletindo a distribuição dos nervos vasomotores, e sua persistência após a remoção dos gânglios cervicais superiores tornavam ″ tentador atribuir ao cérebro simpatizante um papel de transmissor como aquele que atribuímos ao simpatizante encontrado nos gânglios simpáticos e suas fibras pós-ganglionares. ″ Sua tarefa foi confirmada, o toque final sendo a visualização da noradrenalina, bem como adrenalina e (veja abaixo) vias de dopamina no sistema nervoso central por Annica Dahlström e Kjell Fuxe [sv] com o método de fluorescência de formaldeído desenvolvido por Nils-Åke Hillarp (1916–1965) e Bengt Falck (nascido em 1927) na Suécia e por técnicas de imunoquímica. [52]

Como a noradrenalina é um intermediário no caminho para a adrenalina, a dopamina está no caminho para a noradrenalina (e portanto a adrenalina). Em 1957, a dopamina foi identificada no cérebro humano pela pesquisadora Katharine Montagu. Em 1958/59, Arvid Carlsson e seu grupo no Departamento de Farmacologia da Universidade de Lund, incluindo os estudantes de medicina Åke Bertler e Evald Rosengren, não apenas encontraram dopamina no cérebro, mas também - como a noradrenalina no estudo exemplar de Marthe Vogt - em irregular distribuição, bastante diferente da distribuição da noradrenalina. Isso defendia uma função além de um intermediário. A concentração foi maior no corpo estriado, que continha apenas traços de noradrenalina. O grupo de Carlsson já havia descoberto que a reserpina, que era conhecida por causar a síndrome de Parkinsonismo, empobrecia a dopamina (assim como a noradrenalina e a serotonina) do cérebro. Eles concluíram que ″ a dopamina está relacionada com a função do corpo estriado e, portanto, com o controle da função motora ″. [53] [54] Assim, pela primeira vez, o parkinsonismo induzido pela reserpina em animais de laboratório e, por implicação, a doença de Parkinson em humanos foi relacionado à depleção de dopamina estriatal. Um ano depois, Oleh Hornykiewicz, que foi introduzido à dopamina por Blaschko e estava realizando uma reação de cor em extratos de corpo estriado humano no Instituto Farmacológico da Universidade de Viena, viu a deficiência de dopamina no cérebro na doença de Parkinson ″ com & lthis & gt pelado olho: Em vez da cor rosa dada pelas concentrações comparativamente altas de dopamina nas amostras de controle, os frascos de reação contendo os extratos do corpo estriado da doença de Parkinson dificilmente apresentavam uma coloração rosa ″. [55] [56]

Em 1970, von Euler e Axelrod foram dois dos três vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina, "Por suas descobertas sobre os transmissores humorais nos terminais nervosos e o mecanismo para seu armazenamento, liberação e inativação", e em 2000 Carlsson foi um dos três vencedores que recebeu o prêmio "por suas descobertas sobre a transdução de sinal no sistema nervoso" .

As membranas desempenham um papel duplo para as catecolaminas: as catecolaminas devem passar através das membranas e transmitir sua mensagem química aos receptores de membrana.

As catecolaminas são sintetizadas no interior das células e sequestradas em vesículas intracelulares. Isso foi mostrado pela primeira vez por Blaschko e Arnold Welch (1908–2003) em Oxford [57] e por Hillarp e seu grupo em Lund [58] para a medula adrenal e mais tarde para os nervos simpáticos [59] e o cérebro. [60] Além disso, as vesículas continham trifosfato de adenosina (ATP), com uma proporção molar de noradrenalina: ATP em vesículas nervosas simpáticas de 5,2: 1, conforme determinado por Hans-Joachim Schümann (1919-1998) e Horst Grobecker (nascido em 1934) em Peter Grupo Holtz ′ na Goethe University Frankfurt.[61] Blaschko e Welch se perguntaram como as catecolaminas escapavam quando os impulsos nervosos atingiam as células. [57] A exocitose não estava entre as possibilidades que eles consideraram. Exigia a analogia da liberação ″ quantal ″ da acetilcolina na junção neuromuscular mostrada por Bernard Katz, terceiro vencedor da década de 1970 Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina a demonstração da co-liberação com catecolaminas de outros constituintes da vesícula, como ATP e dopamina β-hidroxilase e as inquestionáveis ​​imagens microscópicas de elétrons de vesículas se fundindo com a membrana celular [62] - para estabelecer a exocitose.

A acetilcolina, uma vez liberada, é degradada no espaço extracelular pela acetilcolinesterase, que fica de frente para esse espaço. No caso das catecolaminas, entretanto, as enzimas de degradação monoamina oxidase e catecol-O-metil transferase, como as enzimas de síntese, são intracelulares. Não o metabolismo, mas a absorção através das membranas celulares, portanto, é o meio principal de sua eliminação do espaço extracelular. Os mecanismos foram decifrados a partir de 1959. O grupo de Axelrod em Bethesda desejava esclarecer o destino in vivo das catecolaminas usando catecolaminas marcadas radioativamente de alta atividade específica, que acabavam de ser disponibilizadas. A 3H-adrenalina e a 3H-noradrenalina administradas por via intravenosa a gatos foram parcialmente O-metiladas, mas outra parte foi absorvida pelos tecidos e armazenada inalterada. [63] [64] Erich Muscholl (nascido em 1926) em Mainz, que havia trabalhado com Marthe Vogt em Edimburgo, desejava saber como a cocaína sensibilizava os tecidos às catecolaminas - um mecanismo fundamental de ação da cocaína descoberto por Otto Loewi e Alfred Fröhlich em 1910 em Viena. [65] A noradrenalina intravenosa foi absorvida pelo coração e baço de ratos, e a cocaína evitou a absorção ″, aumentando assim a quantidade de noradrenalina disponível para combinação com os receptores adrenérgicos ″. [66] A captação de 3H-noradrenalina foi gravemente prejudicada após a simpatectomia, indicando que ocorreu principalmente nos terminais nervosos simpáticos. Em apoio a isso, Axelrod e Georg Hertting (nascido em 1925) mostraram que a 3H-noradrenalina recém-incorporada foi liberada novamente do baço do gato quando os nervos simpáticos foram estimulados. [67] Alguns anos depois, Leslie Iversen (nascido em 1937) em Cambridge descobriu que outras células também absorviam catecolaminas. Ele chamou a captação em neurônios noradrenérgicos, que eram sensíveis à cocaína, captar1 e absorção em outras células, que eram resistentes à cocaína, captar2. Com a captação sensível à reserpina do citoplasma para as vesículas de armazenamento, havia, portanto, três mecanismos de passagem da membrana de catecolamina. O livro de Iversen de 1967 “The Uptake and Storage of Noradrenaline in Sympathetic Nerves” foi um sucesso, [68] mostrando o fascínio do campo e sua rica farmacologia.

Com o advento da genética molecular, os três mecanismos de transporte foram rastreados até as proteínas e seus genes desde 1990. Eles agora compreendem a membrana plasmática transportador de noradrenalina (NAT ou NET), a aceitação clássica1, e o análogo transportador de dopamina (DAT) a membrana plasmática transportador extraneuronal de monoamina ou transportador de cátion orgânico 3 (EMT ou SLC22A3), captação de Iversen2 e a transportador vesicular de monoamina (VMAT) com duas isoformas. Transportadores e enzimas intracelulares, como a monoamina oxidase operando em série, constituem o que o farmacologista Ullrich Trendelenburg, da Universidade de Würzburg, chamou sistemas de metabolização. [69]

A pesquisa sobre as catecolaminas foi entrelaçada com a pesquisa sobre seus receptores. Em 1904, Dale tornou-se chefe do Wellcome Physiological Research Laboratory em Londres e começou a pesquisar extratos de ergotina. A relevância de sua comunicação em 1906 [71] ″ Sobre algumas ações fisiológicas da cravagem ″ reside menos nos efeitos dos extratos dados isoladamente do que em sua interação com a adrenalina: eles reverteram o efeito pressor normal da adrenalina para um efeito depressor e normal efeito de contração no útero da gata que está grávida no início do período para relaxamento: reversão de adrenalina. Os efeitos da pressão e da contração uterina dos extratos hipofisários, em contraste, permaneceram inalterados, assim como os efeitos da adrenalina no coração e os efeitos da estimulação nervosa parassimpática. Dale viu claramente a especificidade do efeito ″ paralítico ″ (antagonista) do ergot para ″ as chamadas junções mioneurais conectadas com a verdadeira divisão simpática ou torácico-lombar do sistema nervoso autônomo ″ - os adrenoceptores. Ele também viu sua especificidade para as ″ junções mioneurais ″ mediando a contração do músculo liso em oposição àquelas mediadoras do relaxamento do músculo liso. Mas aí ele parou. Ele não concebeu nenhuma relação estreita entre os locais de ação inibitória do músculo liso e os locais cardíacos das catecolaminas.

Os receptores de catecolaminas persistiram nesse estado oscilante por mais de quarenta anos. Agentes bloqueadores adicionais foram encontrados, como a tolazolina na Suíça [72] e a fenoxibenzamina nos Estados Unidos, [73] mas, como os alcalóides da cravagem, eles bloquearam apenas os receptores excitatórios do músculo liso. Agonistas adicionais também foram sintetizados. Destacou-se entre eles a isoprenalina, N-isopropil-noradrenalina, de Boehringer Ingelheim, estudada farmacologicamente junto com adrenalina e outros derivados de noradrenalina N-substituídos por Richard Rössler (1897-1945) e Heribert Konzett (1912-2004) em Viena. Os farmacologistas vienenses usaram seus próprios Teste Konzett-Rössler para examinar a broncodilatação. [74] A injeção intravenosa de pilocarpina para induzir broncoespasmo foi seguida por injeção intravenosa dos agonistas. “O arranjo de todas as aminas de acordo com seu efeito broncodilatador produz uma série da mais potente, isopropil-adrenalina, via corpos aproximadamente equipotentes adrenalina, propil-adrenalina e butil-adrenalina, até a fracamente ativa isobutil-adrenalina.” [75] A isoprenalina também exerceu efeitos cronotrópicos e inotrópicos positivos marcantes. A Boehringer o introduziu para uso na asma em 1940. Após a guerra, ele se tornou disponível para os antigos inimigos da Alemanha e ao longo dos anos foi comercializado com cerca de 50 nomes. Além desse sucesso terapêutico, foi um dos agonistas com que Raymond P. Ahlquist resolveu o enigma da ″ junção mioneural ″. “Em virtude dessa propriedade, a reputação da substância se espalhou pelo mundo e se tornou uma ferramenta para muitas investigações em diferentes aspectos da farmacologia e da terapêutica.” [76] A história tinha um lado negro: a sobredosagem causou inúmeras mortes devido a efeitos colaterais cardíacos, um número estimado de três mil só no Reino Unido. [77]

Ahlquist foi chefe do Departamento de Farmacologia da University of Georgia School of Medicine, agora Georgia Regents University. Em 1948 ele viu o que havia escapado de Dale em 1906. “Os receptores adrenotrópicos foram considerados de duas classes, aqueles cuja ação resulta em excitação e aqueles cuja ação resulta na inibição das células efetoras. Os experimentos descritos neste artigo indicam que, embora existam dois tipos de receptores adrenotrópicos, eles não podem ser classificados simplesmente como excitatórios ou inibidores, pois cada tipo de receptor pode ter qualquer ação dependendo de onde for encontrado. ” [78] Ahlquist escolheu seis agonistas, incluindo adrenalina, noradrenalina, α-metilnoradrenalina e isoprenalina, e examinou seus efeitos em vários órgãos. Ele descobriu que as seis substâncias possuíam duas - e apenas duas - ordens de potência nesses órgãos. Por exemplo, a ordem de classificação da potência foi ″ adrenalina & gt noradrenalina & gt α-metilnoradrenalina & gt isoprenalina ″ na promoção da contração dos vasos sanguíneos, mas ″ isoprenalina & gt adrenalina & gt α-metilnoradrenalina & gt noradrenalina ″ na estimulação do coração. O receptor com a primeira ordem de classificação (por exemplo, para a contração dos vasos sanguíneos), ele chamou receptor alfa adrenotrópico (agora α-adrenoceptor ou receptor α-adrenérgico), enquanto o receptor com a segunda ordem de classificação (por exemplo, para estimulação do coração, mas também para broncodilatação), ele chamou receptor beta adrenotrópico (agora β-adrenoceptor ou receptor β-adrenérgico) ″ Este conceito de dois tipos fundamentais de receptores é diretamente oposto ao conceito de duas substâncias mediadoras (simpatizante E e simpatizo eu) conforme proposto por Cannon e Rosenblueth e agora amplamente citado como "lei" da fisiologia. . Existe apenas um neuro-hormônio adrenérgico, ou simpatizante, e essa simpatizante é idêntico à epinefrina. ” [78]

A névoa em torno dos receptores foi, portanto, dissipada. No entanto, talvez porque Ahlquist rejeitou Cannon e Rosenblueth de maneira bastante severa, seu manuscrito foi rejeitado pelo Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics e apenas em uma segunda submissão aceita pelo American Journal of Physiology.

Em retrospecto, embora Ahlquist estivesse certo em seu postulado ″ um transmissor - dois receptores ″, ele errou na identificação do transmissor com a adrenalina. Existe uma qualificação adicional. Para muitas respostas à estimulação do nervo simpático, o ATP co-armazenado com noradrenalina (veja acima) é um cotransmissor. Atua por meio de purinoceptores. [79] Por último, Ahlquist falhou em aduzir a seletividade de todos os antagonistas conhecidos em sua época para o α-adrenoceptor como um argumento adicional.

A terminologia α, β inicialmente demorou a se espalhar. Isso mudou com duas publicações em 1958. Na primeira, do Lilly Research Laboratories, a dicloroisoprenalina bloqueou seletivamente alguns efeitos inibitórios do músculo liso da adrenalina e da isoprenalina [80]. Na segunda, bloqueou os efeitos excitatórios cardíacos da adrenalina e da isoprenalina também. [81] No primeiro, que não menciona Ahlquist, a dicloroisoprenalina bloqueou ″ certos locais dos receptores inibitórios adrenérgicos ″, mas no segundo os resultados ″ apoiam o postulado de Ahlquist (1948) de que os receptores inibitórios adrenotrópicos e os receptores adrenérgicos cronotrópicos e inotrópicos cardíacos são funcionalmente idênticos, ou seja, ambos são receptores do tipo beta. ... É sugerido que esta terminologia seja estendida ao reino dos bloqueadores adrenérgicos, por exemplo, que os bloqueadores sejam designados de acordo com o receptor para o qual têm maior afinidade, como bloqueadores alfa ou beta adrenérgicos. ”

Dicloroisoprenalina foi a primeira betabloqueador ele retém alguma atividade intrínseca. O pronethalol veio em seguida em 1962 e o propranolol em 1964, [82] ambos inventados por James Black e seus colegas na Imperial Chemical Industries Pharmaceuticals na Inglaterra. Em 1967, os β-adrenoceptores foram subdivididos em β1 e β2, [83] e um terceiro tipo β começou a ser suspeitado no final da década de 1970, principalmente nos adipócitos. [84]

Após premonições, por exemplo, no trabalho do farmacologista português Serafim Guimarães, a subclassificação dos α-adrenoceptores surgiu em 1971 com a descoberta da autorregulação da libertação de noradrenalina através dos α-adrenoceptores nos terminais sinápticos noradrenérgicos. α-autoreceptores pré-sinápticos. Sua existência foi inicialmente combatida, mas agora está estabelecida, por exemplo, pela demonstração de seu RNA mensageiro em neurônios noradrenérgicos. [85] [86] [87] Eles diferiram dos receptores α nas células efetoras e, em 1974, tornaram-se o protótipo α2-receptores, os receptores mediadores da contração do músculo liso, há muito conhecidos, tornando-se α1. [88]

Mesmo antes de a dopamina ser identificada como o terceiro transmissor de catecolamina, Blaschko suspeitou que ela pudesse possuir receptores próprios, uma vez que Peter Holtz e seu grupo em 1942 descobriram que pequenas doses de dopamina baixavam a pressão arterial de coelhos e cobaias, enquanto a adrenalina sempre aumentava a pressão arterial. [89] Holtz errou em sua interpretação, mas Blaschko não tinha ″ nenhuma dúvida de que suas observações são da maior importância histórica, como a primeira indicação de uma ação da dopamina que característica e especificamente difere daquelas das outras duas catecolaminas ″. [37] Uma nova investigação do efeito de redução da pressão arterial em cães em 1964 propôs ″ receptores de dopamina específicos para dilatação ″, [90] e ao mesmo tempo evidências de receptores de dopamina distintos de α- e β-adrenoceptores acumulados de outros abordagens experimentais.

Em 1986, o primeiro gene codificador de um receptor de catecolamina, o β2-adrenoceptor do pulmão de hamster, foi clonado por um grupo de dezesseis cientistas, entre eles Robert Lefkowitz e Brian Kobilka, da Duke University em Durham, Carolina do Norte. [91] Os genes para todos os receptores de catecolaminas de mamíferos já foram clonados, para os nove adrenoceptores α1A, α1B, α1D, α2A, α2B, α2C, β1, β2 e β3 e os cinco receptores de dopamina D1, D2, D3, D4 und D5. Sua estrutura fina, sem agonista ou ativada por agonista, está sendo estudada em alta resolução. [92]

Earl Wilbur Sutherland venceu em 1971 Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina ″ Por suas descobertas sobre os mecanismos de ação dos hormônios ″, em particular a descoberta do monofosfato de adenosina cíclico como segundo mensageiro na ação das catecolaminas nos β-adrenoceptores e do glucagon nos receptores de glucagon, o que levou à descoberta dos heterotriméricos G proteínas. Em 1988, James Black foi um dos três vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina ″ Pelas suas descobertas de princípios importantes para o tratamento da droga ″, sendo os ″ princípios importantes ″ de Black o bloqueio dos β-adrenoceptores e da histamina H2 receptores. Em 2012, Robert Lefkowitz e Brian Kobilka dividiram o Prêmio Nobel de Química ″ pelos estudos de receptores acoplados à proteína G ″.


Kittatinny Sch - História

DELAWARE WATER GAP

Assim como uma semente de girassol precisa de terra fértil, um suprimento adequado de água, temperaturas amenas e muita luz solar para crescer, também uma comunidade de resort, para florescer, requer condições específicas. Para Delaware Water Gap, essas condições existiram durante a última metade do século XIX e o primeiro terço do século XX. Durante esse período, os hábitos de férias da América e as limitações de transporte, juntamente com a beleza cênica da área e o espírito empreendedor de alguns residentes locais, conspiraram para transformar o pequeno bairro no coração de uma das áreas de resort mais populares do interior do país. leste dos Estados Unidos. A cada verão durante aquele período, sua população anual de cerca de 400 foi aumentada em aproximadamente 2.500 visitantes, muitos dos quais permaneceram durante toda a temporada.

A vida antes do encanamento interno, das superestradas e do ar-condicionado é difícil de imaginar para aqueles de nós que não a experimentaram. O verão, principalmente para os moradores das cidades, deve ter sido desagradável e até prejudicial à saúde. Dependendo das circunstâncias econômicas individuais, os moradores da cidade reagiram ao calor insuportável do verão de várias maneiras. Os mais ricos escaparam durante toda a temporada para Bar Harbor, Newport ou para outros playgrounds dos ricos. Filadélfia da classe trabalhadora e da classe média baixa viajaram para Atlantic City para desfrutar da brisa fresca do mar e da atmosfera de férias sempre presente. Para os nova-iorquinos, Coney Island era o destino preferido todos os anos. Nem todo mundo, porém, preferia a agitação e o barulho desses dois playgrounds à beira-mar. Muitos moradores da cidade de classe média mais próspera optaram pelo ar refrescante da montanha e pela beleza cênica das áreas de resort do interior da América, uma das quais era Delaware Water Gap, na Pensilvânia.

The Settlement of Delaware Water Gap

Em 1793, quando Antoine Dutot chegou à área com a intenção de fundar uma cidade, as vizinhanças logo ao norte da formação geológica conhecida como Delaware Water Gap, haviam sido locais de habitação humana por milhares de anos. Conhecida como Minisink pelos Lenni-Lenapes, estima-se que a área foi habitada pela primeira vez pelos Paleo-índios entre 10.000 e 12.000 a.C. Quando os primeiros homens brancos chegaram à região em 1614, eles encontraram a tribo Minsi do Clã Lobo da Nação Lenni-Lenape (os Lenni-Lenape eram comumente chamados de índios Delaware porque variavam das cabeceiras do rio Delaware até as margens da Baía de Delaware).

O Minisink foi explorado pela primeira vez pelos europeus em 1614 por três viajantes de Nova Amsterdã que desceram do rio Hudson. Foram seguidos em 1620 por um segundo grupo de holandeses que, em seu relato, se referiam às jazidas minerais, principalmente de cobre, presentes na região. Em algum ponto após a visita de 1620, os holandeses começaram a minerar o cobre (uma referência ao minério de cobre extraído no Minisink apareceu em um artigo de jornal de 1641 originário da Nova Holanda). Para levar o minério das minas (que ainda existem cerca de três milhas ao norte da lacuna no lado do rio em Nova Jersey) até Esopus (Kingston, Nova York), a mineradora construiu uma estrada conectando as duas. Foi ao longo dessa estrada de 160 quilômetros que os primeiros colonos chegaram ao Minisink.

A mineração de cobre cessou em 1664, quando os holandeses renderam Nova York aos ingleses. A Estrada da Mina de Cobre continuou a ser usada, entretanto, por holandeses, ingleses, franceses e até mesmo por alguns colonos espanhóis e alemães que colonizaram o lado oriental do rio ao norte de Gap. O primeiro colono na margem oeste do rio Delaware no Minisink foi Nicolas Depui que, em 1727, mudou sua família do Vale do Hudson para os dias atuais Shawnee.

Devido à dificuldade de viajar através do Gap (as montanhas desciam até o rio não deixando espaço para uma estrada ou caminho), os colonos do Minisink pouco ou nada sabiam sobre assentamentos ao sul. Em 1730, Thomas Penn, filho de William, enviou Nicholas Scull em uma expedição da Filadélfia ao Minisink para investigar rumores de assentamentos ali. Como resultado da visita de Scull, Depui foi obrigado a recomprar terras de William Allen (que as havia obtido de Penn) que ele havia comprado anteriormente dos índios. Após a permanência de Scull, os colonos do sul das montanhas começaram a viajar para a área. (Os colonos do norte alcançaram a área via Wind Gap.) Só no final do século XVIII, entretanto, o fluxo do sul eclipsou o do norte.

Um colono da atual Albany, Daniel Brodhead, mudou-se com sua família para a área em 1737. Estabelecendo-se na atual East Stroudsburg, Brodhead emprestou seu nome à nova cidade de Dansbury. As guerras indígenas de meados do século XVIII levaram a uma redução do número de colonos, pois muitos se mudaram para evitar as hostilidades. Quando outro colono, Jacob Stroud, voltou à área após a Guerra Revolucionária, a ameaça indígena havia sido eliminada. Stroud conseguiu adquirir várias fazendas abandonadas a um custo muito baixo.Em 1806, ele possuía tantas terras que a área em que morava começou a se chamar Stroudsburg.

Delaware Water Gap permaneceu instável muito depois de os assentamentos próximos terem crescido. Em 1793, Antoine Dutot, proprietário de uma plantação francesa em Santo Domingo, fugiu da revolta de escravos e rumou para a Filadélfia. Ao chegar à cidade quacre, Dutot foi aconselhado a subir o rio Delaware até a Gap, onde comprou uma grande extensão de terra e começou a construir uma cidade no interior. Ele ergueu uma dúzia ou mais de prédios de madeira, designou um pedaço triangular de terreno para um mercado e deu o seu próprio nome à nova cidade. Dutotsburg nunca se tornou a cidade agitada que seu fundador havia imaginado. As pessoas que se mudaram para o pequeno bairro construíram suas próprias casas e as estruturas de Dutot ficaram em ruínas. Eventualmente, Dutotsburg tornou-se conhecido como o bairro de Delaware Water Gap, provavelmente para se beneficiar dos benefícios de publicidade inerentes associados à conhecida formação geológica.

Crescimento inicial dos resorts

A beleza natural do Delaware Water Gap provou ser uma atração para as pessoas que viajam pela área. Já em 1820, os visitantes começaram a se hospedar na pequena cidade, onde se hospedaram com famílias locais para apreciar a paisagem. Ciente das possibilidades, Dutot começou a construir um pequeno hotel com vista para o rio Delaware em 1829. Em 1832, porém, ele ficou sem dinheiro e vendeu o prédio incompleto para Samuel Snyder. Snyder ampliou e completou o hotel que chamou de Kittatinny. A nova estrutura podia acomodar vinte e cinco pessoas e foi preenchida na primeira temporada que foi inaugurada. William A. Brodhead alugou o Kittatinny de 1841 a 1851, quando o comprou e aumentou sua capacidade para sessenta. Nos quinze anos seguintes, o tamanho do Kittatinny foi aumentado em quatro ocasiões distintas, primeiro com William Brodhead e, depois de 1857, com seu novo gerente, Luke W. Brodhead. Em 1860, o hotel podia acomodar duzentos e cinquenta convidados.

O sucesso do Kittatinny levou à criação de outros hotéis. Além disso, as famílias abriram suas casas aos visitantes como forma de aumentar sua renda. Pelo menos uma casa particular cresceu gradualmente em um resort completo (a Fazenda do Rio). Com a Guerra Civil, a popularidade de Delaware Water Gap como área de resort estava se tornando bem conhecida em todo o nordeste dos Estados Unidos. A economia tensa dos anos de guerra levou a um declínio na indústria de resorts em desenvolvimento, mas o período de reconstrução encontrou os moradores da cidade mais uma vez viajando para a Gap. Em 1867, o Brainerd, o Lenape, o Glenwood, o River Farm e o Arlington juntaram-se ao Kittatinny para oferecer acomodações aos visitantes. Em 20 de junho de 1872, um novo hotel que rivalizava com o Kittatinny em tamanho e esplendor, o Water Gap House, abriu suas portas.

"Delaware Water Gap era a segunda maior cidade turística no interior dos Estados Unidos depois da Guerra Civil (atrás de Saratoga Springs, N.Y.), e sua clientela era composta pelas classes altas da Filadélfia e Nova York." É o que diz um escritor sobre a área. Embora tais classificações sejam difíceis de quantificar, é claro que Gap gozava de reputação nacional por seus resorts e atraía financistas, políticos e pessoas da sociedade proeminentes desde a Guerra Civil até a Primeira Guerra Mundial. Até mesmo um presidente dos Estados Unidos visitou o cidade (Theodore Roosevelt visitou a Water Gap House em 2 de agosto de 1910). Uma editora de guias mundialmente famosos no século XIX incluiu Delaware Water Gap entre as quinze maravilhas cênicas dos Estados Unidos. Em 1906, um panfleto publicitário estimou que mais de meio milhão de pessoas visitavam a Gap anualmente.

Ao contrário do turista de hoje que pode ficar em um hotel por apenas uma noite ou talvez uma semana, os americanos vitorianos costumam passar uma temporada inteira em seu resort favorito - sem dúvida como um meio de escapar do calor insuportável do verão na cidade. Era costume entre as famílias que tinham dinheiro para levar a mãe e os filhos para um hotel no interior durante todo o verão, onde o pai se juntava a eles nos fins de semana. Os visitantes de verão voltavam ao mesmo resort ano após ano, chamando-o de sua segunda casa.

O que a Gap tinha que atraiu os visitantes da cidade? De acordo com Luke W. Brodhead, um dos gerentes da Kittatinny e autor de um livro sobre a história e as lendas da Gap:

As principais fontes de diversão e recreação são as caminhadas por quilômetros de caminhos de montanha com vistas de grande beleza, abrindo em intervalos frequentes de carruagens em muitas direções em um pitoresco e interessante serviço de barco a vapor e a remo, e boa pesca de robalo no rio na temporada e pesca de trutas nos riachos adjacentes.

"Talvez o destaque de Gap, além de seu belo desfiladeiro, através do qual flui o plácido Delaware, seja sua atmosfera saudável, que permeia todos os lugares e que por si mesma deu à região muito de seu charme e popularidade." Essa afirmação foi feita por um autor que exaltou a beleza da região em um livro publicado em 1897. Se a "atmosfera" na região é mais saudável do que em qualquer outro lugar, é claro, está aberto ao debate. No entanto, esse tema foi repetido em anúncios do final do século XIX e início do século XX. "A atmosfera é pura e seca, sempre à noite fresca, e mesmo ao meio-dia raramente tão quente a ponto de ser desconfortável. Toda a região está livre de mosquitos ou malária." (Isto é de um livro de 1895.) Já em 1866, o jornal local, The Jeffersonian Republican, publicou uma história relatando que os hotéis e pensões estavam lotados, portanto, as pessoas da cidade estavam fugindo do perigo do cólera. Em 1873, o Dr. F. Wilson Hurd decidiu que o condado de Monroe seria o local ideal para sua cura pela água de Wesley. O Water Cure of Experiment Mills (mais tarde Water Gap Sanitarium) foi construído perto do atual Quality Inn, próximo à saída de Marshall's Creek de Rt. 80, e foi fundamental para aumentar o fluxo de visitantes para a área.

Durante o último quarto do século XIX, a popularidade do Gap rendeu-lhe repetidas menções no The New York Times. Durante a temporada de verão, quatro a cinco artigos por mês apareciam naquele jornal escrito por um correspondente da cidade.

Para que as famílias aproveitassem o Delaware Water Gap como um local de férias, um bom transporte era necessário para garantir que o patriarca pudesse viajar de volta à cidade para o trabalho da semana. No final do século XIX e no início do século XX, um bom transporte (interior) significava ferrovias.

Transporte para a Gap:

Como vimos, a barreira natural das Montanhas Azuis levou ao povoamento precoce da área por pessoas que se deslocaram para o sul do vale do rio Hudson, em vez de para o norte da Filadélfia. Antes de 1800, quando Abram B. Giles construiu uma estrada de vagões através dela, o Delaware Water Gap não era considerado uma passagem prática para o norte ou para o sul. Apenas trilhas irregulares de índios serpenteavam ao redor da base das montanhas em ambos os lados do rio. (Uma trilha indígena principal, na qual uma estrada foi construída mais tarde pelos colonos, serpenteava pelo que agora é chamado de Wind Gap ao passar pelas montanhas.) Pouco depois de Giles terminar sua estrada, um visitante percorreu a rota e a descreveu como um :

estrada de vagões que leva entre a borda da montanha e o rio, e que todo o trabalho dos habitantes foi ineficaz para fazer mais de 2,5 metros de largura ou para limpar a aspereza excessiva ao passar de um outeiro acidentado a outro ao longo de toda a distância.

Por volta de 1799, antecipando a conclusão da estrada, Benjamin Bonham construiu uma pequena pousada ao longo dela - a primeira em uma cidade que mais tarde se tornou famosa por seus hotéis.

Antoine Dutot construiu uma estrada em 1798 de sua serraria, abaixo de onde ficava a Kittatinny, até o local de sua cidade planejada. Alguns anos depois, ele obteve um alvará para uma estrada com pedágio e estendeu sua estrada existente para River Farm, onde se conectava com outra que ia de Shawnee a Tatamy Gap. Embora ele tenha montado um pedágio ao longo do caminho, ele teve problemas para cobrar pedágios. Em 1823, sua estrada foi substituída por outra construída pelo estado.

Para atender às necessidades do crescente condado, as estradas foram alargadas e melhoradas, e as linhas de diligências começaram a operar. Em 1846, uma diligência de passageiros e correio parava em Stroudsburg no caminho de Easton para Milford, três vezes por semana. Naquela época, a estrada através da Gap estava suficientemente melhorada para permitir viagens de diligência.

Um ingrediente comum no sucesso das cidades de Delaware Water Gap, Atlantic City e Coney Island como resorts foi a existência de ferrovias. A introdução do serviço ferroviário nessas áreas resultou em sua popularidade crescente (na verdade, Atlantic City não existia até que uma linha férrea fosse construída para a costa de Nova Jersey).

No início do século XIX, Henry Drinker, proprietário de grandes extensões de terra no nordeste da Pensilvânia, sonhou com uma ferrovia entre os campos de carvão do Condado de Lackawanna e o Delaware Water Gap. Drinker esperava conectar sua linha com uma em Nova York, melhorando assim a comercialização do carvão antracito que havia sido descoberto no vale. Não foi até 11 de março de 1853, no entanto, que Delaware, Lackawanna e Western Railroad foram formados a partir da consolidação de duas linhas menores. Em 21 de janeiro de 1856, o primeiro trem ia de Scranton ao rio Delaware, cinco milhas abaixo da Gap. Não poderia ir mais longe porque a Warren Railroad em Nova Jersey ainda não havia sido inaugurada. Em 13 de maio daquele ano, porém, os trens podiam viajar de Great Bend (ao norte de Scranton) para Nova York (na verdade, a rota terminava em Elizabethport, New Jersey, oposta à ponta noroeste de Staten Island). A Divisão Sul da Ferrovia Delaware, Lackawanna e Western foi inaugurada oficialmente em 27 de maio de 1856. Um trem saindo de Nova York às 7h30 da manhã chegou a Delaware Water Gap às 13h15 daquela tarde, uma viagem de quase seis horas .

Com a intenção de obter acesso a um terminal mais próximo de Manhattan, a DL & W. assinou um contrato de arrendamento com a Morris & Essex Railroad em 10 de dezembro de 1868. O contrato previa que a DL & W. assumisse o controle do Morris e Essex em 31 de dezembro de 1868, assim, Hoboken, do outro lado do Hudson da cidade de Nova York, tornou-se a estação DL&W em Nova York. Uma balsa ia do terminal de Hoboken até o sopé da Christopher Street, do outro lado do rio em Manhattan, e até o sopé da Barclay Street, que fica mais no centro. As mudanças duraram mais de uma hora desde a viagem até Water Gap.

Em 1900, William Truesdale, presidente da D.L. & W., percebeu que uma nova rota era necessária em Nova Jersey para evitar que os concorrentes ganhassem vantagem no tráfego de passageiros. Durante 1906 e 1907, três estudos foram conduzidos para examinar a viabilidade de encurtar a viagem de Nova York ao Gap. Decidiu-se construir uma nova rota do Lago Hopatcong a Slateford, Pensilvânia. O seguinte relato, publicado em uma história da D.L. & W., ilustra a enormidade da nova linha (comumente chamada de Corte de Nova Jersey):

O país a ser cruzado era tudo menos nivelado. Vales e estradas corriam para o norte e para o sul, a ferrovia corria para leste e oeste. Não deveria haver passagens de nível. A nova rota exigiria 28,5 milhas de novos trilhos, dois grandes viadutos e um aterro de três milhas de comprimento e de 75 a 140 pés de altura. A oeste do preenchimento do Pequest, como era chamado, havia seis milhas de cortes e preenchimentos contínuos. Havia treze preenchimentos, a maioria dos quais com cerca de quinze metros de altura, e com quinze cortes com o grande corte a oeste de Johnsonburg tendo no máximo trinta metros de profundidade e um quilômetro de comprimento.

Truesdale apostou o futuro de sua ferrovia no sucesso da nova linha. Concluída em 24 de dezembro de 1911, a um custo de $ 11.065.511,43, a nova rota foi uma descida rápida e suave de 28 milhas. Cortou onze milhas e 27 minutos da viagem de Nova York.

Em 1895, a passagem de Nova York para a Gap custava US $ 2,55. Dez anos depois, custava vinte centavos a menos. Em 1933, o preço subia para US $ 2,82. Com trens mais rápidos e uma programação mais eficiente, o tempo que o trem levava para chegar à Water Gap saindo da Barclay Street diminuía gradualmente. Em 1959, demorou pouco menos de três horas. O serviço de passageiros na D.L. & W. terminou em 5 de janeiro de 1970.

Outra empresa ferroviária, a New York, Susquehanna & Western, fornecia serviço de passageiros para a área. A partir de 24 de outubro de 1882, o N.Y., S. & W. funcionou de Weehawken, New Jersey e parou em North Water Gap (Minisink Hills) e em Stroudsburg (perto do atual V.F.W.). A linha cruzou o Delaware ao norte da ponte com pedágio da Rota 80 (seus suportes de pedra ainda podem ser vistos no rio). N.Y., S. & W. serviço para Poconos terminou em 1940.

O serviço de passageiros da Filadélfia para a Gap estava disponível na ferrovia Belvidere-Delaware (Trenton a Belvidere). Por volta de 1850, o Belvidere-Delaware estendeu sua trilha para Manuka Chunk, onde se conectou com a ferrovia Warren. O serviço de passageiros foi fornecido até 4 de outubro de 1947. (A linha já havia sido absorvida pela ferrovia da Pensilvânia.)

Em 10 de julho de 1907, a Mountain View Line, conectando Delaware Water Gap com as linhas de bonde existentes em Stroudsburg, iniciou as operações. Durante o ano letivo, o bonde servia como ônibus escolar, cobrando dos alunos quinze centavos em cada trajeto.

Enquanto isso, a pista estava sendo colocada ao sul da Montanha Azul pela Lehigh Valley Traction Company, que eventualmente alcançaria os resorts Water Gap. Em conexão com essa empresa, em 28 de agosto de 1905, a Bangor and Portland Traction Company entrou em Portland pelo oeste, após passar por baixo das trilhas de Delaware, Lackawanna e Delaware após um conflito de três anos. As empresas ferroviárias relutavam em permitir que os bondes, seus concorrentes, cruzassem as ferrovias. O plano era continuar a linha em Stroudsburg, mas a Lehigh and New England Railroad Company recusou a permissão para que os trilhos do bonde fossem colocados em seus trilhos, e a extensão para os resorts foi abandonada. Turistas da Filadélfia podiam viajar para o norte no bonde até Nazaré, onde tinham que trocar de carro. De Nazareth, eles viajaram nos carros da Slate Belt Electric Railway Company para Bangor, onde trocaram os carros novamente pelos da Bangor and Portland Traction Company. Em Portland, os passageiros podiam pegar um ônibus para Water Gap ou pegar o DL & W. O primeiro "Delaware Water Gap Limited" saiu de Chestnut Hill às 9h30 da manhã de 17 de julho de 1908 e chegou ao Gap seis horas e quarenta minutos depois.

Querendo obter acesso aos resorts em Water Gap para sua rota "Liberty Bell", a Lehigh Valley Traction Company investiu US $ 50.000 na Water Gap e na Portland Street Railway Company. Em 21 de fevereiro de 1911, partes da montanha na parte mais estreita da Gap foram dinamitadas para permitir espaço para as trilhas. Em outubro, os bondes circulavam entre Stroudsburg e Portland na recém-criada Stroudsburg, Water Gap e Portland Railway Company. Caminhões duplos abertos com laterais de tela pintados de amarelo-limão estavam em serviço no verão e os carros fechados eram usados ​​no resto do ano.

Em 1º de abril de 1910, a Lehigh Valley Traction Company anunciou um acordo com a Philadelphia and Western Railway Company para usar parte de sua linha. O uso desta linha com seu terminal na 69th Street Station em Upper Darby foi parte de uma atualização maior de todo o sistema ferroviário. Em 1912, os passageiros podiam fazer toda a viagem de Upper Darby a Portland sem trocar de carro. Os passageiros jantavam durante as paradas programadas para jantar em hotéis em Allentown, Rittersville, Bethlehem ou Nazareth. As alterações feitas nos carros na rota Water Gap para o conforto dos passageiros na longa viagem incluíram assentos de couro preto com apoios de braços porta-bagagens pisos acarpetados instalações de água potável gelada um "guia turístico" uniformizado que apontou os pontos de interesse ao longo do caminho e uma placa chamativa e recém-pintada da Liberty Bell Limited. Em Portland, onde o Lehigh e o New England ainda recusavam o direito de passagem para o bonde, os passageiros tinham que pegar suas malas, descer de um bonde e atravessar os trilhos do LN & E. e, em seguida, embarcar em outro bonde para o passeio em Delaware Water Gap.

O serviço direto para Portland durou pouco. Antes do início da temporada de férias de 1913, o serviço contínuo na rota Water Gap foi cancelado. Os passageiros tiveram que trocar de carro em Allentown.

Além da Liberty Bell Route, a Delaware Valley Route da empresa Philadelphia and Easton Transit operava um bonde da Filadélfia até a Gap entre os anos de 1908 a 1915. A viagem durou seis horas e custou US $ 2,40 de ida e volta. Ao norte de Easton, a linha foi chamada de Rota da Montanha Azul e continuou em serviço até 25 de novembro de 1926. De Bangor a Portland, a rota compartilhou o L.V.T. Trilhas da companhia.

Em 1917, a Stroudsburg, Water Gap e Portland Railway Company tornou-se a Stroudsburg Traction Company. A crescente popularidade do automóvel, no entanto, soou o toque de morte dos carrinhos. Em 20 de março de 1926, o Bangor-Portland foi abandonado e a faixa de domínio foi vendida ao Condado de Northhampton para a construção de uma nova rodovia entre Portland e Mount Bethel. Em novembro do mesmo ano, o arrendamento da faixa de domínio entre Portland e Water Gap, que pertencia à D.L. & W., foi cancelado, encerrando assim o serviço entre as duas cidades. A Stroudsburg Traction Company encerrou as operações em 1928 depois de tentar, sem sucesso, competir com as crescentes linhas de ônibus. O último bonde em Stroudsburg rodou em 8 de setembro. Em comemoração, várias centenas de pessoas compareceram para testemunhar o fim de uma era. Uma banda local tocou "The Old Grey Mare não é o que costumava ser."

Por um tempo, começando em 1879, Delaware Water Gap teve seu próprio jornal. Chamado The Mountain Echo, o pequeno jornal sazonal focava nas atividades em hotéis e em locais de interesse locais. O editor foi o fotógrafo local Jesse A. Graves. Um dos serviços devidamente prestados pelo periódico foi a listagem de todos os hóspedes alojados nos vários resorts.

Um guia de 1909 para resorts de verão na área tinha o seguinte a dizer sobre Delaware Water Gap:

Sua cota de hotéis é incomparável nos Estados Unidos. Eles se comparam favoravelmente com os de qualquer outra parte do país em tamanho e atratividade e são comparáveis ​​apenas aos melhores no assunto ou culinária.

É difícil determinar com precisão quantos hotéis operavam na Gap. Uma busca em panfletos e jornais sobreviventes em busca de anúncios revela evidências apenas de estabelecimentos maiores. Além disso, como alguns hotéis mudaram de proprietário, eles também mudaram de nome, complicando ainda mais a questão.No entanto, estima-se que a cidade de 400 residentes permanentes poderia acomodar mais de 2500 pessoas. Casey Drake, residente de longa data de Water Gap, lembra que, quando menino, a cidade ficava tão lotada no verão que muitas vezes era difícil andar na rua.

Os dois maiores e talvez mais conhecidos dos hotéis foram o Kittatinny e o Water Gap House. O Kittatinny estava localizado no local atual do mirante ao longo da Rota. 611 logo ao sul do bairro. Parte de sua fundação ainda está abaixo do local de onde os visitantes olham para o rio Delaware e o rio Rota. 80 bridge. A mesma vista foi apreciada pelos hóspedes do Kittatinny quando estavam na grande varanda do hotel. Em 1874, os irmãos Brodhead aumentaram a capacidade do hotel para 275. Então, em 1892, o edifício foi demolido para dar lugar a uma Nova Kittatinny maior e mais elegante. Capaz de acomodar 500 hóspedes, o hotel ostentava, além de vistas espetaculares e brisas frescas, o seguinte:

Luzes elétricas, elevadores, aquecimento a vapor, água corrente da montanha nos quartos [e um riacho correndo sob a cozinha - que ainda pode ser visto da Rota Ponte 80], banhos privados, etc. Destaca-se pela sua gastronomia e serviço, e a quinta do hotel dá à mesa produtos "por Excelência". . Bell phone 92 escritório telegráfico em hotel, orquestra, diversões sociais.

Um anúncio de 1908 lista G. Frank Cope como proprietário. Da mesma forma, um de 1917 lista John Purdy Cope como proprietário.

A Water Gap House estava localizada acima de Kittatinny em Sunset Hill (assim chamada porque quando alguém está de frente para o leste na colina, pode-se ver as sombras na montanha do outro lado do Delaware subir lentamente enquanto o sol se põe no oeste). Inaugurada por Luke W. Brodhead em 20 de junho de 1872, a Water Gap House tinha piazzas no primeiro e no segundo andar, de 3,5 a 4,5 metros de largura e 200 metros de comprimento, com vista para uma das melhores vistas da área. De acordo com os costumes da época, Brodhead construiu o hotel sem bar.

Em 1908, a Water Gap House foi totalmente reconstruída a um custo de mais de $ 100.000. John Purdy Cope, seu novo proprietário, anunciou suas atrações na edição de 14 de junho de 1908 do The New York Times:

Capacidade, 300. UM PARAÍSO DE MONTANHA altitude mais alta, local mais fresco, sempre uma brisa, sem umidade. Vistas impressionantes por 30 milhas em todas as direções do cenário mais grandioso a leste das Montanhas Rochosas. O hotel está rodeado por seu magnífico parque de sombras antigas, rododendro, flores silvestres, plantas raras e gramados finos. . entretenimento requintado, patrocínio de alta classe. Água corrente da montanha e artigos de papelaria estão em todos os quartos. Cinquenta morcegos de azulejos privados, também banhos públicos. . Telefones e telégrafos. Solários e varandas em todos os andares. Calor a vapor, lareiras abertas. Luzes elétricas. Elevador hidráulico. A maioria dos arranjos sanitários modernos. . Hotel fornecido pela própria estufa e fazenda com primeiros vegetais e aves. Leite de nossa própria leiteria de vacas registradas. Todos os esportes ao ar livre e diversões internas. Orquestra e funções sociais frequentes. Academia de equitação privada com cavalos de sela de alta classe e instrutores, garagem e libré de nove buracos para golfe - tudo dentro do recinto. Os ônibus atendem todos os trens.

A Glenwood House abriu suas portas para visitantes de verão em 1862, depois de servir por um tempo como uma academia para meninos. Em 1897, atendia a 200 convidados, foi inaugurado de maio a novembro e podia ter varandas privativas no segundo andar. Um anúncio de 1909 afirmava ter capacidade para 400 pessoas. O Glenwood também abastecia suas mesas com frutas e vegetais frescos de sua própria fazenda. Dos antigos hotéis-resort, o Glenwood é o único que ainda funciona como resort hoje. (The Central House, agora Deer Head Inn, ainda funciona como uma pensão e seu bar tem a reputação de ser uma espécie de meca do jazz.)

O Castle Inn foi inaugurado em 1909 e foi o último dos grandes hotéis construídos na Gap. Quando foi inaugurado, tinha 112 quartos de hóspedes, um salão de baile, salas de recreação, sua própria usina de energia e sua própria usina de congelamento.

O Bellevue ficou conhecido por dois outros nomes ao longo dos anos. Primeiro foi a Juniper Grove House e, mais tarde, foi chamada de Arlington. Como o Bellevue, podia acomodar 150 hóspedes e afirmava ser o hotel popular para os jovens. Um grande ponto de venda para este e alguns dos outros hotéis era a proximidade da estação ferroviária.

O hotel localizado mais próximo da estação era o Delaware House, que ficava do outro lado da rua. Aberta o ano todo, a Delaware House tinha capacidade para 50 pessoas e oferecia, além das atividades normais como pesca, canoagem e banho, boliche, sinuca e bilhar.

O Riverview, também localizado próximo à estação, tinha capacidade para 250 pessoas. A Mountain House tinha capacidade para oitenta convidados, e a Forest House, para 100.

Estes são apenas alguns dos hotéis localizados na Gap (segue uma lista). Muitos hotéis, embora não localizados em Delaware Water Gap, mantivessem um endereço na cidade na esperança de se beneficiar da popularidade do Gap. O Karamac, por exemplo, estava localizado do outro lado do rio, em Nova Jersey, e ainda anunciava seu endereço Delaware Water Gap.

Às cinco horas da tarde de quinta-feira, 11 de novembro de 1915, operários, ajudando no fechamento da Water Gap House para o inverno, descobriram um incêndio que havia deflagrado em um dos quartos do hotel. Um alarme soou e várias companhias de bombeiros responderam, mas seus esforços foram em vão. Embora uma chuva leve estivesse caindo no momento, toda a estrutura foi nivelada em apenas algumas horas. A perda foi estimada entre $ 150.000 e $ 200.000. Quatro dias após o incêndio, foi anunciado que um novo hotel, tão grande quanto o Water Gap House, seria construído no mesmo local. O hotel planejado era à prova de fogo e, com sorte, estaria aberto durante parte da temporada de 1916. O hotel nunca foi construído.

Cope experimentou outro desastre em 1931, quando o Kittatinny foi totalmente destruído pelo fogo. Ele e sua família foram acordados às quatro horas da manhã do dia 30 de outubro, por um motorista que passava e viu as chamas saindo do Kittatinny. Às seis horas, toda a estrutura foi engolfada - uma perda de entre $ 500.000 e $ 750.000.

Por que nenhum dos hotéis foi reconstruído? Ao longo dos anos, Poconos continuou a ser uma importante região turística. Delaware Water Gap, no entanto, tem diminuído constantemente como comunidade de resort. Parte da resposta para o declínio do Gap como um resort está nas mudanças nas tendências de transporte - havia uma relação simbiótica clara entre o resort e as indústrias de transporte na cidade e arredores. Os grandes hotéis estavam em uma localização ideal para se beneficiar do fácil acesso que as linhas ferroviárias e bondes proporcionavam. Os hotéis também forneciam às diversas empresas de transporte um "sorteio" ou necessidade de transporte que as várias empresas estavam ansiosas por atender. À medida que o negócio de viagens amadureceu na indústria automobilística de hoje, no entanto, a demanda por grandes hotéis localizados em linhas ferroviárias diminuiu. A popularidade do automóvel após a Primeira Guerra Mundial, em parte, mudou a maneira como as pessoas tiravam férias. Não mais amarrado ao sistema ferroviário de transporte, todo um novo conceito de férias foi desenvolvido. Em 1909, uma história no The New York Times antecipou essa tendência quando relatou que um passeio de fim de semana com a família inteira, parando para uma noite de hospedagem em algum hotel confortável, mas não muito caro, estava substituindo a longa separação do pai de a família dele.

O automóvel era apenas parte da resposta. Os tempos econômicos difíceis da década de 1930 levantaram um obstáculo que, em combinação com outros fatores mencionados, provou ser muito alto para os resorts da Water Gap superar. Quando a indústria de resorts começou a se expandir após a Segunda Guerra Mundial, Delaware Water Gap parecia, na maior parte, contente em deixar o ressurgimento passar pela cidade. Muitas das pequenas pensões foram convertidas em residências privadas. A maioria dos hotéis antigos foi destruída por um incêndio, foi fechada ou continuou a operar da melhor forma possível sob as condições alteradas. O apogeu de Water Gap como resort havia chegado ao fim.


Este mapa foi dado (ou possivelmente vendido) no Terminal e loja de souvenirs de Hauser's Trolley. Mostra onde todos os hotéis e pensões estavam localizados.

Os jogadores da Kittatinny constroem um anfiteatro para contar uma boa história

Godspell significa "boa história" e é o musical selecionado para enfatizar tudo pelo que os Kittatinny Players trabalharam durante a pandemia. “Godspell: The Revival” é, verdadeiramente, uma boa história.

A música tinha mais restrições. “As artes criativas, em particular a música, foram extremamente afetadas durante a pandemia”, disse Brian Bosworth, diretor da Kittatinny Regional High School. “Tantas restrições, em termos de distanciamento social, tocar instrumentos, performar, impactam diretamente nessas disciplinas. Nosso departamento de música tem sido fenomenal no desenvolvimento de maneiras de permitir que nossos alunos tenham sucesso. Ver nossos alunos se apresentando ao ar livre em torno de nosso belo campus tem sido maravilhoso. ”

Um pequeno grupo de músicos de jazz ensaiou no pavilhão de Hampton Park ao lado da escola. Através do calor e do frio, a banda marcial e a guarda colorida treinavam para sua temporada. No final, eles regalaram os fãs com seu espírito efervescente.

“Foi divertido, apesar das mudanças, usar máscaras e ficar a dois metros de distância”, disse a junior Nora O’Keefe, membro da guarda colorida. “Foi ótimo ter uma temporada, embora tenha sido mais curta e apenas ser parte da família da banda marcial. Todos os pequenos inconvenientes valeram a pena. ”

Fall Drama praticado sob uma tenda fora do refeitório. No inverno, os jogadores fizeram seu primeiro filme.

Já que a realização de seu musical de primavera dentro de casa não permitiria grande audiência, os Players criaram um plano. Funcionários, pais e membros da comunidade se reuniram para construir um anfiteatro de madeira no topo do penhasco de frente para o campo de hóquei.

“O anfiteatro surgiu por um motivo simples: Covid”, disse Roy Chiariello, o diretor de “Godspell”.

“Era importante para mim garantir que essas crianças, especialmente os mais velhos, tivessem o maior público possível ao vivo”, disse ele. “Com a tremenda ajuda do The Kittatinny Players Booster Club e de nossos incríveis pais, o trabalho e os fundos vieram juntos. Agora nosso objetivo é ‘Se você construir, eles virão’ do filme ‘Campo dos Sonhos’. As crianças estão arrasando ”.

O público será convidado a praticar o distanciamento social e usar máscara em todos os momentos, como os jogadores fazem. Na segunda-feira, o governador Murphy aumentou os limites de reunião ao ar livre de 200 para 500.

“As crianças realmente progrediram, entendem o que está em jogo, conhecem o trabalho envolvido em atuar de acordo com nossos padrões, então todos eles começaram a trabalhar”, disse Chiariello.

O calouro Colin Webb está desempenhando o papel de um discípulo adicional. “Os jogadores do Kittanniny estão indo muito bem em termos de Covid”, disse ele. “Sempre colocamos nossas máscaras e fazemos pausas para que eles limpem o ambiente que usamos. Estou feliz que eles puderam fazer isso, e o anfiteatro ao ar livre é incrível. Estou feliz que eles tenham encontrado uma maneira tão criativa de nos apresentarmos. ”

“Godspell” foi selecionado porque não há pistas. São 13 atores, vezes dois para os dois elencos separados, disse Chiariello. As crianças “floresceram sendo verdadeiramente iguais”, disse ele.

O Kittatinny Players Booster Club é uma organização sem fins lucrativos composta por nove pais motivados que se reúnem uma vez por mês para atender às necessidades do programa de teatro, disse a co-presidente Angelynn Rittweger. O grupo está apresentando "An Evening Under the Stars" no Andre’s Lakeside Dining em 18 de maio. Ele apresentará "Mensagens do Céu" com a médium espiritual Catherine McCall, um leilão silencioso, música ao vivo e jantar. Os rendimentos irão apoiar a produção de “Godspell”, bem como o Fundo de Bolsas de Estudo, disse o copresidente Courtney Ricard.

“Nada impede essas crianças”, disse Cheryl Williver, uma mãe de jogadores. “Desde treinar sob uma tenda com máscaras, em tempo ruim para Fall Drama, até fazer o primeiro filme de Players, eles fizeram acontecer. Então, ensaiando para ‘Godspell’ começando no inverno, eles têm praticado seis dias por semana, como sempre. Ambos os elencos vão colocar o público de pé. ”


História da Pennsylvania Hawk Watching

No início dos anos 1900, em uma época em que a extração de madeira e a fabricação de carvão vegetal eram atividades importantes ao longo das cordilheiras florestadas da Pensilvânia, as encostas da cordilheira Kittatinny também eram visitadas por caçadores no início do outono. Os caçadores sabiam que os afloramentos rochosos de arenito proeminentes ao longo do cume proporcionavam vistas privilegiadas de pássaros migratórios, e atirar em migrantes no início da temporada tornou-se um esporte popular. Os caçadores alegariam estar praticando sua pontaria para a próxima temporada de pequenos jogos. Os atiradores foram bem motivados por uma recompensa de US $ 5 / cabeça da Pennsylvania Game Commission oferecida por Northern Goshawks baleados entre 1º de novembro e 1º de maio. Uma vez que poucos caçadores tinham a capacidade ou desejo de confirmar a identificação durante o vôo, a maioria dos raptores que voassem estavam sujeitos a seu objetivo.

Na década de 1930, as filosofias de conservação de Aldo Leopold, Gifford Pinchot e John Muir começaram a se estabelecer. Notícias e fotos dos massacres dos falcões alcançaram, e muito perturbaram, um membro da New York Hawk and Owl Society chamada Rosalie Edge. Em 1933 e 1934, quando a América ainda estava se recuperando dos efeitos da Grande Depressão, a Sra. Edge levantou fundos suficientes para adquirir o terreno ao redor de um local de tiro particularmente ativo em Kittatinny Ridge, no condado de Berks. Este local se tornou o primeiro santuário de vida selvagem do mundo dedicado à preservação, observação e estudo de aves de rapina. Hoje, o Hawk Mountain Sanctuary continua a ser um centro de observação, educação e pesquisa de raptores de renome mundial.

Os atiradores, expulsos da Hawk Mountain, estabeleceram estandes em outros afloramentos ao longo do cume, mais notavelmente o Bake Oven Knob na fronteira dos condados de Lehigh e Carbon. Apesar dos esforços da Game Commission para fazer cumprir qualquer legislação de proteção em vigor (ver linha do tempo inserida), o tiroteio em Bake Oven continuou em 1950 e rsquos quando, finalmente, observadores de pássaros e policiais empurraram os atiradores para fora das rochas. No início dos anos 1960, a contagem oficial de falcões começou no Bake Oven Knob. Enquanto isso, nas décadas de 1940 e 1950, os observadores de falcões começaram a gravar sessões em Sterrett & rsquos Gap e Wagoner & rsquos Gap em Kittatinny Ridge no condado de Cumberland.

Hoje, a observação de falcões ocorre em vários locais ao longo de Kittatinny Ridge, que se tornou um destino de outono para entusiastas de aves de rapina em todo o mundo. Encontre outros locais de observação de falcões ao longo de Ridge.

1938-1941 - E.S. Frey coleta dados de contagem de falcões em Sterrett & rsquos Gap, Condado de Cumberland.

1969 e mdashA Legislatura do Estado da Pensilvânia aprova a Lei do Falcão Modelo da Pensilvânia, protegendo todas as aves de rapina, exceto as corujas-de-chifres e as corujas nevadas.

1973 & ndash Michael Kotz, um estudante da Harrisburg High School, conta os raptores por uma temporada no Wagoner & rsquos Gap, um esforço patrocinado pelo Appalachian Audubon Chapter (esses dados foram perdidos).

1997 & ndash Wagoner & rsquos Gap hawk watchers agora registrando mais de 1.000 horas anuais por temporada nas rochas.

2004 & ndash Audubon Pennsylvania adquire 100 acres a oeste de Rota. 74


Kittatinny Sch - História

Por conveniência da localização, o governador Josiah Hardy estabeleceu a sede do condado de Sussex em ou a menos de meia milha da plantação de Harelocker em Newton Township em 12 de dezembro de 1761. Jonathan Hampton, proprietário, doou um terreno para o Tribunal de Sussex na interseção da estrada de Easton a Newburgh com a estrada de Elizabethtown a Minisink. O juiz Hampton também pesquisou um Town Plot incluindo lotes para uma casa pastoral, academia, capela, gramado público e cemitério. Casas, tavernas, lojas e escritórios logo surgiram. Durante a Revolução, Newton foi estrategicamente posicionado ao longo de uma linha intermediária de abastecimento e comunicação entre a Nova Inglaterra, os fortes do Rio Hudson e a Filadélfia.

No centro de uma rede spokewise de rodovias e estradas de correio, a vila cresceu e se tornou um centro regional de bancos e jornais do condado, distribuição de correio e frete, comércio, educação, comércio mecânico e reuniões sociais. Em 1814, os lotes da cidade de Conover foram pesquisados ​​em torno das ruas com os nomes dos presidentes Washington, Adams, Jefferson e Madison. A Mechanic Street (logo chamada de Liberty Street) forneceu propriedades elegantes nas encostas como parte do desenvolvimento de Johnson's Meadow Lots. O trabalho em couro e madeira eram as maiores indústrias. David Kerr fabricou chapéus na Church Street entre 1815 e 1832, quando foi sucedido por Stephen Day. Para proteger uma comunidade em crescimento, a Newton Fire Company foi organizada em 19 de dezembro de 1835. Os hotéis-palco prosperaram e uma confortável hospedaria de tijolos foi construída por Dennis Cochran em 1843. O atual Tribunal Clássico do Renascimento foi construído sobre as ruínas carbonizadas de seu antecessor em 1847.

A conclusão da ferrovia Sussex para Newton em dezembro de 1854 acelerou muito o crescimento da comunidade. Vagões de carga carregados de carne de porco e manteiga percorriam a aldeia ao longo da estrada para a Grande Fonte e o novo depósito. Grandes empórios de tijolos e hotéis confortáveis ​​acomodaram o aumento do comércio. Novas ruas como Halsted (1857) e Trinity (1857) cheias de residências no estilo mais recente. O carvão, fornecido por ferrovia, alimentava moinhos e fundições movidos a vapor. Os tempos de boom alimentados pela Guerra Civil forneceram novas igrejas cómodas, um banco, uma prisão, um elegante salão da biblioteca, uma grande escola pública e uma estação de passageiros. Adquirindo uma identidade distinta, a vila deixou Newton Township e foi incorporada como uma cidade em 10 de março de 1864. Os lotes para construção na West End Avenue e Johnsonburg Road, Clinton Street, Elm Street, Maple Avenue e Townsend Street foram inaugurados em 1869. Lawnwood e avenidas ferroviárias inauguradas em 1870.

A estrada de ferro Sussex foi estendida além de Newton para Branchville (1866-69), para Franklin (1871), para Hamburgo e McAfee (1872). Os cidadãos de Newton assinaram US $ 25.000 para construir a linha principal da ferrovia que atravessa a junção Meadows até Warbasse. The Delaware, Lackawanna & amp Western compraram a Sussex Railroad em 1881.

Preocupados com a competição de novas ferrovias, os comerciantes de Newton induziram Henry W. Merriam, um proeminente fabricante de calçados de Nova York, a ocupar uma nova fábrica de tijolos na Sparta Road em 1873. O sucesso do moderno sistema fabril gerou uma próspera Age of Enterprise.Novas indústrias incluíram: a Sussex Shoe Company na Mill Street em 1886 a Sterling Silk Company na Sparta Avenue em 1896 a Newton Shoe Company na East Clinton Street em 1897 a fabricação de papel fotográfico e lentes por Gustave Gennert em 1900 a fábrica de leite da Century Milk Company em Stuart and Trinity Streets em 1901 O negócio de flores de Martin Ward na Foster Street em 1901 a fábrica de toalhas Mellor no edifício Broda em Water STreet em 1907 e Mazuy Mills em Clinton and Mill Streets em 1919.

A engenhosidade mecânica da época é evidente em madeira serrada em espiral, balaustradas torneadas, vitrines de vitrines, telhas de ardósia e alvenaria especializada. Banqueiros, fabricantes, advogados e lojistas escanearam cadernos de modelos e contrataram arquitetos para criar mansões elegantes. Os assalariados alugavam chalés confortáveis ​​ao alcance dos apitos da fábrica. Morris & amp Frace abriram três novas ruas perto da fábrica de calçados Merriam em 1890. Stuart e Hampton Streets foram inauguradas no mesmo ano. Novos desenvolvimentos surgiram em South Newton, Highland Park e Morningside Park. Uma usina elétrica pública (1894), abastecimento de água municipal (1896) e tratamento de esgoto (1907) aumentaram a segurança e a conveniência da vida na cidade. A era das lojas de departamentos foi inaugurada com o Park Block em março de 1897. Em conseqüência do Sesquicentenário do Condado de Sussex, a Sociedade Histórica do Condado de Sussex foi organizada em 1904.

Após a Primeira Guerra Mundial, os Estados Unidos se destacaram entre as potências industriais. A abertura das travessias do Rio Hudson e o desenvolvimento de um sistema de rodovias estaduais deu origem à expansão suburbana. Logo concessionárias, postos de combustível, garagens, residências e estradas pavimentadas foram construídas em Newton para atender a uma cultura automotiva. Os primeiros semáforos foram instalados em 1926.

Os vibrantes anos 20 foram incorporados à construção de impressionantes residências neoclássicas para bancos, cinemas, gráficas e uma central telefônica. Uma escola secundária foi inaugurada em Halsted Heights em 1920. Começando em 1925, o Brookside Park Development se espalhou pelas avenidas Hillside Terrace, Ferndale, Sunset, Lake e Park. Em 31 de março de 1927, 1.100 acres compreendendo os tratos Voorhees e Mason foram anexados a Newton de Andover Township para acomodar a construção de casas em Newton Terrace, Mason Avenue, Sussex Street e Merriam Avenue pela Newton Development Corporation. Em 1929, a United Telephone Company adquiriu a Sussex Telephone Company e construiu uma moderna central telefônica na Adams Street.

A Grande Depressão trouxe uma ladainha de falências comerciais, fechamentos de fábricas e execuções hipotecárias. Apesar dos tempos difíceis, os newtonianos orgulhavam-se de abrir o Newton Memorial Hospital em 1932, uma loja de departamentos Woolworth's em 1935, uma estação de inspeção de veículos motorizados e garagem municipal em 1937 e a Biblioteca Dennis em 1939. Os Salesianos inauguraram o Seminário Dom Bosco em 1931. Mazuy A Mills se fundiu com a Darlington Fabrics em 1932.

O condado de Sussex liderou Nova Jersey no número de vacas leiteiras entre 1850 e 1950, ostentando "Mais vacas que pessoas". Após a Segunda Guerra Mundial, Newton permaneceu o centro de um interior rural pontilhado por celeiros vermelhos e silos brancos. Veteranos recém-casados ​​e suas jovens famílias criaram uma demanda por moradia e serviços. Os primeiros parquímetros foram instalados em 1948. Uma grande escola secundária na Ryerson Avenue e uma escola secundária paroquial na Jefferson Street foram construídas em 1953. Em 1956, a forma de governo municipal mudou para um conselho bipartidário e administrador municipal. O Library Hall caiu em 1958 para dar lugar a uma nova estação de correios. Uma loja de departamentos foi construída sobre o túmulo da venerável Cochran House em 1961. Merriam Avenue School foi construída em 1964. Como talvez o maior indicador de mudança, o serviço ferroviário foi abandonado em 1966 e as fábricas de laticínios fechadas. A Interstate Route 80 foi construída entre 1959 e 1973, transformando lentamente a área em uma "comunidade de quartos". Os apartamentos Garden foram construídos para acomodar a demanda por moradias populares. Fileiras de residências foram derrubadas para criar estacionamentos centrais ao redor do distrito comercial.

A partir de 1974, ruas antigas e marcos memoráveis ​​desapareceram em uma onda de "renovação" urbana subsidiada pelo governo federal. Em seu lugar, edifícios públicos e uma cratera comercial vazia apareceram em frente ao histórico Tribunal.

Em meio a um subúrbio insípido e suas rodovias congestionadas, Newton ainda oferece uma sociabilidade, charme e conveniência há muito tempo associados à vida na aldeia. A valorização desse fato é evidente em uma nova onda de construção de cidades: conversão da fábrica Merriam de residências em condomínio, construção do Cochran Plaza na Spring Street, construção de um novo complexo judicial atrás da High Street e localização do Sussex County Community College na Campus Dom Bosco. Um componente importante deste renascimento é a criação de um Distrito Histórico Central e uma Comissão Consultiva de Preservação para proteger a integridade arquitetônica e a variedade de nossa comunidade de futuras erosões.

Copyright 2000 Kevin W. Wright. Todos os direitos reservados.

Se você gostaria de contribuir com fotografias, visualizações de cartões postais, documentos ou outras lembranças de Newton para esta página, entre em contato comigo em: [email protected]
Este site é um registro do meu interesse pessoal no Condado de Sussex.
Kevin Wright

Página da Web por Deborah Powell. Contato
Esta página foi atualizada em 05/07/11

1609: Um país que nunca foi perdido por Kevin W. Wright, historiador e autor
Explorando fontes contemporâneas, o historiador Kevin W. Wright reconstruiu cuidadosamente o mundo nativo que Henry Hudson encontrou durante sua fatídica viagem de 1609. Ao fazer isso, ele dissipa a névoa dos mitos dos séculos XIX e XX para redescobrir os norte-americanos da Costa do Atlântico Médio . Descrevendo sua terra natal e cultura original em grande detalhe, ele traz o panorama de sociedades nativas culturalmente diversas à vida. Esses foram realmente os primeiros americanos, inclinados a viver "quase todos igualmente livres". Será que sua democracia natural está no cerne do espírito americano?


História Local e Genealogia

Explore a história e genealogia do condado de Sussex. Navegue por nossas coleções exclusivas de livros, jornais, microfilmes, mapas, arquivos verticais, índices, periódicos, notas, transcrições e sites.

Os usuários da biblioteca têm acesso a dois recursos online para genealogia e pesquisa de história local: HeritageQuest e Ancestry. Os usuários devem estar na biblioteca para acessar nossa assinatura Ancestry. HertitageQuest pode ser acessado em qualquer lugar, a qualquer hora usando seu cartão da biblioteca.

Por décadas, bibliotecários e pesquisadores do Condado de Sussex contribuíram para as coleções exclusivas de História e Genealogia Local da Biblioteca. Descrições de coleções especiais em bibliotecas filiais estão listadas abaixo. Algumas coleções são acessíveis somente com hora marcada. Ligue para a agência ou envie um e-mail com quaisquer perguntas que você possa ter.

  • Índice de Sobrenome - Este índice de sobrenomes de família é útil para rastrear pesquisas dentro das múltiplas coleções da Biblioteca. Também faz referência aos arquivos de consulta da Sussex County Historical Society. Pesquise o Índice de Sobrenome
  • Coleção Perlee - Esta grande coleção de arquivos foi doada à Biblioteca pela Dennis Library Association. Alfred Perlee foi um genealogista local prolífico, cujo trabalho tem auxiliado pesquisadores por muitas décadas. Esta coleção está bloqueada. Por favor, determine quais sobrenomes você deseja ver e o Bibliotecário de Referência irá puxar os arquivos.
  • Coleção Crawn - Os arquivos doados pelo genealogista local Francis S. Crawn foram transferidos para microfilme. Os nomes são organizados em ordem alfabética e cada nome é encontrado em uma bobina & # 8220Index Cards & # 8221 e em uma & # 8220Family Files & # 8221.
    Cemitério e arquivo vertical de igreja - Uma coleção de transcrições e listas. Este arquivo contém informações sobre coisas como membros da igreja, batismos e sepultamentos.
  • Arquivo vertical de genealogia - Informações sobre linhagens familiares locais, doadas por pesquisadores.
  • Arquivos verticais - As gavetas de arquivos na Biblioteca Principal contêm recortes, brochuras, gráficos, pesquisas, publicações e coisas efêmeras relacionadas ao Condado de Sussex e área circundante, história e genealogia. Existem arquivos para cada município e para muitas escolas, indústrias, pontos de referência, edifícios, igrejas e outros tópicos regionais. Lista de assuntos de arquivo vertical
  • Mapas - A coleção de mapas inclui várias representações históricas únicas do condado e mapas topográficos de Nova Jersey.
  • Decker Scrapbooks - 14 álbuns de recortes contêm recortes de jornais locais sobre a história de Nova Jersey e do condado de Sussex. O índice é mantido no Balcão de Referência.
  • Barragem de Tocks Island - A Biblioteca foi um depositário de tudo o que foi publicado sobre o Projeto da Barragem da Ilha de Tocks e um arquivo dedicado às informações permanece. Livros e relatórios relevantes podem ser localizados pesquisando o catálogo da biblioteca.
  • Anuários e diretórios - Use o Catálogo da Biblioteca para determinar quais anos estão disponíveis.
  • Periódicos - Revista Genealógica de New Jersey Proceedings of the New Jersey Historical Society
  • Arquivo Vertical
  • Mapas de família e cemitérios de Wantage Township - Este conjunto de ligantes foi preparado por D.A.R. membro Muriel Robertson.
  • Arquivo VerticalLista de assuntos em DH
  • Álbuns de recortes de Roswell Coles - Este conjunto de pastas sobre a história de Vernon Township contém uma coleção de artigos, recortes e transcrições de entrevistas, conduzidas e compiladas pelo Dr. Roswell S. Coles.
  • Spotlight on Franklin - Memórias 1927-1982 - Este volume, publicado pelo Comitê do Anuário Histórico, contém destaques da história da Franklin High School. Além disso, esta filial possui os anuários Franklin HS.
  • Ferrovias em Franklin - Esta exibição de materiais relacionados à história das ferrovias em Franklin foi doada por William R. Truran e inclui equipamento telegráfico original. - Ligue para a biblioteca. A visualização é somente com hora marcada.
  • The Stephens Collection - Esta coleção informativa e exclusiva oferece materiais autênticos relacionados à história da mineração inicial em Franklin e Ogdensburg. Compilado pelo falecido Sr. Frederic J. Stephens, um engenheiro de minas e contendo mapas, livros, fotos, cartas e artigos. Ligue para a biblioteca. A visualização é somente com hora marcada.

Jornais históricos digitalizados de Nova Jersey

Coleções de microfilme

BibliotecaMaterialDatas Cobertas
Biblioteca PrincipalBrisa do Lago Hopatcong30 de junho de 1894 - setembro de 1982
Biblioteca Principal
Dorothy Henry Branch
Filial Sussex-Wantage
New Jersey Herald1849 e # 8211 presente (Biblioteca Principal)
1849 e # 8211 2006 (todas as filiais na lista)
Biblioteca PrincipalNew York Times e índice de ampSet 1851 e # 8211 15 de outubro de 2003
Biblioteca PrincipalStanhope Eagle30 de junho de 1885 - 20 de abril de 1950
Biblioteca PrincipalSussex Independent1871-1952
Biblioteca PrincipalSussex Register1814-1943
Biblioteca PrincipalWantage Recorder1894-1937
Biblioteca PrincipalColeção de genealogia do CrawnPesquise o Índice de Sobrenome
Biblioteca PrincipalCenso Federal dos Estados Unidos
Biblioteca PrincipalCenso do estado de Nova Jersey
Biblioteca PrincipalCenso do Estado de Nova York

Dicas para começar na biblioteca

  • Pesquise no Catálogo da Biblioteca ou entre em contato com nosso Departamento de Referência.
  • Use o seu cartão da Biblioteca para acessar o HeritageQuest, onde você pode pesquisar publicações, registros de censo e documentos militares.
  • Visite a Biblioteca Principal, onde mantemos a maior coleção de materiais genealógicos.
  • Visite nossas filiais e use nossos computadores públicos para acessar todos os nossos bancos de dados de pesquisa, incluindo Ancestry (não é necessário cartão da biblioteca).

Jornais e obituários locais:
Jornais em microfilme: Sussex Register New Jersey Herald Stanhope Eagle Lake Hopatcong Breeze Wantage Recorder The New York Times.

Solicitações de obituário por e-mail para [email protected] Os pedidos devem incluir um nome completo e não menos do que o mês e ano do falecimento.

Recursos para sobrenomes locais:

Recursos para identificar nomes, datas e locais:

Registros vitais (certidão de nascimento, casamento, óbito) para o condado de Sussex:

  • As certidões de óbito são emitidas pelo município em que faleceu a pessoa. Listas de Registradores Municipais em Nova Jersey
  • As certidões de nascimento e casamento costumam ser encontradas no County Clerk & # 8217s Office.
    Hall of Records 83 Spring St. Suite 304 Newton 973-579-0900Declaração do cartório do condado sobre registros vitais

Registros vitais fora do condado de Sussex:

  • Estatísticas vitais do Departamento de Saúde e Serviços para Terceiros do Estado de Nova Jersey
    PO Box 370 Trenton, NJ 08625-0370 (609) 292-4087
  • Os Arquivos do Estado de New Jersey aceitam solicitações de referência e armazenam microfilmes.
    225 West State Street-Level 2 P.O. Box 307 Trenton, NJ 08625-0307 (609) 984-2396
  • Localize acervos de registros municipais e do condado de NJ.
  • O site do Centers for Disease Control fornece informações de contato para escritórios de registros vitais estaduais e municipais dos EUA.
  • O Manual Internacional de Registros Vitais pode ser encontrado na Biblioteca Principal: RH 929.1072 INT

Obituários e anúncios de casamento (Jornais)

  • Microfilme: New Jersey Herald(1849-presente) e amp Sussex Register (1814-1943)
  • Encontre datas de publicação em Datas de casamento e morte do condado de Sussex, NJ (1814-1903): 929.3479 SUS
  • Wantage Recorder no microfilme não há índice, mas algumas datas são encontradas no Índice de Sobrenome.

Solicitações de obituário por e-mail para [email protected] Os pedidos devem incluir um nome completo e não menos do que o mês e ano do falecimento.

  • O Sussex County Surrogate mantém registros de inventário local e geralmente é uma boa fonte para encontrar uma data precisa de morte.
    Eles mantêm um índice online e seu número de telefone é 973-579-0920.
  • O Índice de Óbito da Previdência Social está disponível em Ancestrais - As certidões de óbito são emitidas pelo município em que a pessoa faleceu.

Registros do Censo (Use: microfilme Ancestry HeritageQuest)

Recursos de registros do censo online:

    Gráficos que convertem idades nos censos federais, 1790-1920, em anos de nascimento. Instruções para obtenção de informações em registros censitários fechados (de 1930 até o presente). Descrição de algumas das pistas que podem ser encontradas nos registros do censo que o ajudarão a encontrar outros registros sobre a mesma pessoa. Instruções para o uso de catálogos de Arquivos Nacionais de registros censitários microfilmados e índices Soundex. Ferramenta que converte sobrenomes em códigos Soundex. (Códigos Soundex foram usados ​​para registrar sobrenomes nos registros do censo.)

Registros de igrejas e cemitérios (Contato: Sociedades Históricas de Bibliotecas de Igrejas)

  • Biblioteca Principal Igreja e Cemitério Arquivo Vertical | Ver Índice de Sobrenome
  • Catálogo de endereços do cemitério dos EUA está disponível no Ancestry

Registros militares (Pesquisa: Ancestry HeritageQuest State & amp National Archives)

  • Índice para militares de Nova Jersey 1775 e # 8211 1815
  • Registro Oficial dos Oficiais e Homens de Nova Jersey na Guerra Revolucionária
  • Registro de oficiais e homens de Nova Jersey na Guerra Civil

Testamentos e ações (Contato: Surrogate & # 8217s Office Clerk & # 8217s Office)

    - Se um testamento foi homologado no condado de Sussex, o Surrogate’s Office pode ter o registro. Sussex County Surrogate & # 8217s Office3 High Street, Suite 1 Newton 973-579-0920Sussex County Clerk & # 8217s OfficeHall of Records 83 Spring Street, Suite 304 Newton 973-579-0900
  • Resumos de atos do Condado de Sussex em Nova Jersey
  • Ações e documentos anteriores da região do Minisink

Registros de imigração (Pesquisar: Ancestry Ellis Island Castle Garden)

Anuários e diretórios de amplificação (Contato: Bibliotecas, Sociedades Históricas)

  • Newton High School
  • Kittatinny Regional High School
  • Franklin High School
  • High Point High School
  • Sussex County VoTech
  • Hopatcong High School.
  • Newton City Directory
  • Pergunte a um bibliotecário de referência sobre as listas telefônicas locais que datam da década de 1970.

Sociedade Histórica do Condado de Sussex
www.sussexcountyhistory.org
82 Main Street
P.O. Box 913
Newton, New Jersey 07860
Telefone: 973-383-6010

Os Arquivos do Estado de Nova Jersey são úteis para classificar quais tipos de registros podem ser encontrados onde:
www.nj.gov/state/archives/collections.html
225 West State Street
P.O. Box 307
Trenton, NJ 08625-0307
Telefone: 609-292-1570

A Geneaological Society of New Jersey lista nomes de pesquisadores profissionais e abriga coleções de registros genealógicos:
www.gsnj.org
The Genealogical Society of NJ
PO Box 1476
Trenton, NJ 08607-1476

Family Search.org
www.familysearch.org
A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias faz uma extensa pesquisa genealógica. Seus Centros de História da Família estão localizados para uso por genealogistas em todo o mundo. Os Centros de História da Família mais próximos do Condado de Sussex estão localizados em:
Sparta, Nova Jersey
95 Pinkneyville Road
Sparta, Nova Jersey 07871
http://spartafhc.org/
Ledgewood, Nova Jersey
156 Mountain Rd
Ledgewood, NJ
Telefone: 973-347-2856

Dicas para começar na biblioteca:

  • A maioria dos títulos sobre Nova Jersey e cidades específicas são arquivados na faixa de números de telefone 974.9 — 974.978.
  • & # 8220Snell & # 8217s & # 8221 História dos condados de Sussex e Warren (Snell, 1881), é uma fonte comumente usada. Os sobrenomes são indexados. Use o Índice para localizar tópicos específicos. Também disponível através do HeritageQuest
  • Noroeste de Nova Jersey(Honeyman, 1927), também indexado. Descreve cidades e governos locais e fornece informações biográficas para Sussex, Warren e condados vizinhos. Também disponível através do HeritageQuest
  • Arquivos verticais sobre muitos tópicos são valiosos para a pesquisa de história local: MLSubject List | Lista de Assuntos da Filial DH
  • Condado de Sussex: imagens do nosso passado (NJ Herald), e Penny a View (McCabe) séries de livros são fontes de imagens excelentes. A maioria dos livros de Bill Truran também contém imagens.
  • Autores de fontes comuns: Wayne T. McCabe William R. Truran Myra Snook Howard Caso Marion E. Wood Frank Dale Amelia S. Decker Charles E. Stickney Alicia Batko Warren D. Cummings Pete J. Dunn Carrie Papa.
      • Belo Condado de Sussex nas terras altas de Nova Jersey.
      • Antes das águas, o Upper Delaware Valley / por Elizabeth G. C. Menzies.
      • Caminhos do campo: retrato de um século atrás com as obras completas de Louis Larsen e uma visão artística da vida um século atrás / William R. Truran.
      • Represando o Delaware: a ascensão e queda da Represa de Tocks Island / por Richard C. Albert.
      • Down history & # 8217s lane / uma compilação de colunas escritas por Jennie Sweetman.
      • História dos condados de Sussex e Warren, Nova Jersey: com ilustrações e esboços biográficos de seus homens proeminentes e pioneiros / compilado por James P. Snell.
      • História do Condado de Sussex / por Charles E. Stickney
      • Northwestern New Jersey, uma história dos condados de Somerset, Morris, Hunterdon, Warren e Sussex, A. Van Doren Honeyman, editor-chefe.
      • Cem anos do Registro de Sussex e Condado de Sussex: registro de eventos históricos, biográficos, industriais e estatísticos durante um século, 1813-1913
      • Sussex County & # 8230 .. um dicionário geográfico / por Wayne T. McCabe.
      • História do Condado de Sussex: uma coleção de palestras proferidas por Howard E. Case da Sociedade Histórica do Condado de Sussex
      • Sesquicentenário do condado de Sussex, 2 de setembro de 1903 / editado por Jacob L. Bunnell. | Também disponível através do HeritageQuest
      • Condado de Sussex, uma história, de Warren D. Cummings.
      • A Guerra Civil no Condado de Sussex, Caso New Jersey / Howard E..
      • O primeiro centenário de Sussex / contendo os endereços de Benj. B. Edsall, Esq. E Rev. J.F. Tuttle
      • Os assentamentos históricos de Minisink: uma investigação sobre um sítio histórico pré-histórico e antigo no Condado de Sussex, New Jersey / por Herbert C. Kraft. | Também disponível através do HeritageQuest

      O bairro de Andover, Condado de Sussex, Nova Jersey: incorporado em 25 de março de 1904, dos tempos territoriais de 1664 ao tricentenário, 1964: seus primeiros dias como território, fornalha e vila / preparado para o bairro do Comitê do Tercentenário de Andover.

      Uma história de Andover Township e um guia de locais históricos. | Também disponível através do HeritageQuest

      O pregoeiro de Township: centenário de Andover Township, 1864-1964.

      Life on a Sussex farm / de Ann Bain.

      Branchville: sesqui-centennial 1971 a bi-centennial 1976.

      Branchville, NJ: 175º aniversário / material compilado por John Newcomer [preparado pelo comitê para a fundação de Branchville & # 8217s 175º aniversário]

      Imagens de Penn-Hattan do sesquicentenário de Branchville. [VHS] /

      Branchville Bi-centennial 1976 filmado por Lewis Brevoort Odell produzido por Progressive Art e o Bi-centennial Committee. [VHS] /

      Branchville 1821-1971 150º aniversário. Um resumo de sua história e arredores.

      Uma história de Byram / de Carl O. Johnson e Elspeth Hart.

      Byram Township: Township of lagos, 1798-1973, 175º aniversário.

      Waterloo e Byram Township / Cindy Lee.

      Esboços históricos de Cranberry Lake, New Jersey / por Andrew Spence.

      História de Frankford Township por seu bicentenário 1797-1997 / Barbara S. Haggerty.

      Um passeio por Frankford: ontem e hoje Produzido por Barbara S. Haggerty para a narração do Bicentenário de Frankford Township: Ed Francisco e Alex Zander. [VHS] /

      Franklin Borough Golden Jubilee, 1913-1963.

      Franklin, Hamburg, Ogdensburg e Hardyston / William R. Truran.

      A história de um grupo de imigrantes em Franklin, New Jersey, incluindo uma coleção de canções folclóricas húngaras cantadas na América. Traduzido por August J. Molnar.

      Uma amostra pictórica do histórico Fredon / escrita por Judith Cummings Kaiser Consultora: Myra Snook, historiadora do município.

      GREEN TOWNSHIP (Tranquility Huntsville)

      Uma breve história de Green Township: Sussex County, New Jersey / por Howard E. Case.

      A history of Green Township, 27 de dezembro de 1824 - 27 de dezembro de 1974 / por Thomas J. Beirne.

      Inventário histórico e cultural / produzido pelo Green Township Environmental Advisory Committee

      Tudo sobre Hamburgo / de Marion E. Wood.

      Franklin, Hamburg, Ogdensburg e Hardyston / William R. Truran.

      Reflexões e comentários: uma saudação a Hampton Township por ocasião do seu 100º aniversário. / Apresentado pelo Comitê do Centenário: Dorothy K. Kindmark, presidente, Mary Elizabeth Price, co-presidente.

      Memorial de Hardyston: uma história do município e da Igreja Presbiteriana do Norte, Hardyston, Condado de Sussex, Nova Jersey / por Alanson A. Haines. | Também disponível através do HeritageQuest

      Herança de Hardyston no ano do Bicentenário, 1762-1976 / escrita, pesquisada e compilada por Helen H. Wurst.

      Celebração do 200º aniversário, Município de Hardyston, Condado de Sussex, Nova Jersey: sábado, 30 de junho, em Simpson & # 8217s Farm: 1762-1962, diário histórico de souvenirs.

      Saudações da Ilha Bertrand [VHS]

      Saudações do Parque de Diversões Bertrand Island / Martin e Laura Kane.

      History of Hopatcong Borough / por Stuart A. P. Murray.

      Hopatcong: um século de memórias / Martin Kane.

      Hopatcong historama / [Lago Hopatcong Yacht Club]. | Também disponível através do HeritageQuest

      Guia ilustrado para Lake Hopatcong para a temporada de 1898 / [Editado e publicado por Dwight B. Smith] reimpresso & # 8230 com uma nova introdução de Martin Kane.

      Caty: Jill of all trades / por [Catherine Guirreri e Connie McIntyre edição de fotos por Wade Cutler.]

      Comemorando o 125º aniversário da inauguração do Armstrong & # 8217s Hall, Lafayette, NJ, na Art at the Mill Gallery no Lafayette Mill Antiques Center / [pesquisado e compilado] por David Messineo.

      La Fayette Township, New Jersey: um relato do desenvolvimento da área conhecida como La Fayette desde que a primeira pesquisa foi feita para os proprietários de West Jersey / compilada por Alex Everitt assistido por Brian McCann sob os auspícios do Comitê LaFayette para a Celebração do Bicentenário .

      Lafayette memories & # 8211 uma viagem no tempo que comemora o 250º aniversário do nascimento do Marquês de Lafayette, e a história do município de Lafayette, New Jersey & # 8211, 8 a 11 de setembro de 2007 / [pesquisa por David Messineo]

      Olhe para casa Lafayette: um olhar nostálgico sobre Lafayette & # 8211 através de receitas, fotos e histórias / compiladas e editadas por Sandra Csippan.

      Reflexões do corte de lama: 1940 e # 8217 e início dos anos 50 e # 8217 no condado de Sussex / por Sandra Elizabeth Csippan [compilado por Geza Csippan].

      Meus anos na fazenda: desde 1922 / [por Catherine Guirreri e Connie McIntyre].

      A escola de uma sala / por [Catherine Guirreri e Connie McIntyre.]

      100 anos de progresso: relatório da cidade de Newton, 1964.

      75 anos de serviço à comunidade: comemoração do 75º aniversário do Newton Memorial Hospital / [compilado pelo Comitê do 75º aniversário].

      Um centavo por vista & # 8211 um álbum de vistas de cartões postais & # 8211 Newton, N.J. / de Wayne T. McCabe e Kate Gordon.

      Around the green, Newton, New Jersey / de Kevin W. Wright, com fotos da coleção de Wayne T. McCabe.

      Diretório de Newton, Sussex Co., N.J. para o ano & # 8230: contendo um diretório classificado da população adulta, também um diretório comercial completo e um apêndice com informações úteis.

      Pesquisa histórica e cultural: cidade de Newton (1915), Condado de Sussex, Nova Jersey.

      História de Newton. / por Vera Gibson

      A vida na colina da faculdade: uma história do local do Sussex County Community College / Ann Bain.

      Newton / Kate Gordon e Wayne T. McCabe.

      Diretório da cidade de Newton [execução incompleta dos volumes 1923-1986]

      Newton atualizado! : história, crescimento e desenvolvimento da cidade, algumas das vantagens que a cidade possui como negócio, manufatura e residência: também esboços de todas as principais empresas e casas comerciais / compilados por O.F.I. [editado por Virginia Alleman Brown]

      Aniversário de ouro do município de Ogdensburg, 1914-1964.

      Uma celebração do milênio & # 8220homecoming & # 8221: uma homenagem à nossa comunidade & # 8212 histórica Ogdensburg

      Um centavo por vista e # 8211 um álbum de vistas de cartões postais: Ogdensburg, N.J. / de Wayne T. McCabe e Kate Gordon.

      A história do crescimento de uma cidade mineira e seu lugar único na ciência e na história / compilada e editada por Paul Horuzy.

      Alguma história e manchetes de Upper Wallkill Valley / Andrew Bickerton.

      Sparta, NJ: chefe do Wallkill / William R. Truran.

      Sparta, New Jersey, inundação de 11 a 14 de agosto de 2000 / por Robert G. Reiser e Robert D. Schopp preparada em cooperação com a Federal Emergency Management Agency.

      A história do Lago Mohawk em Sparta, New Jersey. Reimpresso de Building Developer, abril de 1929.

      O monumento do soldado # 8217 em Esparta. & # 8221

      Um centavo por vista & # 8211 um álbum de vistas de cartão postal & # 8211 Sparta, N.J. / de Wayne T. McCabe e Kate Gordon.

      Alguma história e manchetes de Upper Wallkill Valley / Andrew Bickerton.

      A águia Stanhope. [JORNAL] (indexado)

      Uma curta história de Stanhope (de uma palestra proferida no Rotary Club de Netcong pela Sra. H. Salmon Riggs)

      Guia turístico histórico de Stanhope e visão geral do documentário / por Brian H. Morrell.

      Um centavo por vista & # 8211 um álbum de vistas de cartão postal & # 8211 Stillwater, N.J. / de Wayne T. McCabe e Kate Gordon.

      McClellan F. Rosenkrans: um livro de memórias.

      Caminhos do campo: retrato de um século atrás apresentando as obras completas de Louis Larsen e uma visão artística da vida de um século atrás / William R. Truran.

      Recorde tricentenário de Deckertown-Sussex.

      Sussex & # 8211 anteriormente Deckertown: historiador & # 8217s boletim / por Amelia S. Decker.

      Squire Stickney & # 8217s 1895 história de Sussex, New Jersey. | Também disponível através do HeritageQuest

      Linha de fronteira e outros pedaços de biografia e história.

      Vernon 200: a história do bicentenário do município de Vernon, Nova Jersey, 1792-1992 / Ronald J. Dupont, Jr.

      Uma homenagem a Vernon Township, 1792-1970: livreto de lembranças.

      Acima da montanha: um lugar chamado Walpack / de Robert Williams, Mary Christman e a Walpack Historical Society.

      Our Wantage Heritage / by people of Wantage editado por Lawrence E. King e ilustrado por Muriel Robertson.

      Um sermão histórico concebido como um memorial aos habitantes de Wantage, Condado de Sussex, N.J., contendo um relato dos primeiros emigrantes & # 8230 pregado em 7 de janeiro de 1844, na Segunda Igreja Presbiteriana, Wantage, pelo Rev. Peter Kanouse, A.M. | Também disponível através do HeritageQuest

      Contos e cidades do norte de Nova Jersey / por Henry Charlton Beck com fotografias de William F. Augustine.

      275º aniversário, 1710-1985: The Plains Church, Augusta, New Jersey / [compilado por Olive Smith e Steve Koszoru et al.]

      Diretório da Igreja de Baleville (1961-1973)

      História da Primeira Igreja Presbiteriana de Branchville, N.J.

      O homem inesquecível: os poemas, sermões e cartas de George W. Lloyd / Joseph L. Codella, Jr. e William Bathgate.

      História da Igreja Episcopal Metodista de Waterloo, Waterloo, N.J., 1859-1909: e resumos da Igreja Episcopal Metodista, Lockwood, N.J., e da Igreja Episcopal Metodista, Stanhope, N.J.

      Igreja Metodista Unida de Waterloo: 150º aniversário / [compilado] por Robert H. Smith ilustrações da capa por Norma Paich.

      Lembramos a capela da Christ Union e celebramos setenta anos de serviço à Comunidade de Culver Lake, 1910-1980.

      Uma breve história da vida da igreja em Franklin New Jersey / por Herbert Justin Allsup, D.D. Pastor, Primeira Igreja Presbiteriana, Franklin, N.J.

      Uma história da Igreja Presbiteriana de Frame Amarelo, Fredon Township, Condado de Sussex, Nova Jersey / por Nathan H. Lanning. | Também disponível através do HeritageQuest

      A história da Tranquility United Methodist Church, 1802-1972: 170º aniversário, 24 de setembro de 1972 / por Helen R. Johnson.

      Igreja Batista de Hamburgo, Hamburgo, Nova Jersey: 1798-1973: uma história / compilada pela Sra. Frances Bresnahan Moyse.

      Memorial de Hardyston: uma história do município e da Igreja Presbiteriana do Norte, Hardyston, Condado de Sussex, Nova Jersey / por Alanson A. Haines. | Também disponível através do HeritageQuest

      Comemorando o 175º aniversário da construção da Igreja Batista Lafayette e a história das igrejas Metodista-Episcopal e Presbiteriana Lafayette / [pesquisada e compilada] por David Messineo.

      Dois e um quarto de séculos na Old Mine Road, a história da Igreja Reformada Minisink, 1737-1962, Montague, New Jersey, por R.W. Blasberg e Jean-Albee Everitt. | Também disponível através do HeritageQuest

      Centenário, Presbitério de Newton: uma reunião suspensa, na Primeira Igreja Presbiteriana, Washington, N.J.: a narrativa histórica, histórias das igrejas e outros dados: terça-feira, 20 de novembro, dezenove dezessete. | Também disponível através do HeritageQuest

      Uma reunião de cristãos / de Warren D. Cummings.

      História do Presbitério de Newton / compilado por Amelia Stickney Decker (Sra. Ralph) e Ralph Decker.

      Newton. Diretório da paróquia da Igreja Episcopal de Cristo.

      Uma herança dos fiéis: a história do 225º aniversário da Igreja Episcopal de Cristo, Newton, New Jersey, organizada em 1769, incorporada por carta real em 1774 / por Merritt Ierley.

      O primeiro século do Metodismo de Newton, 1831-1931 / por John G. Lytle. | Também disponível através do HeritageQuest

      Anais do centenário da Igreja Presbiteriana em Sparta, N.J., 23 de novembro de 1886, juntamente com uma história da aldeia. | Também disponível através do HeritageQuest

      Uma breve história da Igreja Metodista Episcopal de Estocolmo, New Jersey.

      Uma história do bicentenário da Igreja Metodista Unida de Estocolmo / [compilada por Richard G. Clayton.]

      História da Primeira Igreja Presbiteriana, Sussex, Nova Jersey, 1839-1979. | Também disponível através do HeritageQuest

      História da primeira Igreja Presbiteriana, Sussex, N.J.: centésimo aniversário, 1839-1939 / [compilado por Amelia S. Decker, Ralph Decker].

      Centésimo aniversário, 1872-1972: Igreja Metodista Unida, Walpack Center, New Jersey.

      Registro da Igreja da Congregação Walpeck: iniciado com o Serviço Pastoral de Joh. Casparus Fryemuth, Pregador lá, 31 de maio de 1741.

      Um esboço histórico de trabalho das Igrejas Metodistas Unidas Sandyston e Walpack.


      Assista o vídeo: Katy Perry - The One That Got Away Official Music Video